Dicionário Ambiental

Entendendo o Cerrado

No segundo guia ((o))eco, voltamos a atenção para a "Savana brasileira", o segundo maior bioma nacional.

5 de maio de 2013 · 8 anos atrás

A palavra Cerrado tem origem no Espanhol significando “fechado”. Ela vem tentar traduzir a característica geral do bioma, de uma vegetação densa de arbustos e gramíneas, com árvores baixas e tortuosas que ali ocorrem. É um termo de múltiplos sentidos: além de nomear o bioma, também designa seus tipos de vegetação, as formas de vegetação que o compõe, bem como pode qualificar características estruturais ou florísticas particulares de determinadas regiões. Esta pluralidade de sentidos pode dificultar uma conceituação única, mas reflete a imensa diversidade da região.

De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Cerrado ocupa uma área de 2.036.448 km², cerca de 22% do território nacional. Isto faz dele o segundo maior bioma do Brasil e da América do Sul, perdendo apenas para a Amazônia. Esta imensa área encobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além dos porções no Amapá, Roraima e Amazonas. As três maiores bacias hidrográficas do continente encontram suas nascentes nesta área: Bacias Amazônica, do São Francisco e do Prata, o que favorece a sua biodiversidade.

A maior parte do bioma do Cerrado se distribui em área de clima tropical sazonal de inverno seco – semelhante à savana do continente africano (daí o apelido de “savana brasileira”). É um clima quente e quase sem ventos: a temperatura média anual varia entre 21ºC e 27ºC, podendo chegar a marcações de até 40°C na primavera. As mínimas registradas podem chegar a valores próximos de 10°C ou até menos, nos meses de maio, junho e julho. A região apresenta uma divisão bem definida em relação ao clima e ao regime de chuvas. Entre maio e setembro o Cerrado permanece seco, de outubro a abril, chuvoso.

Em razão de fatores ambientais tais como regime de fogo, clima, a fertilidade e drenagem solo, relevo e, inclusive, interferência humana, a vegetação não possui uma fisionomia única em toda a sua extensão. Pelo contrário, ela é bem diversificada, apresentando desde formas campestres bem abertas, os campos limpos de cerrado, até formas relativamente densas, florestais, como os cerradões.

Esta diversidade também se verifica na flora e fauna do bioma: o Cerrado abriga 11.627 espécies de plantas nativas, com 4.400 endêmicas (exclusivas) dessa área. Cerca de 199 espécies de mamíferos e 837 espécies de aves. São 1200 espécies de peixes, 180 espécies de répteis (28% endêmicas) e 150 espécies de anfíbios (17% endêmicas). Ainda é refúgio de 13% das borboletas, 35% das abelhas e 23% dos cupins dos trópicos.

Mesmo assim, o risco de extinção é presente para várias espécies de plantas e animais. Novamente baseado em dados do MMA, estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas já não ocorrem em áreas protegidas e que pelo menos 137 espécies de animais que ocorrem no Cerrado estão ameaçadas de extinção. A ocupação humana exerceu, e exerce, grande pressão sobre o bioma, com a abertura de novas áreas para a expansão da fronteira agrícola e a exploração predatória de seu material lenhoso para produção de carvão.

Embora o risco e importância biológica sejam conhecidos, dentre os biomas brasileiros o Cerrado é o que possui a menor porcentagem de áreas sobre proteção integral. Apenas 8,21% de seu território legalmente protegido por unidades de conservação.

*Crédito da imagem original: Verônica Theulen

 

Leia também

Notícias
19 de julho de 2021

((o))eco lança ebook “Sob a Pata do Boi – Como a Amazônia vira pasto”; Saiba como baixar

Obra reúne as principais histórias de cinco anos de trabalho sobre a cadeia da pecuária e sua relação direta e indireta com o desmatamento ilegal na Amazônia brasileira

Reportagens
19 de julho de 2021

Secas na América do Sul podem aumentar até o fim do século, sugere estudo

Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem no patamar atual, temperatura média tende a subir até 4 ºC em algumas regiões. Nesse cenário, os extremos climáticos se tornarão mais intensos e frequentes, indicam projeções feitas com os novos modelos climáticos do IPCC

Reportagens
16 de julho de 2021

“É urgente decretar moratória ao desmatamento”, afirma cientista

Líder do estudo pioneiro que mostrou que parte da Amazônia já emite mais carbono do que absorve diz que Brasil está na contramão do Acordo de Paris

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Carlos diz:

    O título da matéria é um absurdo. Decretar moratória a um direito líquido e certo do produtor rural desmatar os 20 % de área de produção de sua fazenda é um confisco ilegal, na mão grande. E moratória a desmatamento ilegal… sem comentários.