Governo libera 57 agrotóxicos. Dois são inéditos
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Governo libera 57 agrotóxicos. Dois são inéditos

Sabrina Rodrigues
quarta-feira, 27 novembro 2019 19:30
Agora são 439 agrotóxicos liberados. Foto: Pixabay.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no Diário Oficial da União (DOU), desta quarta-feira (27) a liberação de comercialização de 57 novos agrotóxicos. Deste total, apenas dois são inéditos. Com a nova lista, o número de liberação chega a 439 produtos em 2019.  

Desde 2016, a Anvisa tem feito um esforço em diminuir a lista de autorização para o comércio de produtos agrotóxicos. Esse aumento já havia se iniciado durante o governo Temer e mantido pelo governo Bolsonaro. 

Na prática, a maior parte dos agrotóxicos são produtos que já estão no mercado e que serão comercializados por mais de uma empresa. 

“As aprovações de novos produtos técnicos equivalentes significam que novas fábricas estão autorizadas a fornecer ingredientes ativos para fabricação dos produtos formulados que já estão registrados, possibilitando um aumento na concorrência no fornecimento industrial destas substâncias”, explica o coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Carlos Venâncio, em nota.

Em relação às novas moléculas, o Ibama, a Anvisa e o Ministério da Agricultura tem privilegiado substâncias menos tóxicas que as atuais disponíveis. 

É o caso do Telenomus podisi, um defensivo agrícola biológico à base da vespa que poderá ser usado na agricultura brasileira para combater o percevejo marrom. 

Outro novo defensivo aprovado é um de baixa toxicidade formulado, à base de óleo de casca de laranja, que poderá ser usado para combater o pulgão em pequenas culturas como alface, agrião, brócolis, couve, couve-flor, espinafre, repolho e rúcula.

Fonte: Ministério da Agricultura.

 

Saiba Mais

Ato nº 82

 

Leia Também

Governo libera mais 63 registros de agrotóxicos e total chega a 353 em 2019

Anvisa abre consulta pública para avaliar o glifosato

Pesquisadora é perseguida após comprovar que não existe dose segura de agrotóxicos

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.