Felipe Pedrosa, Marcelo Osório Wallau e Clarissa Alves da Rosa
Felipe Pedrosa, Marcelo Osório Wallau e Clarissa Alves da Rosa são especialistas em Ecologia e Controle de Javalis e seus híbridos.

A proibição da caça do javali em São Paulo e a ditadura dos falsos protetores

Felipe Pedrosa, Marcelo Osório Wallau e Clarissa Alves da Rosa*
segunda-feira, 2 julho 2018 18:28
Governador de São Paulo sancionou lei que proíbe a caça de Javalis. Foto: Luiz Guilherme de Sá/Ibama.

O estado de SP acaba de promulgar uma lei típica para arrecadar votos em ano eleitoral. Trata-se do PL299/2018, de autoria do deputado estadual Roberto Tripoli (PV), votado às pressas, em sessão extraordinária sob regime de urgência e sem a menor discussão técnica ou consulta à sociedade. Sob o falso pretexto de proteção à fauna e à biodiversidade, a lei proíbe a caça de espécies declaradas nocivas no Estado de SP. É o caso dos javalis, uma das piores espécies exóticas invasoras do planeta, que ameaçam a saúde humana, a agricultura e a biodiversidade.

Javalis vêm expandindo sua distribuição no Brasil e só em São Paulo já afetam mais de 320 municípios — em 2013 eram 64! O abate de espécies nocivas é amparado desde 1967 pelas leis federais de proteção à fauna (5197/67) e dos crimes ambientais de 1998 (9605/98).

No caminho inverso de outros países que sofrem com a invasão dos javalis, em 2010 o IBAMA proibiu o controle de qualquer espécie exótica através da IN 08/2010 (qualquer semelhança com o atual PL299/2018 de SP não é mera coincidência). Até que, em 2013, após os javalis se tornarem um risco sanitário, ambiental e social iminente no país, o IBAMA revogou a catastrófica normativa, declarando a nocividade dos javalis e regulamentando o abate da espécie em todo território nacional através da IN 03/2013. Desde então, Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Agricultura (MAPA) vem atuando juntos, através do grupo de assessoramento técnico para auxiliar a estratégia nacional de controle da espécie no Brasil – o PAN Javali (Plano Nacional de Prevenção, Controle e Monitoramento do Javali Sus scrofa no Brasil), formado por especialistas, poder público e sociedade civil, incluindo representantes dos protetores dos animais. É a principal e mais bem articulada e embasada iniciativa para lidar com o problema hoje no Brasil, e serve de exemplo de como gerir fauna neste país.

“(…) a única diferença entre javalis e sinantrópicos é o habitat que ocupam, pois tanto um quanto o outro são uma ameaça à saúde pública e devem ser controlados. Quem irá arcar com o prejuízo caso seja deflagrado um caso positivo de aftosa nos rebanhos paulistas?”

A lei que o Estado de São Paulo acaba de promulgar não só vai contra a estratégia nacional de controle dos javalis, ameaçando acordos internacionais de conservação e comércio exterior, como expõe a sociedade ao perigo de estar submetida a fanfarrões que impõem decisões unilaterais aparentemente sem o menor conhecimento de causa.

O PL 299 vem ao encontro da demanda de grupos de proteção e defesa animal que enxergam o controle do javali como exemplo de maus-tratos e, portanto, possui amplo alcance sentimental nos eleitores e legisladores mal informados. Ironicamente, a mesma lei exclui as espécies sinantrópicas do texto, como ratos e pombos. Ora, se o fundamento do bem-estar animal reside no reconhecimento da senciência animal, por que então aceitar os piores tipos de sofrimento a que ficam submetidos os ratos no ato de controle em áreas urbanas? O uso de venenos para controle populacional de espécies sinantrópicas nocivas causaria ao animal menos sofrimento do que a caça?

Espécies sinantrópicas são importantes vetores de zoonoses e, portanto, uma questão de saúde pública que não pode ser negligenciada. Assim também são os javalis. Além de zoonoses, javalis podem transmitir doenças para a fauna nativa e rebanhos de gado, como, por exemplo, a febre aftosa. Nessa perspectiva, a única diferença entre javalis e sinantrópicos é o habitat que ocupam, pois tanto um quanto o outro são uma ameaça à saúde pública e devem ser controlados. Quem irá arcar com o prejuízo caso seja deflagrado um caso positivo de aftosa nos rebanhos paulistas?

Deputados aprovam proibição de caça no Estado de São Paulo. Foto: Ascom;Alesp.

O projeto amparado sob o falso pretexto de proteção à fauna ignora, ainda, que javalis, além de funcionarem como reservatórios de doenças, podem predar ou excluir por competição outros animais da fauna nativa e de criação. Certamente nenhum dos falsos protetores dos animais parecem se importar com o meio ambiente e o bem-estar da fauna e dos rebanhos ou com a saúde e segurança alimentar do homem do campo, pois do alto de sua arrogância e por trás de seus gabinetes e escritórios nos centros urbanos, jamais sentirão os efeitos perversos ocasionados pelo crescimento desenfreado das populações de javalis.

O projeto que defendem e que virou lei está baseado no falso argumento de que caça é sinônimo de maus-tratos aos animais. Inclusive tentam redefinir o termo caça, na tentativa de pervertê-lo. Quem destrói ninhos, abrigos e os recursos à manutenção da vida animal não está exercendo atividade de caça: está vandalizando o meio ambiente ou, se autorizado, controlando espécie invasora. Caça é perseguição, captura e abate com finalidade de alimentação ou esporte, e é um método efetivo no controle das populações de javali, principalmente se combinado adequadamente a outros métodos.

Em todos os lugares do mundo onde há o problema da invasão do javali usa-se a caça como uma das alternativas para controle populacional da espécie. Javalis possuem uma das taxas reprodutivas mais altas entre mamíferos terrestres de mesmo porte, iniciando reprodução antes do primeiro ano de vida e dando crias de 5 a 6 filhotes 2 vezes por ano. Diferentemente de algumas espécies nativas que possuem baixa resiliência frente à pressão de caça, javalis precisam ser abatidos em proporções que chegam a 70% do tamanho populacional para que se consiga retrair o crescimento e conter os danos que causam. Só na Europa, onde, apesar de serem nativos não são menos preocupantes, estima-se que 2 milhões de javalis são abatidos todos os anos e que, devido à diminuição no número de caçadores nos últimos 20 anos, houve um crescimento populacional da espécie, que teve como consequências o aumento expressivo no número de acidentes rodoviários envolvendo javalis e de doenças que ameaçam a saúde humana e agropecuária.

“Javalis possuem uma das taxas reprodutivas mais altas entre mamíferos terrestres de mesmo porte, iniciando reprodução antes do primeiro ano de vida e dando crias de 5 a 6 filhotes 2 vezes por ano.”

Uruguai, Argentina, Austrália, Estados Unidos, entre outros países onde javalis são invasores, não abrem mão de permitir a caça para controle populacional da espécie, empregando sempre métodos adicionais para aumentar a eficiência de controle, nunca usando um único método como alternativa. Proibir totalmente a caça de javalis é, portanto, prova cabal de irresponsabilidade e ignorância gerencial para lidar com o problema dos javalis.

Por fim, trata-se de uma lei que, além de ser redundante, já que a própria constituição paulista proíbe a caça em seu artigo 204 (e sujeita à ADIN no STF), joga na mão do poder público toda a responsabilidade pelo controle de todas as espécies nocivas do Estado, proibindo empresas e pessoas físicas de exercê-la. Tínhamos cerca de 1300 cidadãos no Estado de SP prestando gratuitamente o serviço de controle da espécie noviça javali e, numa canetada, o governador passa a onerar a máquina governamental com todos os altos custos envolvidos em controle de espécie invasora (recursos humanos, logísticos, etc.), como se estivesse sobrando dinheiro nos cofres públicos.

Esta lei contraria o que vem se configurando no mundo atual como novo paradigma de gestão de fauna e de gestão de conflito humano-fauna e que MMA e MAPA, através do PAN-Javali, vêm dando o exemplo para o Brasil: participação e conciliação dos interesses dos diversos agentes envolvidos e afetados direta e indiretamente e não apenas de um grupo específico, a fim de criar alianças na resolução de conflitos homem-fauna e não aprofundá-los. Com esta lei, São Paulo encontra-se no caminho de aprofundar o problema do javali no Estado, pois além de criar uma regra desacreditada entre os que possuem conhecimento técnico do problema indica que, a contar pelos formuladores da lei, muito provavelmente, propostas burlescas e mirabolantes serão criadas para solucionar o problema.

 

 

Felipe Pedrosa é Ecólogo, doutorando em Ecologia e Biodiversidade pela UNESP de Rio Claro-SP.
Marcelo Osório Wallau é Engenheiro Agrônomo, doutor em Zootecnia, pesquisador e extensionista da Universidade da Flórida e membro da Equipe Javali no Pampa.
Clarissa Alves da Rosa é Ecóloga, doutora em Ecologia Aplicada, e pesquisadora associada ao Instituto Alto Montana.

 

Leia Também

Autorizada a caça de javali-europeu em território brasileiro

Fantástico erra feio ao demonizar caça ao javali

A caça ao javali e outras pragas

 

 

109 comentários em “A proibição da caça do javali em São Paulo e a ditadura dos falsos protetores”

  1. Tem usar o bom senso ,lembrando que esses animais são violentos e acabam com as produções nas lavouras, andam em manadas, esses produtores pagam em dias seus impostos por esse motivo tem que rever essa lei de proibição , não tem predadores para eles a tendência é aumentar casa vez mais ano de eleições que as autoridades rever isso.

    Responder
    • Foda se o homem não respeita a Natureza e depois quer se fazer respeitado por ela viva os animais e foda se os homens, quem invadiu o espaço dos animais foram os homens

      Responder
    • Pois é acabaram com o principal predador dele que é a onça pintada agora deu nisso, eles nao tem mais predadores naturais que fazem o controle populacional

      Responder
  2. Dentro de pouco tempo menos de um ano está lei feitas por um bando de pessoas débil com nenhum k.i. deve ser retirada e sim mais afrouchadas do que ela era .
    Não combate ao javali e colocar o cidadão em perigo ,sabendo que pode chegar a 300kilos faser grandes estragos em tudo que estiver em sua frente o javali legítimo cria serva de máximo seis por cria duas veses ao ano .
    Mas o qui temos em nosso país num total de noventa por cento eo javaporco que cria três vezes ao ano cerca de nove a treze filhotes e um abisurdo proteger algo que está no topo cadeia alimentar único que pode diminuir eo ser humano ,em breve o governo vai ter que bancar o controlo assim que as vítimas desta espécie de animal aumentar,Jair Ferreira de Lima ex criador de javali e javaporco

    Responder
  3. Esses seres que se trancam no conforto de seus gabinetes, mantidos pelos impostos dos mesmos cidadãos ignorados pelos "nobres"deputados. Ficam lá gastando nosso dinheiro com ideias estúpidas como castrar javalis…meu Deus do céu, onde vai parar esse nosso país??

    Responder
  4. Homens cultos, a maioria pós graduados…agindo por impulso eleitoreiros. É isso que faz do político brasileiro, uma classe tão desprezível. Sonho com o dia em que essa espécie devastadora ( Javalis ) esteja sobre sob controle… Aí, então, quem sabe possamos ter que começar a abater essa outra espécie ( Políticos lixo ), pois o estrago que fazem em nossa sociedade, tal qual os Javalis, é assustadora…

    Responder
    • Não são cultos não, Éder. Não sabem do que se trata. É lei demagógica e eleitoreira, natimorta porque fauna silvestre ou asselvajada pertence à União, e por ela é gerida. O STF já decidiu que é inconstitucional o artigo 204 da Constituição Paulista, que proíbe a caça sob qualquer pretexto. A maioria seguiu o voto do relator Dias Toffoli. Gilmar Mendes pediu vistas, a ação está parada, mas o voto dele não mudará o resultado. O triste é a perda de tempo com tudo isso. Os javalis continuam a fazer filhotes…

      Responder
  5. Não estão só em São Paulo. Em Minas gerais, vários casos de ataque já foram relatados. Meu tio levou uma corrida de dois deles, e teve que subir na árvore. O vizinho veio ajudar, com uma enxada e dois cachorros, e os javalis mataram um dos cachorros.sao bichos muito bravos !!!!

    Responder
  6. O de sempre mais uma vez feito por esta gente de sempre. A caça mais urgente a ser feita neste país é a dos políticos, a pior peste invasora do Brasil, assim como a maioria dos seus pares, a banda podre do funcionalismo público

    Responder
  7. São Paulo se torna centro de reprodução e exportação de javali. Atitutde totalmente ignorante. Criadores de leis assim devem perder o seu cargo.

    Responder
  8. Dentro de pouco tempo menos de um ano está lei feitas por um bando de pessoas débil com nenhum k.i. deve ser retirada e sim mais afrouchadas do que ela era .

    Responder
  9. Onde o governo resolve intervir, ou dá merda ou piora a merda, nos países onde a caça é liberada com critérios, a fauna e a flora são bem mais preservadas, mas aqui, no país do faz de conta, não me espanta se defensores de ratos de esgoto se levantarem com leis e serem apoiados, andar para trás, parece ser nosso destino, a caça ao javali não deveria apenas ser permitido como também incentivada e sua carne consumida sem problemas para o ser humano.

    Responder
  10. Eu acho uma irresponsabilidade de quem criou essa lei isso reflete de quê nossos governantes políticos não tenho nem aí para população haja Vista com a praga dessa como javali destrói tudo só sabe quem entra na natureza para ver o estrago que ele faz é de cortar o coração ele come tudo que vê pela frente sem extensão não há pregador a não ser o homem para combater eles diante disso ficamos de mão atadas sem nada poder fazer vendo a natureza morrer pedindo socorro

    Responder
  11. São Paulo vai virar criadouro é refúgio dessas pragas, e dali vão se alastrar pelo resto do país,"mais ainda"e em pouco tempo vão ta implorando pra caçar essas pragas! Tenho pena dos agricultores de São Paulo, que esses sim sabem o q o javali faz! "Mas política ñ ta nem aí pro povo "

    Responder
  12. É simples, que os produtores rurais apurem os prejuízos causados pelos "protegidos" em suas lavouras e ou propriedades rurais e acionem judicialmente o Estado, cobrando pelo prejuízo.

    Responder
    • Depois de 30 ou mais anos tramitando, vão recebe precatórios ou Títulos da Divida Agrícola, que, se tiverem sorte, vão descontar por 20 ou 30 por cento do valor de face.

      Assim funcionamos.

      Responder
  13. Eu acho que os autores dessa lei deveria levantar a bunda da cadeira e dar uma volta no interior pra ver o que é o javali além de tranmitir doença ele acaba com as nossas nascentes de rios São predadores de especies nativas causa prejuiso para agricultores que não são ressarcidos além. De serem agressivos essa especie tem um crescimento populacional desinfreado quem criou essa lei. Não. Sabe com que esta lidando isso ja causa e vai causa muito mais danos se o manejo não. For liberado

    Responder
  14. Não sou caçador e nem agricultor mas eu veja da seguinte forma está situação, esse vagabundos, safados, pilantras e outtas coisas mais que não posso citar aqui destes políticos, deveriam se deparar com um animal deste e ver do que ele é capaz, principalmente este salafrário que criou esta lei, pois já presenciei a situação assim é tenho certeza que eles iriam cagar nas calças, então ao invés de ficarmos aqui discutindo esta lei, como aqui as leis só funcionam para os pobres, devemos não eleger ninguém e não ir até às urnas este ano e provar que somosais forte que eles e sentar o aço nestes bichos, pois roubar eles podem a vontade e nós protegermos a nossa família e a biodiversidade não né..

    Responder
  15. Para quem trabalha com conservação da natureza não há muita novidade quando iniciativas são tomadas ao contrário do que os indicadores técnicos especializados recomendam. Trata-se de lugar comum. No caso de inúmeras demandas voltadas a proteção do patrimônio natural ninguém tem qualquer disposição em restringir processos de degradação que são tremendamente prejudiciais à toda a sociedade. Muitos deles defendidos ferrenhamente pelos proprietários rurais. Em geral são relevantes apenas os temas que atingem de forma mais direta, o que pode ser exemplificado com a espécie exótica invasora que é o javali. É indiscutível que práticas de controle efetivas devem ser estabelecidas, não apenas em função dos prejuízos para a agricultura e riscos para as pessoas. Mas também pela pressão que exercem em relação a biodiversidade. Mas, ao mesmo tempo em que ocorre uma grita sobre a lei de São Paulo, no Congresso Nacional está em pauta, concomitantemente, uma lei permissiva e com objetivos dúbios, que busca discutir a implantação da caça em nosso país. A falta de coerência leva a caminhos tortos, por razões e responsabilidades de todos os envolvidos.

    Responder
  16. Pessoal, lendo aqui os comentários culpando o político, mas escapa a todos vocês que não foi ele quem trouxe os javalis para a América do Sul, nem eles vieram nadando. Vejo aqui um predomínio de agricultores/pecuaristas em um jornal que não sei porque se chama O Eco, mas vamos nos atentar a quem são os culpados. No meu entendimento não são os javalis, mas sim suinocultores que os importaram. Então os prejuízos causados por estas supostas devastações deveria recair sobre estes suinocultores. E a devastação causada pelos bovinocultores, ou sojicultores, esta não conta? Ademais, o controle por meio da caça é aplicado no mundo inteiro e não tem funcionado. Não seria o caso de fazermos diferente? Há algum motivo para alguém acreditar que no Brasil o controle de javalis por meio da caça seria mais efetivo do que no restante do mundo? E outro, por que existe a caça é que o javali está se espalhando tão bem, porque há pessoas soltando javalis em suas regiões (p.ex. Roraima) justamente para poderem caça-los. Então além de não controlar a população de forma eficiente a caça ao javali os está difundindo ainda mais.

    Responder
    • Os javalis foram introduzidos no Uruguai e Argentina no século XIX e foram invadindo e colonizando o Brasil pelo sul, EXATAMENTE como no caso da lebre européia. Em alguns casos invadiram criatórios de porcos, cruzando com os domésticos e originando o javaporco. Não foram suinocultores que importaram javalis para soltura, mas sim para produção de carne, como é no mundo inteiro civilizado.

      Também não me parece correto ser contra plantação de soja e criação de gado, não tem nada a ver com o problema. E quem te disse que a caça aplicada nos países de primeiro mundo contra o javaporco (feral hog) não tem dado resultado? Onde você leu isso? Informe-se o minimo e tenha vergonha de falar tanta bobagem.

      Responder
    • Falou besteira! Quem disse que não está dando certo em outros paises? É sério que vc acha que o principal vetor de disseminação dos javalis são caçadores? Aff…

      Responder
  17. Esse pessoal não sabe de nada sou caçador esei muito bem o que esse animal faz as lavouras sou produtor e já me deram muito prejuízo tenho bastante conhecimento desse animal o estrago é imenso

    Responder
  18. Muito bom, Sérgio, o seu comentário. Os javalis também foram introduzidos na Argentina para a CAÇA ESPORTIVA. Numa época de seca, eles conseguiram atravessar o rio Uruguai e começaram a se espalhar pelo Brasil. Tem também essa situação: o caçador mata os adultos da vara, pega os filhotes e leva para áreas onde ele não existia (norte da Bahia, por exemplo) pra poder caçar. Quer dizer: A CAÇA DO JAVALI ESTÁ ESPALHANDO O JAVALI PELO BRASIL. E há, evidentemente, outros métodos menos cruentos e que não têm essas consequências nefastas que a "caça liberada" provoca. Por exemplo: cevar um cercado, capturar e fazer um ABATE HUMANITÁRIO. É legal ver quando uma pessoa escapa do "comportamento de manada". O Governo de SP fez o correto. Toda e qualquer atividade de caça é ruim.

    Responder
  19. Além disso, essa história do javali é um tipo de malandragem. Os caçadores, que não perdem a chance de tentar enfiar a caça esportiva de volta no Brasil, criaram um novo tipo de terrorismo: o "terrorismo ambiental". Já vi cara, sem o menor pejo, afirmar que, em 3 ou 4 anos, só haverá javalis no Brasil. Outros ainda alardeiam que os javalis vão acabar com a agropecuária brasileira. Quanto absurdo! E acabam cooptando os pesquisadores e ambientalistas "inocentes úteis". Há outras maneiras mais inteligentes, humanitárias e efetivas de controlar essa espécie exótica. Armar as pessoas, treinar de maneira terrível os cães e exercer um sadismo ridículo contra um ser vivo, em nome da eliminação de uma espécie "exótica" não vai levar a nada. OS PRÓPRIOS CAÇADORES PEGAM OS FILHOTES JAVALI E LEVAM PARA RORAIMA (POR EXEMPLO) PRA PODER CAÇAR LÁ TAMBÉM. Ou vocês acham que os caçadores estão preocupados com o meio ambiente, com o bem-estar animal e a proteção da fauna brasileira?

    Responder
    • "Cooptando pesquisadores e ambientalistas inocentes úteis". Que primor.

      Então quem não pesquisa é que sabe? Tipo assim como você?

      Que cansaço!

      Responder
    • Se vc não tem lavouras plantadas ou não frequenta áreas onde os javalis estão destruindo fica fácil jogar a culpa nos caçadores. Não estou dizendo que todos os caçadores são Santos mais muito ajudam os produtores sem cobrar nada é a caça proibida ou não eles não vão parar pois a fiscalização não consegue segurar o cara que mora na fazenda e está vendo um porco tirar o sustento de sua família

      Responder
  20. Após todos os comentários acima, opino pelo revogamento desta Lei Eleitoreira em caráter de Urgência. Demonstra a falta de conhecimento sobre a matéria em tese.

    Responder
  21. E o título "a ditadura dos falsos protetores" é de uma tendenciosidade gritante. Serão os caçadores de javalis, que praticam um monte de crimes ambientais e maus-tratos, um exemplo de "protetores da fauna"? Menos, menos. Os 3 que assinam esse artigo deveriam refletir mais sobre esse assunto, abandonar o "universo acadêmico fechado em si mesmo" e ir ao encontro da realidade. Valeu.

    Responder
    • Tu calado é um profeta, aposto que vive em apartamento e não passou um dia se quer no campo, tem a comidinha na mesa.
      Alias, não deve desconhecer da praga do java-porco, vocês não vão conseguir acabar com os ruralistas e agricultores do nosso país. Quer ajudar as matas? Vá pra fronteira do Mato grosso com uma arma e ajude o exército a cuidar das fronteiras.
      Esses esquerdistas não enganam ninguém mais, vamos tirar esse governador lixo de SP.

      Responder
    • Pessoas q não conhece a vida do agricultor
      Nunca deve ter visto oq um só animal desses em uma noite faz em uma roça de milho um só é um estrago enorme sem o controle do mesmo
      Coitado do agricultor q vai ficar com o prejuízo
      Porque tenho certeza q nenhum desses sem vergonhas q assinaram essa lei vão arcar com
      O prejuízo meu Deus q abisurdo

      Responder
  22. "Daqui a pouco tá q nem nos US tendo q matar de helicóptero".Pra ver, né? Nos EUA, país com caça liberada, armas nas mãos até de criancinhas de 6 anos, perseguição aos animais silvestres, etc., tem de matar os javalis de helicóptero. Deu muito certo o "controle por caça" nas terras do Tio Sam. Vai vendo…

    Responder
    • Gostaria muito de saber como o Sr. se sustenta, sua profissão? Facil criticar pessoas do campo que trabalham todos os dias do ano, perdem muito de sua produção, por causa de uma espécie de animal que poderia colocar rendas para diversas familias, e alimento na mesa de outras. Porem o legislador nao ve esta oportunidade, junto com alguns que ditam preservar a vida porem olham primeiro a si mesmos, o seu bem estar. Se importasem com o povo trabalhador, claro como alguns nao sabem o que e trabalho árduo, aprovam leis sem retorno, sem crescimento para o país. Sendo que muitos que a defendem passam a estar equivocados. A caça deveria ser liberadda e controlada rigorosamente. Caso alguem a descumprisse deveria arcar com as consequências penais. E nao de fato proibir onde so atrapalharao diversas famílias. Acho melhor ja aprovarem uma bolsa pecuária, para o governo pagar a safra que os animais consumirem. Muitas mais merecidas do que as ajudas de custo destes legisladores, ou ate a famosa bolsa família, programa do nossos governantes. Brasil paga para pessoas nao trabalharem e ter filhos…..os que trabalham dia apos dia precisam arcar com prejuízos, sem ajuda do governo? Caçar animais de forma mais humana possível na caça e se alimentar dela, nada mais que correto. Em nosso país pessoas que trabalham e honram tradições sao marginais……….e os seres que utilizam substâncias químicas, as drogas que sao responsável por quase toda a origem da violência…..São denominados doentes, dependentes químicos, nao seriam tao quanto culpado como um traficante…..deveriamos ter leis mais rigidas sobre o tráfico de drogas do que se preocupar em proibir a caça de javalis, se alguns caçadores tiveram conduta anti ética, deveria somente estes ser penalizados.

      Responder
  23. PR.PR., somente a caça não resolve o problema, isso é tão certo quanto 2+2=4. A caça é apenas uma das formas de evitar o avanço desta espécie invasora. Porém, com a proibição de armas e outras circunstâncias, já não existem mais caçadores, apenas um que outro, então, liberar a caça deste animal serve somente para descriminar o ato. Outra coisa, já que defende tanto o animalzinho, sugiro que faça viveiro no quintal de sua casa e crie alguns, já iria diminuir um pouco os que andam soltos e causando danos..

    Responder
  24. Ô desculpinha esfarrapada!!! Sempre a mesma tentativa de justificar!!!
    Duvido que alguém ache o javali não prejudicial. Acontece que captura, abate controlado, é uma coisa! Caça é beeeem outra!

    Responder
  25. O Javali foi introduzido no brasil para alimento em churrascarias e não por caçadores. O que acontece é que alguns fazendeiros quebram e acabam soltando esses animais, outros simplesmente fogem e alguns migram de países vizinhos. Entendam existe muito mais churrascarias no Brasil e clientes que caçadores. Javali deve ser castrado pois caso contrario quando acuado ele libera um hormônio em sua carne que impossibilita seu consumo. Essa especie é muito violenta e territorial. Por isso se passar alguém perto, essa pessoa será atacada. Dentro em breve essa lei de proteção vai começar a custar vidas de filhos de fazendeiros. Enquanto isso as pessoas que nunca viram uma vaca discutem se essa espécie pode ou não ser caçado…. LAMENTÁVEL.

    Responder
  26. O estado sempre metendo o bedelho em assuntos que não tem capacidade técnica e inchando cada vez mais.
    Ecotontos, irresponsáveis, inconsequentes.

    Responder
  27. Gostaria que pelo menos um destes deputados que votaram está lei passase pelo menos em alguma propriedade de um produtor que levanta cedo para buscar o pão de cada dia e se deparar com vários hectares de suas lavoura todas destruída por javali eles poderiam no mínimo visitar uma propriedade desta mais não vão votando lei sem nem ter conhecimento do que é um animal destes sem contar dos risco que são se atacar uma pessoa e nos sítios tem crianças que andam longe para pegar ônibus para ir às escolas correndo risco de ser atacadas vcs senhores deputados devia se preocupar é com a qualidado dos ensino nas escolas remédio nos hospitais năo com maus tratos de javalis não foi para isso que o povo confiou votos nos senhores faz aparte de vcs e deixa os órgãos próprio para esta área cuidar a respeito de caça

    Responder
  28. A caça de javalis tem que ser liberado em qualquer estado brasileiro só quem não conhece ou nunca viu pra votar contra a caça da especi não importa se é de cachorro e zagaia ou quem tem porte de arma se fosse pra reduzir o salário desse governador deputado do estado de São Paulo pra ajudar uma escola ou hospital creche queria ver se eles votação era a favor 🤔🤔

    Responder
  29. Tá serto, pessoal. Obrigado pela preocupação. Já estou construindo um bunker à prova de javalis, estocando alimentos (pois os javalis, em até 5 anos, vão acabar com a agropecuária nacional) e comprando bazucas, granadas e dinamite. E cuidado com a lebre européia, diz que ataca direto no pescoço hehehe… Cada uma, meu Deus!!

    Responder
  30. Introduzidos por caçadores esportivos no Uruguai e Argentina e que agora estão espalhando essa espécie pelo Brasil pra poder CAÇAR: "Registros indicam que a espécie invasora chegou ao Brasil no início do século XX, “com as próprias patas”. Isso porque javalis-europeus trazidos da Europa para a Argentina e Uruguai escaparam de seus criadouros e invadiram o território brasileiro pela fronteira." OK?

    Responder
  31. Caro amigo Felipe, parabéns a você (e aos outros autores) pela EXCELENTE matéria.

    "Ora, se o fundamento do bem-estar animal reside no reconhecimento da senciência animal, por que então aceitar os piores tipos de sofrimento a que ficam submetidos os ratos no ato de controle em áreas urbanas? O uso de venenos para controle populacional de espécies sinantrópicas nocivas causaria ao animal menos sofrimento do que a caça?" – Acontece que a morte do rato por envenenamento, p. ex., além de acontecer longe de nossos olhos, não é cruenta, com derramamento explícito de sangue. Isto conforta porque invisível, mas não porque o bicho "sofra" menos. Já o controle por caça, com arma de fogo e uso de cães, atividades "de sangue", de certa maneira "choca" mais as pessoas. Acrescente-se a tudo isso a verdadeira ojeriza da esquerda pelo objeto "arma de fogo" como se, de per si, ela pudesse matar e fazer mal a pessoas e bichos… Arma de fogo provoca brotoejas imediatas nos socialistas engajadinhos, nos politicamente corretos e na geração "nutella" em geral.

    É muito fácil para essa gente cooptar "beautiful people", artistas e atrizes globais, modelos internacionais, etc., etc.

    Nas suas pesquisas de campo em nossa área você foi o primeiro a registrar (e documentar fotograficamente) a presença de javaporcos invasores, já ha algum tempo. De lá para cá eles só fizeram aumentar (e muito). Enquanto os governos federal e estadual organizam comissões, fazem grupos de trabalho, criam oficinas designam comitês de análise, fazem projetos e leis eleitoreiras, os javaporcos fazem filhotes…

    Mas não se preocupe. Essa lei é natimorta, veja minha resposta ao comentário de Éder Dutra, na primeira página dos comentários.

    Parabéns e um abraço.

    Responder
  32. Estou aguardando meu comentário de agora mesmo, que tem que ser aprovado pelo site.

    Caso não seja aprovado, vocês poderiam me enviar por e-mail? Não guardei cópia, e gostaria de tê-lo.

    Atenciosamente,

    Carlos Magalhães
    [email protected]

    Responder
  33. O engraçado é que o próprio artigo prova como o resultado da caça é exatamente o contrário do pretendido: "Javalis vêm expandindo sua distribuição no Brasil e só em São Paulo já afetam mais de 320 municípios — em 2013 eram 64!"
    Pois é, "coincidentemente", a IN 3 que liberou a caça do javali foi publicada em 2013. Até então, a população não se expandia nessa velocidade. A liberação da caça só disseminou a espécie invasora por todo o país, que chegou até a Ilhabela. Ou alguém acha que os javalis foram nadando?

    Responder
  34. São sinantropicos sim, mais precisamente hemissinanantropicos, isto ou esta famigerada lei precisa excluir o javali, pois tudo, toda a biodiversidade do Estado de São Paulo esta em sério risco, como tembem rebanhos e o homem, porque eles não estão embrenhadosnasvprofundezas mas florestas estão ao nosso lado,detonando plantações e f amigerando as nascentes sem falar dasvdoencas

    Responder
  35. Vão acabar querendo fazer igual aos búfalos na ilha de Marajó ao invés de deixarem os caçadores fazerem o serviço de graça vão pagar a alguma empresa valores milhonarios para realizarem esse controle assim conseguem desviar grande parte das verbas pra essa corja que votou a lei…

    Responder
  36. Primeiro esse vídeo que está rodando nas redes sociais não ocorreu nos estudos unidos, e depois filho de papai, sai da sua reforma de vidro e volta pra realidade com esse argumento de caçadores de javali tá fazendo danos no meio ambiente, do colocar no Google e vê o tinha do estrago, eu dou caçador com muito orgulho autorizado aqui no Paraná o buraco é mais embaixo

    Responder
  37. Fazem leis..com certeza, sem consultar quem mora em áreas rurais.

    Como vi em comentários… elaboram leis sem tirarem a bunda gorda da cadeira…rsrs

    Responder
    • Simplificando, esta correto. Como podem votar uma lei, sem ao menos conhecer o assunto. Poderíamos arrecadar tributos com a caça legalizada. Controlar especies, produzir renda a diversas famílias, impulsionar a economia como diversos países o fazem. E obter recursos para financiar estudos e recolocar animais silvestres na natureza. Só com a ajuda do homem para controlar e não deixar entrar extinção algumas especies. Todo caçador ama a natureza, não existe algum que quer que todas as especies sejam erradicas, pois se não existir mais a natureza, não tem como existir o caçador. Caçador e ambientalistas, precisam entrar em harmonia, precisam ter um meio termo, onde o resulta sera o beneficio da natureza, controle das especies.

      Responder
  38. É só aparecer algum artigo contra a cartilha ambientalista da ala mais radical (p.e. PR.PR) que eles mostram o autoritarismo, com oritimbó piscando querendo que todo mundo concorde com eles.

    Responder
  39. Que lixo essas leis ambientais porcas, colocadas em pauta por seres que nem se quer estuda ou conhece o assunto.
    Simplesmente uma vergonha esse nosso país.

    Responder
  40. Após tantos comentários, pediria a todos que se concentram em livrar o Brasil primeiro dessas desgraças que assolam nosso país ( políticos) este ano vamos votar em pessoas comprometidas com nossas leis, assim conseguiremos eliminar os javalis e pragas muito maiores que esses pobres coitados. Esses javalis são bichinhos inocentes perto dessa praga chamada de políticos, se tiver gente boa em Brasília td será acertado, não seria muito mais importante no momento eliminar o STF que os javalis ? Então meu povo vamos nos concentrar nessa política e javalis resolveremos depois

    Responder
  41. O javali é uma espécie exótica invasora que causa enormes danos a agricultura e com potencial risco a saúde humana, especialmente por ser presa dos morcegos vampiros. O aumento do javali irá certamente alavancar a população de morcegos vampiros (e consequetemente da raiva) já que diferente do gado não é vacinado. O impacto ambiental ainda é pouco estudado mas possivelmente deve afetar várias espécies silvestres.

    COMO o javali vai ser controlado é OUTRA história, mas a Lei do Trípoli joga no lixo anos de estudos e recursos do próprio Estado fomentando pesquisas sérias que tentam entender a magnitude do impacto do javali e como manejá-lo (http://agencia.fapesp.br/relacao-entre-javalis-e-morcegos-e-preocupante-indica-pesquisa/24547/). Se vai ser caça ou captura e depois abate, isso é OUTRA história.

    Responder
  42. Concordo com o Mauro Galetti, um especialista que sabe que a coisa mais importante a fazer, quando se enfrenta um problema desse tipo é NÃO CRIAR PÂNICO. Uma vez que o pânico está criado, a racionalidade, a ação correta, vão perdendo espaço. Minhas afirmações "exageradas" foram um contraponto burlesco às afirmações absurdas dos que têm "sangue nos olhos" e aquele prazer mórbido em sair atirando em qualquer animal silvestre que veja pela frente. Pode ser, é bem provável, que comece a haver um aumento das populações de javalis. A lei é revogada e se começa um programa organizado e efetivo para controlar a população desse animal (é um animal, não um monstro assassino devorador de gente e plantações). Essa visão "catastrofista" só interessa a alguns, e a gente sabe muito bem quem são.

    Responder
  43. "Ora, se o fundamento do bem-estar animal reside no reconhecimento da senciência animal, por que então aceitar os piores tipos de sofrimento a que ficam submetidos os ratos no ato de controle em áreas urbanas? O uso de venenos para controle populacional de espécies sinantrópicas nocivas causaria ao animal menos sofrimento do que a caça?" Meu Deus!!! Que comparação mais sem sentido! Ei! Na mesma linha, podemos dizer que pulverizar veneno para acabar com baratas é do mesmo tamanho que uma expedição de caça para matar 5 cervos-do-pantanal. Articulistas, concordamos que deve haver um controle de espécies exóticas, mas vocês misturaram os assuntos. Não é porque precisa limitar a população de javalis que a gente vai prendê-los num cercado e passar com um rolo compressor por cima. Vamos refletir, gente.

    Responder
  44. "A contar pelos formuladores da lei, muito provavelmente, propostas burlescas e mirabolantes serão criadas para solucionar o problema".
    E temos aqui um exercício adivinhatório, futurologia simples. Em vez disso, os articulistas poderia esclarecer o motivo pelo qual o tratamento da questão dos javalis (caça liberada) não funcionou até agora. Desde 2013, a população aumento e se expandiu. E aí? Meu palpite é que os caçadores pegaram gosto pela coisa e estão, eles mesmos, expandindo o javali pelo Brasil. Será?

    Responder
  45. Eu sabia que esse Marcio Franças era um merda, mas não imaginei que era uma merda tão fétida. Não sou agricultor e nem caçador, mas tenho muito simpatia com a agricultura familiar, e acompanho algumas caças pelo Youtube não com muita frequência mas vejo, e eu só tenho que agradecer pelo ótimo serviço que tens feito para impedir dessa praga proliferar no Brasil.

    Responder
  46. Gostaria de saber se esse deputado vai pagar o prejuízo deixado nas roças pelo javalis e se o governador está a favor desse indivíduo está tbm contra o produtor rural será que se esquecem da onde vem a comida nos pratos deles

    Responder
  47. Devemos lembrar também que grande parte dos animais que veem destruindo a bio, descendem de suinos que fogem durante o transporte ou até mesmo das próprias granjas. Acredito que dizer que o "Javali" é o problema é algo meio superficial.

    Responder
  48. E um contraponto necessário a argumentação tosca de que o produtor rural é um herói esquecido que sofre com a hecatombe dos javalis e que os moradores das cidades são insensíveis, os protetores dos animais são sentimentalóides e esquecem de onde vem a comida dos brasileiros. Do mesmo jeito, os produtores rurais se esquecem de onde vem os implementos agrícolas, o combustível, os aparelhos elétricos (TV, rádio, telefones, etc.) que eles usam. O mundo é e deve ser assim: cada um faz a sua parte. Conviver com a Natureza, seus animais, nativos ou exóticos, é o que sempre aconteceu no mundo dos fazendeiros. OK?

    Responder
  49. Proibir a caça de um animal exótico soa como absurdo para os produtores rurais, gente do agronegócio e profissionais técnicos que lucram nesse meio, mas antigamente a carrocinha era o único meio de controle para os cães de rua também, hoje sabemos que é ineficaz e anti-ético e por isso aquele método de controle foi substituído. A caça, que nada mais é do que matança de animais silvestres, ainda é o principal meio de controle de espécies exóticas no ambiente silvestre pelo mundo, sendo o caso do javali no Brasil como o único método, no entanto, essa conduta também deverá passar pelo processo mudança, assim como houve com a carrocinha. O que falta hoje é incentivo e vontade das principais partes envolvidas para buscar métodos alternativas e mais eficientes e éticos de controle do javali, sendo um deles o contraceptivo. Ao mesmo tempo que a caça é liberada para essa espécie no Brasil, a carência de controle e fiscalização para novos animais que vão sendo deixados na natureza pelos criadores continua. Essa lei sancionada pelo governador de São Paulo é fruto de um todo nesse processo que mais tarde virá mudar. Defender a inviabilidade de existir outras maneiras de controle da espécie, bem como desqualificar aqueles que defendem o direito dos animais não é a conduta mais correta.

    Responder
    • Claro, claro. Contraceptivos hormonais e dispositivos intra-uterinos. Vasectomia nos machos, ablação das trompas nas fêmeas.

      Tudo muito rápido e fácil. E também prático e bem barato.

      Quanta poesia

      Responder
  50. Muito bem, Gabriel Gasperin. Uma opinião sensata. Ser contra ou a favor da eliminação de uma espécie exótica é uma coisa. Ficar aqui xingando pessoas porque elas querem que isso seja feito de uma forma não cruenta, porque os métodos de eliminação de animais exóticos ou não funciona ou abre espaço pra situações ruins, etc. não faz muito sentido. Só expressa uma espécie de "gana", de visão catastrofista, de pânico, que não ajuda em nada. Sou, por óbvio, a favor de que a população de javalis seja eliminada do Brasil. Mas eu acho que, primeiro, isso vai ser impossível de se realizar, basta ver o que acontece em outros países e, segundo, isso deve ser feito de maneira civilizada, sem crueldade desnecessária e racionalmente, organizadamente. Obrigado pelo espaço para eu expressar minha opinião. Desculpem-me aqueles que se sentiram ofendidos pelos meus comentários. Abraços a todos.

    Responder
  51. Eles esqueceram que os animais e pássaros nativos que faz seu ninhos no chão serão estintos ex perdiz Córdoba lambu jaò siriema ema tatu cutia paca veado e muitos mais serão todos abatidos e comidos pelos javalis

    Responder
  52. Evoluam !!!
    Caçar ? ato primitivo, que nos dias atuais é sinônimo de ignorância, egoísmo, insensibilidade e brutalidade idiota.
    Que tal caçarmos bandidos já condenados ? são mais nocivos que os sinantrópicos !
    Temos que evoluir como espécie e caçar, com certeza, é involução.
    Utilizem seus mestrados e doutorados para criar alguma solução evoluída para o problema, pensem !

    Responder
  53. Este jornal "O Eco", pelo qual tenho o maior respeito, tem a obrigação profissional de procurar os autores da referida lei paulista que proibiu a caça de espécies nocivas – particularmente dos javalis – para dar igual espço e publicidade para rebaterem o presente artigo de três especialistas em conservação de fauna, muito bem referenciados acadêmica e profissionalmente.
    Contudo, o artigo extrapola a opinião científica, desqualificando de forma ofensiva os autores do projeto de lei, ONGs protetoras de animais e políticos em geral;
    Não tenho opinião formada sobre o tema, especialmente antes de OUVIR O OUTRO LADO.
    Sabemos que a caça clandestina continua sendo um gravíssimo problema para a conservação de espécies nativas. Em nenhum momento os autores manifestaram-se clara e de forma indubitável, contra a caça e sua legalização no Brasil.
    À princípio sou favorável ao controle de populações de espécies invasoras (e mesmo de espécie nativa que por razões antropogênicas tem aumento explosivo de sua população, ameaçando a existência de outras espécies nativa); mas acho que esse controle (que pode ser sim pela caça) tem que ser rigorosamente controlado pelo Estado, caso contrário a caça aos javalís pode ser mero pretexto para a caça em si, que está proibida.
    Editores de O Eco, abram espaço para o contraditório. Vamos ao debate e com argumentos! Sem a prévia desqualificação dos eventuais adversários.

    Responder
  54. Excelente artigo. Infelizmente, a ignorância e o cretinismo ideológico dos animalescos encontra muito espaço dentro dos órgãos ambientais, onde a boçalidade faz com que tanto o controle de exóticos ferais como o Ecoturismo seja perseguido, por que os babaquinhas de esquerda têm raiva teórica das atividades, sem entender lhufas sobre elas.. Os aiatolás da indi-gestão ambiental gostam é de parque com javali, gato, e pescador destruindo a biodiversidade toda. Tá na hora de uma faxina geral nesse festival de bobagens.

    Responder
  55. Aqui em Gonçalves, sul de MG, soube de dois casos de ataque de javalis a cães domésticos, dentro do quintal das casas. Um dos cães morreu! Imagine o risco de atacarem também as pessoas! O que pode ser feito para evitar novvos acidentes?

    Responder
    • Laura, não existe um controle melhor e mais rápido do que a caça de espera, pois essa é uma forma seletiva, enquanto que outros métodos como com cães, armadilhas de aprisionamento (gaiolas), que pegam animais da nossa fauna que quase sempre acabam morrendo e isso sem falar no laço que é o pior de todos, pois quando capturam, se não matam deixam os animais com sequelas irreversíveis.

      Responder
  56. Não li os comentários acima, mas deixo aqui minha indignação sobre essa lei estúpida, incoerente e insana desses elementos ignorantes que detém o poder nas mãos. O Brasil (autoridades) vem mostrando em todos os segmentos social e principalmente político, diferentemente de outros países como (Canadá, Estados Unidos e vários países europeus), que está tomando decisões totalmente contrárias ao que é lógico e necessário. É inadmissível aprovar essa lei e com a conivência do governador, que mostra claramente, tanto quanto esse boiola de deputado que não entendem nada da biodiversidade do nosso país. É o mesmo que pedir para um mecânico fazer uma cirurgia de altíssimo risco em um paciente. Moro no interior e sei, porque ao longo de minha vida acompanhei de perto, muito perto, todas as formas e costumes dos animais existentes em minha região e o javali está totalmente fora de contexto em nossa biodiversidade. Torço para que essa lei caia tão logo passe as eleições e que o novo governador seja mais lúcido e entenda um pouco sobre nossa fauna e flora.

    Responder
  57. Será que o caçador que sai pra caçar javali e der de cara com uma anta, um caitetu, veado ou outro animal da fauna brasileira vai ignorar este animal porque esta caçando javalis? E os cães utilizados na caçada? Só vão perseguir os javalis?

    Responder
  58. como podemos dar poder de decisão a pessoas corruptas e incompetentes como estes legisladores e orgãos publicos ambientais totalmente incompetentes e corruptos, se o foco é maus tratos aos animais temos animais mau tratados em grande quantidade como cães e gatos se vai fazer algo, faça em beneficio destes nos perimetros urbanos, colocar em risco a saúde, a economia do pais e a biodiversidade ( extinção è para sempre). revoltante tanta incompetencia e corrupção.

    Responder
  59. Eu já sei qual a espécie mais nociva, e o crescimento está fora de controle. A espécie humana. E não tem políticas públicas para barrar este crescimento. Com que direitos essa espécie nociva pode se declarar apta a barrar o crescimento de outras espécies.

    Responder
  60. Existem políticas públicas para controle populacional de humanos, na China e um exemplo, onde o casal poderia somente ter um filho ate fim de 2015 e agora passa a dois por casal. Se no Brasil tivermos tal controle de natalidade não teríamos tantos problemas sociais, não me levem a mal, porem casais com baixa renda, deveriam pensar antes de ter vários filhos, se terão condições……..porem menor população, e mais bem informada, menos a eleição/releição de políticos que preservam seu bem estar e não a sociedade. A caça do Javali precisa continuar pois haverá uma diminuição na sua população, se esta crescer diversas especies entrarão em extinção, este animal esta em crescimento populacional demasiado. Antes de se apontar precisamos nos informar, uma lei criada sem base, como a vetação da caça do javali, não deveria ser votada as pressas. Deveria ser analisada e questionado pelos que são afetados e não cidadães que moram em apartamento em cidades, que não tem conhecimento sobre o campo ou fauna se tiver saberia da valorização e do impacto causado por certos animas nas lavouras…..

    Responder
  61. Texto pretensioso e unilateral, expõe uma opinião como verdade absoluta. Apesar de concordar com alguns pontos, acredito uma pessoa leiga ao ler isso terá uma visão hiper distorcida do que realmente são os javalis. Como Temple Grandin citou, sim devemos ter um controle, mas sempre focando no bem estar desse animal.

    Responder
  62. kkk. os javalis foram trazidos por suinocultores, caçadores e atravessaram a fronteira… bem pois ja que chegaram ate aqui o problema tem que ser resolvido, pois os problemas e prejuizos sao grande a toda sociedade. e nao proibir que este problema comece a ser solucionado. os politicos foram elegidos por todos os cidadaos brasileiros, e quando estes começam a roubar devem e tem que ser penalizados por seus atos e nao aprovar um projeto de lei que protege esses delinquentes que sao a vergonha da nossa nação, como vemos em alguns casos que politicos cumprem prisao domiciliar e ainda exercem seu cargo de administrador publico. Ja que eles foram elegidos pela maioria da população, sera que essa maioria deveria pagar no lugar de um politico corrupto ou o politico deve pagar pelo seu crimes.

    Responder
  63. Que coisa boa este extenso artigo. Muito bem e parabéns pela coragem. Alguém tem de lutar contra a nefasta proibição. Só demonstra a enorme ignorância de autoridades governamentais e do Legislativo

    Responder
  64. Não posso resistir fazer um comentário sobre o tal de PR.PR que é um assíduo leitor do OEco e que pela sua estupidez incomensurável da alegria e animação a praticamente quaisquer artigos ou colunas. Já que ele não se atreve a por nome nos seus comentários, pelo menos poderia botar uma foto… Se a sua cara é como o que pensa (se a isso se pode chamar de pensar) ele deve ser um figurão.

    Responder
  65. Então, sou ativista da causa animal e fui apedrejada por defender o presidente eleito por causa da opinião dele em relação à caça aos javalis. Daí fui ler sobre o assunto pra compreender todos os motivos. É polêmico, porque os animais não têm culpa das M* que os humanos fazem. Caçar esses animais pra levá-los de volta ao habitat natural deles (fora do país) é utópico, sobretudo se tratando de Brasil. Acho essa questão muito triste como um todo. E quanto ao título da matéria, entendi a revolta, mas foi ignorante.

    Responder
  66. O controle por abate realizado por particulares é bastante importante, mas não desculpa a principal responsabilidade pelo controle e monitoramento da proliferação dessa e outras espécies invasoras, que deve ser sempre exercido pelo estado por meio de seus órgãos ambientais. Na realidade – como controlador registrado desses animais posso atestar – muitos dos ditos caçadores de javalis até protegem fêmeas com filhotes para que a espécie não seja totalmente dizimada, e outros aproveitam a oportunidade de cobertura dessa atividade lícita ou tolerada para atacar mais ou menos indiscriminadamente os animais da fauna brasileira, que estão protegidos e não deveriam ser caçados.
    E há o caso dos cães, amplamente usados na busca dos javaporcos, que também são danosos a outros animais silvestres. Tais abusos e mesmo a expansão do javaporco no ritmo em que se vê seriam menores se o poder público investisse recursos no efetivo controle – que deve ser realmente incansável da espécie daninha, objetivando o extermínio de toda a população de sus scrofa, sem exceções. Envenenamento, armadilhas e outros métodos deveriam ser empregados por técnicos cujo único objetivo seja a preservação do ambiente e não a diversão própria. Isso não exclui que se tenha o caçador como auxiliar na tarefa, mas este não pode ser o único meio de combate a essa ameaça aos rebanhos e à natureza.

    Responder
  67. Deputdo Eduardo Tripli do PV jamais tera meu voto. Fazem Leis e outros seguem sem ter noção do que estão votado, LAMENTÁVEL.
    E aí SR. João Doria? vai fazer alguma coisa.

    Responder
  68. O que me incomoda nisso é que, segundo informação de um defensor do abate de javalis, eles foram introduzidos no país – pq eles não são nativos do Brasil – por pessoas que queriam simplesmente ter uma "diversão", para caça esportiva, como se caçar fosse esporte! A espécie de reproduziu, é lógico e ninguém fez nada pra controlar isso. Agora que esta fora de controle e se tornou uma ameaça, a solução qual é? Caça-los! É preciso muito cuidado com esse raciocínio pq não tem raça que mais ameace a vida no planeta do que a raça humana! Temos que ser exterminados também?

    Responder
  69. Os comentários revelam os interesses particulares de cada lado. Mas e aí, o javali está aqui no Brasil e não adianta ficar questionando quem são os culpados. Que eles se reproduzem de forma assustadora é verdade e por isso mesmo há que se fazer um controle urgente, pois enquanto estamos aqui escrevendo, milhares deles estão nascendo sem que seja tomada uma decisão. No momento, sob minha ótica, a única forma de controle eficaz é o abate e há algumas formas de fazê-lo. Na Ásia, pela internet, há vídeos que mostram o abate feito com uma bateria de lítio, que ligada em um circuito eletrônico, onde o cabo terra (-) é conectado na ferragem da armadilha e a outra ponta (+) vai em um cabo longo (2m) que em sua extremidade há um pequeno ferro pontiagudo que é penetrado no couro do javali, isso em qualquer local do corpo e que ocasiona um choque elétrico muito forte que mata o animal instantaneamente e sem sofrimento. Em todos os comentários que faço deixo sempre essa pergunta: o Brasil estaria melhor sem a presença do javali?

    Responder
  70. Realmente uma irresponsabilidade, estão colocando a fauna nacional em risco por puro "sentimentalismo". Ao contrário do que vem sendo feito, a caça ao javali deveria ser desburocratizada pois de outra forma não conseguiremos fazer frente ao crescimento desta praga.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.