Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Após críticas, Bolsonaro chama Greenpeace de “lixo”

Daniele Bragança
quinta-feira, 13 fevereiro 2020 17:41
Jair Bolsonaro durante Cerimônia de assinatura do decreto que dispõe sobre o Conselho Nacional da Amazônia Legal. Foto: Carolina Antunes/PR.

O presidente Jair Bolsonaro xingou nesta quinta-feira (13) a organização ambiental Greenpeace de “lixo”. A ofensa ocorreu em responta a pergunta de um jornalista sobre críticas da ONG em relação ao Conselho da Amazônia, criado oficialmente esta semana. Segundo o Greenpeace, o colegiado “não tem plano, meta ou orçamento”.

A fala de Bolsonaro ocorreu no cercadinho que o separa da imprensa no Palácio da Alvorada.

“Quem é Greenpeace? Quem é essa porcaria chamada Greenpeace? Isso é um lixo. Outra pergunta”, disse Bolsonaro.

Um jornalista quis saber sobre a ausência dos governadores no Conselho. “Se você quiser que eu bote governadores, secretários de grandes cidades, vai ter 200 caras. Sabe o que vai resolver? Nada. Nada”, disse Bolsonaro, que acrescentou: “Tem bastante ministros. Nós não vamos tomar decisões sobre estados da Amazônia sem conversar com governador, com a bancada do estado. Se botar muita gente é passagem aérea, hospedagem, uma despesa enorme, não resolve nada”, disse.

A ausência dos estados e da sociedade civil no Conselho presidido por Mourão foi a crítica que o Greenpeace havia feito. E o que gerou a resposta malcriada do presidente.

“O incômodo de quem destrói o meio ambiente soa como elogio, disse o Greenpeace, em nota. “No Brasil, temos criticado e combatido as políticas do governo que levaram ao aumento do desmatamento e ao desmantelamento dos órgãos de fiscalização, além de nos posicionarmos contra os absurdos ataques aos direitos dos povos indígenas”.

Governo estuda criar novo Ministério para cuidar da Amazônia

O deputado federal Átila Lins (PP-AM) propôs a Bolsonaro a criação de um ministério extraordinário, ligado à Presidência da República, para cuidar de assuntos da Amazônia.

“O ministério seria o órgão executor. Um ministério extraordinário, uma estrutura enxuta e que ficaria ligada à Presidência da República”, explicou o deputado, do lado do presidente.

Bolsonaro explicou que ainda iria estudar o assunto, por conta da despesa extra.

 

Leia Também 

Salles insinua que Greenpeace está por trás do derramamento de óleo no Nordeste

ICMBio perde 6 das 11 coordenações regionais

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

 

3 comentários em “Após críticas, Bolsonaro chama Greenpeace de “lixo””

  1. O sr. $alles, já tinha dito que o derramamento de óleo no litoral doNordeste, tinha GRANDES indícios de ser do navio dos green.

    Pois chute e mais chutes. Mais uma farquejada.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.