Guilherme José Purvin de Figueiredo
Coordenador Geral da Associação dos Professores de Direito Ambiental do Brasil

Em que o Direito Ambiental pode contribuir para a gestão da crise de pandemia COVID-19?

Guilherme José Purvin de Figueiredo
domingo, 22 março 2020 16:33
Imagem: Gerd Altmann/Pixabay.

Aloísio Azevedo, em seu romance “Casa de Pensão”, descreve um personagem chamado Amâncio que vem do Maranhão para estudar na metrópole (Rio de Janeiro), mas que acha enfadonho o próprio estudo de Medicina. Começa então um diálogo interior:

“—… com dinheiro também obtemos os médicos de que precisamos, e não vale a pena, por conseguinte, gramar seis anos de academia e curtir as maçadas que estou aqui suportando, sabe Deus como!

— Mas, neste caso, a coisa muda muito de figura! — dizia-lhe em resposta uma voz que vinha de dentro do seu próprio raciocínio. — Não se trata aqui de fazer um ‘médico’, trata-se de fazer um ‘doutor’, seja ele do que bem quiser! Não se trata de ganhar uma ‘profissão’, trata-se de obter um ‘título’. Tu não precisas de meios de vida, precisas é de uma posição na sociedade”.

Infelizmente, a fina ironia do grande escritor naturalista brasileiro continua válida no Brasil, decorrido um século e meio. Ainda há, em nosso país, um grande número de professores e pesquisadores mais preocupados em títulos de pós-doutores no exterior e em pontuação no CAPES do que em fazer valer a função social do Direito Ambiental.

Embora exista uma tendência do Direito Ambiental de afirmar que praticamente todas as mazelas decorrem do descumprimento dos tratados e convenções internacionais e das leis locais sobre meio ambiente, esta relação talvez não seja tão óbvia e flagrante quando pensamos na pandemia COVID-19.

É impossível antecipar todas as questões que deverão ser enfrentadas nas próximas semanas e meses e como elas se relacionarão com o Direito Ambiental, sobretudo se quisermos circunscrever estas questões no estrito âmbito das ciências jurídicas. Não é o momento de nos confinarmos num discurso jurídico hermético e sem qualquer significado prático. Por isso, faz-se necessário mais do que nunca que os debates tenham um caráter inter e multidisciplinar. Não serão os professores de Direito Ambiental sozinhos que conseguirão trazer respostas eficazes para a crise de proporções apocalípticas que se avizinha.

“É momento de sair da bolha, de reconhecer que o Direito Ambiental talvez não tenha a resposta definitiva para a crise planetária que enfrentamos.”

Será necessária a contribuição de profissionais de todas as demais áreas afetas ao meio ambiente e à saúde pública: biólogos, médicos, engenheiros sanitaristas, sem dúvida, mas também profissionais das áreas da Geografia, das Letras, da Psicologia, do Jornalismo, da Economia, da Arquitetura e Urbanismo e da Geofísica, dentre outros.

Este precisa ser, nos próximos tempos, o norte dos estudos de Direito Ambiental: fomentar reflexões no Brasil e do mundo com outras áreas do conhecimento humano e difundir, por meio de textos vazados em linguagem que possa ser compreendida pelo leigo, estas reflexões, sem pretensões de caráter meramente acadêmico.

É momento de sair da bolha, de reconhecer que o Direito Ambiental talvez não tenha a resposta definitiva para a crise planetária que enfrentamos. Nem por isso, esta crise lhe é indiferente, podendo o jurista, dentro das limitações políticas que dão o contorno ao Direito, ser mais um parceiro na conjunção de esforços de todos para a superação da tragédia que enfrentamos. Menos sucedâneos de títulos nobiliárquicos, mais ciência em benefício da coletividade.

Nos próximos dias, pretendo apresentar algumas questões que podem ser examinadas sob a perspectiva jus-ambiental. A intenção é de relacioná-las, a título de mera provocação inicial para um debate posterior que necessariamente precisará aprofundar-se. Serão elas:  princípios de direito ambiental; qualidade ambiental nas cidades; saneamento básico; estado de direito ambiental e direitos animais.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

Os cem primeiros dias da nova política ambiental

Agronegócio poderá ficar em situação tão desconfortável quanto o Direito Ambiental em 2019

A quem aproveita acabar com a biodiversidade?  

 

5 comentários em “Em que o Direito Ambiental pode contribuir para a gestão da crise de pandemia COVID-19?”

  1. O texto caminha, e muito bem, no sentido marcado no encontro virtual de alguns integrantes da Aprodab. Os saberes devem ser (com)partilhados. Parabéns.

    Responder
  2. O papel de um meio ambiente equilibrado para a saúde da população, tal foi o desafio que se colocou a todos nós no encontro virtual, e este artigo, de modo brilhante, dá a largada para a busca da resposta a esta pergunta. Quem pode (deve) agir em defesa da saúde pública, o inciso II do artigo 23 da Constituição Federal já diz – competência comum da União, Estados, Distrito Federal e Municípios -, e as normas gerais estão na Lei 8080, de 1990, com suas modificações. Já temos exemplos de problemas de saúde pública ligados ao descaso com o meio ambiente, que não serão trazidos aqui para não ser escrito um artigo paralelo, o que seria uma profunda deselegância diante de um texto tão instigante e necessário. Muito oportuno o texto.

    Responder
  3. O debate é no momento bastante oportuno. Gostaria de fazer valer nessa discussão o papel do Gestor Ambiental, um profissional preparado para a gestão de pessoas e de projetos, garantindo a interdisciplinaridade de um ambiente sustentável, equilibrado e socialmente justo.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.