Notícias

Amazônia e Cerrado têm aumento de desmatamento em março

Dados de monitoramento do Inpe mostram alta de desmatamento na Amazônia e no Cerrado de 12% e 146%, respectivamente, para o mês de março

Duda Menegassi ·
11 de abril de 2021

Enquanto o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ergue a voz para defender os madeireiros em duelo contra operação da Polícia Federal, os números mostram o avanço da motosserra não apenas na Amazônia, mas também no Cerrado. De acordo com o Deter, sistema de monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apenas entre os dias 1º e 31 de março foram 367,6km² desmatados na Amazônia Legal e 529,3km² no Cerrado, que representam aumentos de 12% e 146%, respectivamente, em comparação ao mesmo mês no ano passado.

Este é o mês de março com maior índice de desmatamento na Amazônia dos últimos 5 anos, quando teve início a série histórica do Deter. O crescimento pode ser ainda maior, pois de acordo com o Deter houve uma média de cobertura de nuvens no mês de 44,21%, índice maior que nos últimos dois anos. Ou seja, muita coisa pode ter ficado “escondida” do satélite.

O desmatamento no período foi liderado pelos estados do Pará (166,71km²), Mato Grosso (81,89km²) e Amazonas (61,41km²).

Desde o começo de 2021, a Amazônia já perdeu 576,15km². A ordem dos três estados mais desmatadores se mantém no acumulado total do trimestre, com Pará (221,14km²), Mato Grosso (153,63km²) e Amazonas (93,08km²) com as maiores perdas de cobertura florestal.

Apesar da suposta proteção ambiental, duas unidades de conservação perderam 30km² de floresta apenas nos três primeiros meses do ano: a Floresta Nacional do Jamanxim (14,73km²) e a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (14,33km²), ambas no Pará.

Já no Cerrado, que no mês de março registrou a perda de 529,32km², mais que o dobro do mesmo período em 2020, quando o bioma perdeu 215,15km² e o maior índice registrado para o mês nos últimos três anos, quando teve início a série histórica do Deter para o Cerrado.

O estado da Bahia foi quem registrou a maior perda de área de savana e, apenas em março de 2021, teve 214,5km² desmatados. Os outros dois estados que completam o pódio dos maiores desmatadores são Tocantins (79,25km²) e Minas Gerais (78,52km²).

Ao todo, no primeiro trimestre do ano, a savana brasileira perdeu uma área de 824,35km², o que representa um aumento de 13,8% em relação aos primeiros três meses de 2020. A maior parte da área desmatada até agora em 2021 está na Bahia (266,82km²), onde estão os sete dos dez municípios que mais desmataram no período.

Leia também

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2020

Governo minimiza números do desmatamento, dizem especialistas

Tentativa de relativizar a alta nas taxas de destruição da floresta, apontada pelo INPE na última segunda-feira, é preocupante, defendem pesquisadores

Reportagens
20 de dezembro de 2020

Boi em alta eleva pressão do desmatamento na Reserva Chico Mendes 

Venda de lotes de terra pelos próprios moradores é outro agravante dentro da unidade; Projeto de Lei que desafeta áreas da UC contribui para a prática ilegal

Notícias
4 de março de 2021

Desmatamento põe municípios da Amazônia na liderança de emissão de gases de efeito estufa

Mapeamento inédito das emissões de gás carbônico por município no país revela que, impulsionado por desmatamento e agropecuária, municípios amazônicos lideram o ranking

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    E o $alle$$ dorme zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz…

    Pode jogar fora.