Fotografia

Parque Estadual do Forno Grande (ES)

Área protegida pouco conhecida no Espírito Santo esbanja beleza em suas formas e cores. Fonte de água e abrigo para espécies, parque precisa de mais atenção.

Palê Zuppani ·
31 de outubro de 2008 · 13 anos atrás

O Parque Estadual de Forno Grande fica no município de Castelo, na região serrana do Espírito Santo. Dos parques estaduais, é um dos menos conhecidos, entretanto, é um local único pelas belezas que abriga. Com uma área de pouco mais de 730 hectares, a área protegida tem como principal atrativo seu pico, um mirante e algumas corredeiras de água. Seu nome foi dado por nativos, pois sempre em cima de seu ponto mais alto há uma pequena nuvem, e os indígenas dizem que a natureza já acendeu o forno para fazer pão.

Os dias que passei na região para produzir estas imagens foram de muito frio e tempo limpo. O parque tem grande importância para o ambiente natural da região, pois é um refúgio para a fauna. Nas suas trilhas, encontrei grande quantidade de pegadas, de veado a um felino de grande porte. Entretanto, o parque sofre uma grande pressão da população do entorno, seja pela caça ou mesmo pelas propriedades agrícolas.

Mas o que mais me chamou atenção foram as pedreiras, como feridas abertas em regiões tão bonitas. Fui até uma delas, no mesmo maciço do parque, que, apesar de se dizer “legalizada”, causava grande impacto. A visita aconteceu na companhia de fiscais do Iema (Instituto Estadual do Meio Ambiente). Apesar de muitos problemas na pedreira e eminentes irregularidades, eles nada puderam fazer. Uma das grandes táticas dessas empresas é enterrar a degradação que provocam, para “maquiar” a paisagem.

As fotos retratam os dois lados dessa bela e importante região do Espírito Santo. De um, as belas paisagens, flora e águas; de outro, a pedreira vizinha ao parque.

Leia também

Notícias
23 de setembro de 2021

Sociedade civil repudia propostas antiambientais da Economia

Planos de Paulo Guedes e setor empresarial para o meio ambiente estão sendo analisados pelo Ibama, que tem até dia 30 de setembro para responder

Reportagens
23 de setembro de 2021

Ilegal, desmate autorizado pelo governo da Bahia é maior que a cidade do Recife

Área compõe latifúndio considerado um dos maiores casos de grilagem do país. Titulação do território tradicional das comunidades geraizeiras do Cerrado é fundamental para conter a devastação

Reportagens
22 de setembro de 2021

Mudança climática deve alterar o funcionamento de comunidades de microrganismos marinhos, aponta estudo

Grupo de pesquisadores de várias partes do mundo concluiu que o plâncton do planeta se organiza em consórcios microbianos, em que uma espécie depende da outra para viver

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta