Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Especialistas lançam livro com diretrizes para reabilitação de albatrozes e petréis

Duda Menegassi
domingo, 3 maio 2020 17:52
Albatroz-de-sobrancelha-negra (Thalassarche melanophris). Foto: Dimas Gianuca/Projeto Albatroz.

Por mais boa ação que possa ser resgatar uma animal, é preciso fazer isso da forma correta para garantir o seu bem-estar. Cada espécie exige ações e cuidados específicos. Com isso em mente, equipes de especialistas se juntaram para produzir um livro com as diretrizes para o resgate e atendimento de aves como o albatroz. A publicação “Reabilitação de Procellariiformes (albatrozes, petréis e pardelas)” é um esforço coletivo organizado pelo Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (IPRAM) junto com o Projeto Albatroz e o Projeto Aves Mar.

Albatrozes e petréis pertencem à ordem dos Procellariiformes, composta por aves marinhas que habitam o oceano aberto. O objetivo do livro é sistematizar o conhecimento e informar as melhores práticas no manuseio desses animais. A publicação já está disponível para download gratuito (clique aqui para baixar). 

O livro foi produzido por dez autores e traz uma compilação da literatura científica e da experiência pessoal de diversos especialistas em aves marinhas, resultado de muitos anos de trabalho com os Procellariiformes. De acordo com a coordenadora de Medicina e Reabilitação do IPRAM, Renata Hurtado, uma das responsáveis pela edição do livro, a ideia é “tanto fomentar a pesquisa, através da padronização da coleta de dados e das amostras biológicas quanto prover informações específicas sobre manejo de Procellariiformes, contribuindo para um maior sucesso na reabilitação destas aves”.

Capa do Protocolo para Coletas de Amostras Biológicas de Albatrozes e Petréis. Imagem: Reprodução.

A publicação nasceu de uma das ações descritas no Plano de Ação Nacional para Conservação de Albatrozes e Petréis sobre a reabilitação das aves, diante do crescente número de albatrozes e petréis resgatados no litoral brasileiro. Por serem espécies sensíveis, elas necessitam de atendimento especializado para sobreviver. “Melhorando os cuidados em cativeiro, esperamos que as taxas de sobrevivência e soltura seja maior, contribuindo para a conservação destas aves”, completa.

A coordenadora geral do Projeto Albatroz, Tatiana Neves, uma das autoras ressalta que o manejo correto desses animais é ainda mais crucial por serem espécies ameaçadas de extinção. “Considerando que essas são espécies ameaçadas e muito sensíveis, realizar um manejo adequado nessas circunstâncias faz toda a diferença para a sua sobrevivência”, reforça.

Segundo ela, é fundamental existir uma publicação que oriente profissionais, tanto no atendimento às aves Procellariiformes encontradas nas praias, quantos àquelas que são capturadas incidentalmente por embarcações pesqueiras e, que chegam a bordo ainda com vida.

O livro contou ainda com a colaboração do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE), Associação R3 Animal, Fundación Mundo Marino, UC Davis School of Veterinary Medicine, Aquário de São Paulo e apoio do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo (IEMA). O Projeto Albatroz é patrocinado pela Petrobras.

Baixe e leia o livro aqui.

 

Leia Também 

19 de junho, primeiro Dia Mundial do Albatroz

“Peso seguro” a 1m do anzol não afeta pesca e reduz captura de aves, diz estudo

Albatrozes, petréis e a participação do Brasil em acordos ambientais

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.