Marc Dourojeanni
Consultor e professor emérito da Universidade Nacional Agrária de Lima, Peru. Foi chefe da Divisão Ambiental do Banco Interamericano de Desenvolvimento e fundador da ProNaturaleza.

Não há mal que dure para sempre

Marc Dourojeanni
quarta-feira, 24 abril 2019 16:40
Governos passam.e seus ataques também. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.

Você é um ambientalista. Mais ainda, você é um profissional do ambiente e  dedicou toda sua vida para proteger a natureza e harmonizar desenvolvimento e ambiente. Você sabe que o futuro da humanidade é cada dia mais difícil e que o tão temido tempo do apocalipse se aproxima inexoravelmente, impulsionado pela monumental e irremediável imbecilidade humana. Sabe que esse comportamento é comum também no seu próprio país, muitas vezes liderado pelos governos.

Você sempre soube como combater o maltrato ao meio ambiente. Ainda que nunca com a eficiência desejada, soube como ser e se sentir útil na luta por um futuro melhor. Por isso combateu o discurso e a prática da esquerda falsificada, salpicada de corrupção, que levaram o seu país a um grande buraco, um vazio de papo furado com conotações vermelhas que pareciam cuidar do entorno natural, mas que, na prática, só agravaram as suas preocupações ambientais. Então achou que era tempo de mudar, quiçá virando um pouco para a direita, no intuito de encontrar o tal do equilíbrio, da esperança. Assim foi como, na última eleição, você provavelmente votou convicto de que não poderia ser pior. Mas, a virada foi demais. E, agora, ante a incessante e volumosa avalanche de decisões, propostas e declarações estapafúrdias sobre temas ambientais, você não sabe mais o que fazer. E não é o único!

“Nestes primeiros três meses e pouco mais do governo atual, a sucessão de erros garrafais realizados, anunciados ou propostos tem superado tudo o que o mais imaginativo dos esquerdistas poderia ter inventado para denegrir a direita.”

Os novos governantes, no tema ambiental não parecem ser de direita e nem sequer da ultradireita… são piores, pois parecem ter perdido a razão. Nestes primeiros três meses e pouco mais do governo atual, a sucessão de erros garrafais realizados, anunciados ou propostos tem superado tudo o que o mais imaginativo dos esquerdistas poderia ter inventado para denegrir a direita. Os do antigo regime não têm que se complicar a vida para ver erros na condução atual da área ambiental. Que outra coisa é negar o fato da mudança do clima, permitir o uso livre de agrotóxicos proibidos no mundo civilizado, propor eliminar a reserva legal, permitir explorar espécies marinhas já quase extintas, facilitar o desmatamento de áreas de preservação permanente, pretender eliminar ou reduzir unidades de conservação, retirar a proteção das terras indígenas e tentar abri-las para toda forma de uso, permitir exploração de petróleo ou minerais em áreas de alto risco ambiental, maltratar o pessoal que no campo faz cumprir as leis da nação, perdoar multas e dificultar a apreensão de meios usados para atos ilegais, descumprir compromissos internacionais, não fazer nada para melhorar o saneamento urbano, difamar as organizações não governamentais, atacar a cooperação técnica internacional que mais apoia o país!!!

A lista não tem fim, e provém de todos os lados do governo e inclusive dos seus membros no Congresso. E é alegremente imitada nos estados, como no Tocantins. Lamentavelmente a grande massa da cidadania, essa mesma que vota sem pensar por um extremo e logo pelo outro, participa do processo sem reagir e até aproveita do pânico, como ocorre neste momento com os invasores da terra dos Uru-eu-wau-wau em Rondônia e, por certo  aproveitam garimpeiros, madeireiros, caçadores e pescadores em todo o Brasil, animados pelas declarações presidenciais. E melhor é nem falar dos empreiteiros e políticos, ávidos por obter “sem problemas” suas licenças ambientais.

Alguns dizem que as propostas ou decisões estapafúrdias, que proliferam tanto, não são erros nem expressões caóticas dos sem-razão. Sustentam que, pelo contrário, são medidas bem pensadas e calculadas para cumprir o plano de enriquecer ainda mais a uns poucos, aqui ou no exterior. Mas, fazê-lo à custa do próprio futuro de brevíssimo prazo ‒ por exemplo, a perda de mercados para a produção agropecuária ‒ é um suicídio tão óbvio que não parece possível. E um aproveitar geral. Como se, e de fato é, alguém tivesse dito “a natureza já não serve para mais nada, igual vai desaparecer e o ambiente não é problema sério, pode esperar”. E tivesse complementado dizendo “Vamos todos aproveitar antes de que o mundo se acabe, vamos desfrutar antes de enfrentar o julgamento final”. E outros pensam que o anterior é exagero, que a esquerda com apoio da imprensa inventa quase tudo o que se escuta, lê e vê. Que isso pode ter um pouco de verdade, é verdade. Mas, isso não muda o fato de que este governo, que parece ter políticas sensatas em outros setores, parece ter concentrado toda sua loucura e raiva suicida contra o ambiente.

“Nada é efetivo contra um establishment que simplesmente decidiu não ler, não escutar e não ver; que se sente acima de tudo e que é acompanhado pela inércia cega de grande parte da sociedade.”

Você, como quem escreve esta nota um tanto desesperada, não sabe mais o que fazer. A maratona de artigos, comentários radiais e televisados ou nas redes sociais, denunciando as barbaridades ou acudindo a justiça, sempre lerda, não tem nenhum eco nas autoridades. Nada é efetivo contra um establishment que simplesmente decidiu não ler, não escutar e não ver; que se sente acima de tudo e que é acompanhado pela inércia cega de grande parte da sociedade. Com efeito, o tema ambiental não comove as massas latino-americanas. Aqui não serão feitas greves ou grandes manifestações que sacudam o poder, como as que acontecem agora mesmo na Inglaterra e em outros países da Europa. A democracia na região, embotada pela ignorância que gera indiferença, não tem mecanismos efetivos para “fazer algo” num caso destes.

Então, fazer o que? Esperar. Neste caso o principal remédio é o tempo e a resistência. Não há mal que dure tanto, embora nesta ocasião o tempo é curto e os recursos e as oportunidades que se perdem não se recuperarão. Por enquanto, ainda que pareça derrotada por antecipado, a luta deve continuar e, apesar que os aludidos não queiram entender nem atender, deve-se perseverar teimosamente na crítica e nos bons exemplos. É fundamental documentar bem o que acontece e fazer planos em preparação para novos tempos. Deve-se cooptar o povo para essa luta, aprofundando a educação sobre a realidade do planeta e do país. Um dia ou outro os que estão fazendo o que agora fazem vão pagar por isso. O dano aumenta irreparavelmente dia a dia, mas se pode esperar que virão dias melhores, nos que a inteligência tenha proeminência sobre a cobiça cega e a estupidez.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

Qual é, senhor ministro?

É necessário um ministério do Meio Ambiente?

Os 30 anos do Parque Nacional Grande Sertão Veredas e seus desafios

 

17 comentários em “Não há mal que dure para sempre”

  1. Pobre inocente… Não sabia que seria assim. Foi enganado… Seja honesto e assuma sua postura cega. Cega pelo ódio da esquerda, que apesar de errada em muitos aspectos, tinha um rumo. Os avanços sociais, que talvez não interessem a muitos ambientalistas, ao menos ocorreram. Falar em resistência?? É sério isso?? Defenderam o indefensável e se atrevem a se considerar resistência?? Não me admiro se não estiver nessa resistência candidatos a cargos na neoditadura agropentecostal apocalíptica.

    Responder
  2. Que espécie de texto é esse..? “Governos passam e seus ataques também” … “Então, fazer o que? Esperar.” Parabéns pelo incentivo. Vamos assistir sentados, o fim.

    Responder
  3. O texto diz que "o atual governo parece ter políticas sensatas em outros setores". Desafio o autor a destacar pelo menos uma destas políticas em qualquer setor! O que se vê é o desmonte, a destruição a desintegração de tudo que foi construído por todos os governos que passaram após a Ditadura! Colocaram nos postos-chaves pessoas despreparadas, ridículas, sem nenhum conhecimento. Basta ver a cada dia na imprensa o monte de asneiras e besteiras que fazem e falam. O Brasil é, simplesmente, um barco à deriva!

    Responder
      • O autor, que é para ele quem dirigi o comentário, ainda não destacou qual "política sensata" que o atual "governo" tem! Cadê? É porque simplesmente não existe! O que existe ali é um monte e aloprados!

        Responder
  4. Brilhante e lúcido como sempre, caro Marc! Pena que seja um réquiem da conservação atualmente pilotada por um inconsequente sem compromisso e conhecimento da area. Temos muita fé na excelência e dedicação dos que ocupam aquela casa por direito e não se calarão diante de tamanha inconsequencia!

    Responder
  5. Acho que meio ambiente se sobrepõe às tendências políticas. Quando se fala em proteção do meio ambiente se fala entre outros de sobrevivência do homem na terra. Será que o atual governo não percebe isso? Essas políticas adotadas dizem respeito a nossa vida na terra, cada vez pior…. Esse ministério se transformou em ministério contra o meio ambiente. Dá uma tristeza muito grande em ver as medidas adotadas para viabilizar a extinção da Amazônia…. porque tanta urgência nisso? Será que o atual ministro não consegue ver como será reconhecido no futuro? Como o maior mau feitor da natureza? Se orgulhara disso? E seus descendentes? E os brasileiros que estão aprovando essas políticas insensatas? O futuro lhes fará justiça e nós continuaremos chorando por perdas tão grandes…

    Responder
  6. O que mais surpreende da leitura dos comentários negativos é que, evidentemente, não leram o texto completo. Apenas olharam uma que outra frase completamente fora de contexto. Esses leitores não querem entender que o autor pleiteia pelo desenvolvimento sensato e a conservação da natureza. Por isso, defende um equilíbrio que, obviamente, nem a esquerda nem a direita proporcionam.

    Responder
  7. Admiro quem muda de opinião quando os fatos assim o exigem e não ficam distorcendo fatos para manterem opiniões. Agora, fico também admirado e encucado, querendo saber o que tava pensando quem apoiou esse governo maluco, sendo pessoa que se importa com a preservação do meio ambiente, como tenho certeza que o articulista é, o que que tava achando? Porque se tem uma coisa de que esse governo não pode ser acusado é de fraude eleitoral. Eles na campanha já diziam tudo o que iam fazer. Qual a surpresa? Talvez a única coisa que possa ser cobrada é que o presidente garantiu que não ia colocar ninguém réu nos ministérios e o Ricardo Salles já é condenado em 1a instância por improbidade. Também falou que faria nomeações técnicas e agora tá botando a PM em postos para os quais parecem não ter preparo ou experiência suficientes, mas esses PMs, cumpridores obedientes, sabem que estão ali só pra tapar buraco, segurar a onda enquanto o governo não refunde ICMBio e Ibama em mais um passo para o desmanche do Sisnama. Mas, voltando ao que o governo prometeu tá tudo aí, desmonte do Sisnama e da estrutura (indústria de multa) que já era bem fraca e só se mantinha pelo empenho dos servidores ambientais das pontas, que agora estão sendo atacados como categoria e, em alguns casos, pessoalmente; nenhum centímetro a mais de área protegido. Isso tudo já tava prometido. Então, por favor me respondam, quem da área ambiental apoiou essa proposta de governo e agora está arrependido, o que o governo está fazendo que não falou que ia fazer?

    Responder
  8. As propostas dele, antes das eleições, já deixavam claro o desastre para o meio ambiente que se tornou este governo autoritário e irresponsável.

    Responder
  9. Minha vontade é mandar esse monte de cego maluco pra puta que pariu. Ahh… pensando bem: vão pra puta que pariu infelizes. Destruição é o cu de vcs.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.