Notícias

O leopardo-das-neves está numa fria

O homem é o único predador deste animal. Caça, perda de habitat e mortes por retaliação são as principais causas do risco de extinção da espécie.

Redação ((o))eco ·
31 de outubro de 2014 · 7 anos atrás

Leopardo-das-neves ([i]Panthera uncia[/i]) no Zoológico de Nuremberg. Foto:
Leopardo-das-neves ([i]Panthera uncia[/i]) no Zoológico de Nuremberg. Foto:

O leopardo-das-neves (Panthera uncia) é uma espécie de felino nativa das grandes montanhas da Ásia Central. São encontrados em 12 países, incluindo China, Butão, Nepal, Índia, Paquistão, Afeganistão, Rússia e Mongólia. Um parente próximo do tigre (Panthera tigris), a sua população global atualmente está entre 4,080-6,590 indivíduos. Suspeita-se que nos últimos 16 anos, a população tenha sido reduzida em pelo menos 20%, devido à perda de habitat e de fontes de alimentos causados pelas mudanças climáticas, à caça ilegal e conflitos com humanos. Leopardos-da-neve são frequentemente mortos por fazendeiros locais porque elas predam animais como ovelhas, cabras, cavalos e iaques. Embora protegida em todos os países onde é encontrada, as medidas de conservação da espécie esbarram na falta geral de consciência das populações destes países. A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN classifica a espécie como ‘Em Perigo de Extinção‘.

 

 

Leia Também
Rinoceronte-negro: o tempo está se esgotando
Peixe-Napoleão: o protetor em perigo de extinção
Bonobos: nome engraçado, destino nem um pouco

 

 

 

Leia também

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Notícias
17 de setembro de 2021

Ministério cria programa para fazer o que a Agência Nacional de Águas já faz

Lançado nesta sexta (17), o Rio+Limpos tem como objetivo disponibilizar dados sobre qualidade das águas e fomentar ações de melhoria e saneamento, competências historicamente feitas pela ANA

Notícias
17 de setembro de 2021

Tocantins vende terras públicas invadidas a R$ 3,50 o hectare

Valor é o mais baixo entre os estados da Amazônia, revela estudo do Imazon. Além do preço irrisório, Tocantins tem pior colocação no ranking de transparência

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta