Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vice-presidente do PROS é cotado para ser presidente do ICMBio

Daniele Bragança
sexta-feira, 11 maio 2018 19:03
A indicação de Bicalho seria do ministro Carlos Marun (acima), da Secretaria de Governo. Foto: Wikipédia.

Ainda é boato de corredor, mas tudo indica que a presidência do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) será ocupada por um político de partido ruralista. O vice-presidente do PROS Nacional, Moacir Bicalho, deverá assumir a vaga ocupada até o final de abril pelo oceanógrafo Ricardo Soavinski. Ainda segundo informações não confirmadas oficialmente, a indicação de Bicalho vem do ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo.

Moacir Bicalho é vice-presidente nacional do PROS e teve seu nome envolvido por um delator no escândalo da Odebrecht na Lava Jato, segundo a revista Veja.

Se a indicação for confirmada, será a primeira vez que o ICMBio será gerido por um político sem ligação com a área ambiental desde a criação da autarquia, em 2007. O ICMBio é responsável pela criação e gestão de Unidades de Conservação federais e da conservação de espécies ameaçadas.

 

Leia Também 

Ricardo Soavinski deixa presidência do ICMBio

Loteamento político na Reserva do Tinguá gera mal estar entre servidores

Sarney Filho cria cinco áreas protegidas no último dia como ministro

 

 

34 comentários em “Vice-presidente do PROS é cotado para ser presidente do ICMBio”

  1. Quem nasceu primeiro? O ovo ou a galinha?
    Ou melhor, Ricardo Soavinski saiu porque isso ia acontecer? Ou isso aconteceu porque Ricardo Soavinki saiu?

    Responder
    • Homem do campo? Melhor para o país? Diz ai o que é melhor para o país (favor falar não somente do alimento na mesa. Com a área que o Brasil já tem sem nada de mata, já dava pra fornecer alimento para o continente americano todo)

      Responder
    • Não seu João, o ICMBio mesmo com poucos recursos financeiros e humanos gere unidades de conservação federais e tenta fazer valer o Art. 225 da CF:
      Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presente.
      É SÓ LER SEU JOÃO.

      Responder
  2. Bah, nada contra o Chico Mendes, que foi um brasileiro de destaque, mas não é adequado uma Autarquia com nome de gente. Se for assim, Detran tinha que ser Instituto Ayrton Senna, a Infraero ser Inst. Santos Dumont, e por aí vai. Capaz!?

    Responder
    • Realmente, se o nome fosse o IBUC, Instituro Brasilei de Unidades de Conservação, como era intencionado, seria mais levado a serio que Chico Mendes

      Responder
  3. Sabe de quem é a maior culpa? Dos ambientalistas! Há anos os ruralistas estão investindo pesado na política e tudo dá certo para eles, desde o forte financiamento de indústrias Agro, até a facilidade de lavagem de dinheiro no campo. Enquanto isso os ambientalistas continuam passivos, se limitando às críticas em redes sociais enquanto odemônio tem todo o poder nas mãos. Tenho visto amigos ambientalistas inacreditavelmente declarando voto em candidato que já se declarou amigo dos ruralistas e à favor da extinção do MMA. Segue o jogo e eles estão ganhando de lavada!

    Responder
  4. Se estão revoltados, chefes do icmbio deviam entregar os cargos DAS quando esse fulano assumir. Mas acho que vão só mimizar, e manter carguinho. São adesistas por natureza. A própria Diplan era grã-PTista, agora apoia o governo "É gópi, é gópi!!"

    Responder
  5. O ICMBio foi criado com um propósito de realizar a gestão de Unidades de Conservação, em categorias de uso sustentável e integral. De certo modo, envolver assuntos políticos em cargos técnicos altera diretamente a missão e o propósito do instituto, pois favorece a articulação da agricultura de monopólio, como rizicultura, soja e pecuária. Lamentável atitudes como essa.

    Responder
    • O ICMbio foi criado para enfraquecer o Ibama, porque o Lulah tava bravo por causa dos bagres do Rio Madeira. Teve uma baita greve dos servidores contra

      Responder
  6. Se alguém pretende que essa autarquia tenha a mínima chance de continuar existindo ano que vem, é bom trocar, via MP e urgente, o nome para "Instituto de Conservação e Manejo da Biodiversidade". E isso é só uma questão de sobrevivência, não vou nem entrar no mérito de uma instituição pública, do serviço público, se chamar "Chico Mendes"

    Responder
  7. Erick Road, há vários órgãos públicos federais com nomes de pessoas: INEP (Anísio Teixeira), Instituto Benjamin Constant, Fundação Oswaldo Cruz, Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro)…
    Então, chamar o ICMBio de "Chico Mendes" não é, de fato, um problema.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.