Desmatamento consolidado: um pouco acima da estimativa

Daniele Bragança e Rafael Ferreira
quarta-feira, 10 setembro 2014 22:08

Área desmatada na Floresta Nacional de Jamanxin. Foto: Leonardo F. Freitas/Flickr, tirada em 2007.
Área desmatada na Floresta Nacional de Jamanxin. Foto: Leonardo F. Freitas/Flickr, tirada em 2007.

Demorou mas saíram hoje os dados consolidados do desmatamento na Amazônia Legal, que atualizam os dados preliminares, divulgados no final de 2013. A taxa revisada aumentou ligeiramente e mostra que foram desmatados 5.891 km², contra 5.843 km² que se acreditava anteriormente, um aumento de 1%. Apesar do aumento, esse desmatamento ainda é o segundo mais baixo da história da Amazônia Legal, desde que a região começou a ser monitorada pelo INPE em 1988 (veja na tabela abaixo).

Pará e Mato Grosso lideraram o desmatamento no período em números absolutos, com 2.346 km² e 1.139 km² desmatados, respectivamente. Porém, a variação de aumento de área desmatada de um ano para o outro mostra que Mato Grosso e Maranhão são os vilões da lista, cada um aumentou o desmatamento em 50% em relação a 2012.

Acre e Amapá foram os dois únicos estados que conseguiram diminuir o  desmate no período entre 2012 e 2013: o Acre diminuiu 28% e o Amapá 15%.

Calendários

Desde 2008, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) faz um esforço para divulgar os dados preliminares do desmatamento no final do ano, durante ocorrência de alguma COP do clima. A tradição de manter um calendário de divulgação começou na COP de Bali (COP-13), ainda durante a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente.

A divulgação dos dados consolidados não contam com o mesmo costume. Os dados não têm mês certo para sair. Já foram divulgados em agosto, abril, outubro e, nos últimos 2 anos, o governo começou a publicar os dados de validação durante o dia 5 de junho, dia do meio ambiente.

O calendário parecia estar fechado: divulgação do dado preliminar durante as COPs, divulgação da validação em junho. Falso. Após a data não ser respeitada esse ano, o Instituto Socioambiental protocolou ofício requisitando aos ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, acesso aos dados consolidados do Prodes, referentes ao desmatamento de 2013, e aos dados do Degrad referentes a 2011, 2012 e 2013. Assim, foi dado abertura para especulações sobre os números consolidados e o porquê do governo não divulgava logo o número.

Agora, as atenções se voltam para os dados mensais. Tanto o Sistema Deter, do INPE, quanto o Sistema SAD, do Imazon, apontam tendência de alta do desmatamento para esse ano.  O número oficial do desmatamento anual sai em novembro, durante a COP de Lima (COP 20).

 

 

Leia Também
Zangada, ministra anuncia aumento de 28% no desmatamento
Confirmado o menor desmatamento da história na Amazônia
Na lente do satélite, crônica da Amazônia

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.