Bolsonaro quer usar dinheiro saudita para extinguir a Estação Ecológica de Tamoios
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Bolsonaro quer usar dinheiro saudita para extinguir a Estação Ecológica de Tamoios

Daniele Bragança 
quarta-feira, 30 outubro 2019 7:22
Bolsonaro discute com o príncipe herdeiro da Ará bia Saudita, Mohammed bin Salman, investimentos para transformar a baía de Ilha Grande em uma ‘Cancún brasileira’. Foto: José Dias/PR.

O presidente Jair Bolsonaro quer seguir com o plano de extinguir a Estação Ecológica de Tamoios, em Angra dos Reis, dessa vez usando recursos do fundo soberano da Arábia Saudita para isso. O lobby em favor da criação de uma ‘Cancún brasileira’ em Angra foi um dos temas do encontro do presidente com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, ocorridos na terça-feira (29).

Embora Tamoios só ocupe cerca de 6% da baía de Ilha Grande, entre os municípios de Angra dos Reis e Paraty, no Estado do Rio de Janeiro, o presidente não abre mão de desproteger o local onde foi multado pelo Ibama em 2012 por pesca ilegal.

O plano já foi tema de vários discursos públicos do presidente desde o começo do ano. Bolsonaro chegou a discutir a possibilidade de tentar extinguir Tamoios por decreto com o presidente do STF, Dias Toffoli. A legislação atual exige o crivo do Congresso Nacional para extinguir uma área protegida.

Em entrevista para a BBC Brasil, Bolsonaro confirmou o tema do encontro. “Eu propus ao príncipe herdeiro investimento na baía de Angra para nós a transformarmos numa Cancún. Depois de uma explanação, ele falou que está pronto para investir na baía de Angra. Mas isso passa por um projeto para revogar um decreto ambiental”, disse o presidente.

Presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, discurso para uma plateia de empresários sauditas em Riad. Foto: Clauber Cleber Caetano/PR.

A busca por apoio para o projeto fez parte da viagem do presidente ao Oriente. O presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Gilson Machado Neto, que faz parte da comitiva, ressaltou para empresários sauditas o potencial turístico de Angra.

“Nós temos uma joia chamada região de Angra dos Reis. Temos mais de 300 ilhas, prontas para investimentos. Pronta para os senhores chegarem e construírem Resorts, levarem navios cruzeiros. Estamos destravando essa burocracia e temos a maior vocação do mundo para cruzeiros marinhos”, disse Neto, em discurso realizado no domingo (27) para uma plateia de empresários.

A desburocratização que o governo pretende atacar é extinguir o decreto de criação de Tamoios, criada em janeiro de 1990 durante o governo de José Sarney. Por se tratar de uma área protegida, apenas uma lei tramitando no Congresso pode retirar o status especial que hoje mantém a área longe da interferência humana direta.

Tamoios abrange 29  ilhas, ilhotes, lajes ou rochedo e foi decretada para atender um dispositivo que determina que todas as usinas nucleares deverão ser localizadas em áreas delimitadas como estações ecológicas. A unidade foi criada como contrapartida pela existência das Usinas Nucleares de Angra I e Angra II.

 

 

Leia Também

“Por que tem que ter lá uma estação ecológica?”, diz Bolsonaro sobre Tamoios

Em live, Bolsonaro reclama que não consegue extinguir parques por decreto

Em encontro com Toffoli, Bolsonaro defende extinção da Estação Ecológica de Tamoios

 

1 comentário em “Bolsonaro quer usar dinheiro saudita para extinguir a Estação Ecológica de Tamoios”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.