Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Agronegócio, indústria e construção civil saem em defesa da “boiada” de Salles

Daniele Bragança
terça-feira, 26 maio 2020 16:39
Entidades empresariais saem em defesa de Ricardo Salles Foto: Lula Marques/Fotos Públicas.

Associações da indústria, agronegócio, construção civil, mercado imobiliário e setor de processamento assinam um anúncio de página inteira nos principais jornais do país em favor do ministro Ricardo Salles, alvo de críticas após sugerir que o governo aproveite a pandemia para “ir passando a boiada” e flexibilizar leis ambientais. Segundo o anúncio, assinado por quatro grandes confederações nacionais e dezenas de associações de classe, “a burocracia também devasta”.

O manifesto foi publicado nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo.

“Condenamos, também, a agenda burocrática que utiliza a bandeira ambiental como instrumento para o travamento ideológico e irrazoável de atividades econômicas cumpridoras das leis e essenciais ao desenvolvimento do País. Tal agenda afasta investimentos e subtrai empregos, gerando pobreza em vez de respeito ao meio ambiente”, escreveram as entidades. “As ações do Ministério do Meio Ambiente, na defesa da legislação e dos interesses ambientais com sensibilidade ao desenvolvimento do País de forma sustentável e legítima, contam com o nosso total apoio”.

O anúncio é assinado por 4 confederações [Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Confederação Nacional de Serviços (CNS)], dezenas de associações setoriais, como a de frigoríficos (Abrafrigo), de Higiene Pessoal (ABIHPEC) e mais de 30 sindicatos, a maioria ligada à construção civil. 

Entidades como a Sociedade Rural Brasileira, a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (APROSOJA) e a União da Indústria de Cana de Açúcar (ÚNICA) também assinam o anúncio publicitário. Salles foi  ex-diretor jurídico da Sociedade Rural Brasileira (SRB). 

Nesta segunda-feira (25), o Centro das Indústrias do Pará, entidade vinculada à Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), também declarou apoio ao ministro do Meio Ambiente e ao presidente Jair Bolsonaro. 

ONGs questionam marcas

ONGs como o Observatório do Clima e o Greenpeace questionaram nas redes sociais empresas colegiadas das associações e entidades de classe que assinaram o manifesto pró-Salles. As empresas Avon e Natura, que integram o Conselho da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), e o complexo turístico Beach Park, que integra a Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil (ADIT Brasil), afirmaram que não foram consultadas sobre o anúncio e que não concordam com o posicionamento das entidades.

“Os índices de desmatamento no Brasil são alarmantes e existe uma urgência real por mais fiscalização e cumprimento da legislação. A gente discorda dessa manifestação de apoio”, disse a Natura.

O Boticário** também se manifestou contra o anúncio e solicitou à ABIHPEC um pedido de retirada de assinatura do manifesto. “Informamos que não apoiamos a posição das associações que assinaram o manifesto sobre o meio ambiente. Reiteramos nossa posição em relação à necessidade e à importância da preservação do meio ambiente e o nosso papel histórico de mais de 30 anos atuando para a conservação da natureza”.

Outras empresas como o grupo Bourbon de hotéis, os resorts Txai, a L’Occitane, a Mars (Whiskas, Pedigree e Royal Canin), a licenciadora da marca Turma da Mônica, a Batavo e a Marfrig negaram apoio ao anúncio. As marcas afirmaram que não foram comunicadas sobre o anúncio assinado pelas associações setoriais se e que não concordam com o conteúdo.

Anúncio publicitário

No meio ambiente, a burocracia também devasta.

Imagem: Reprodução.

As entidades abaixo reafirmam seu compromisso com a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, condenando os infratores que, além de causarem prejuízos ambientais e à imagem do País, praticam concorrência desleal às empresas regulares e responsáveis. Condenamos, também, a agenda burocrática que utiliza a bandeira ambiental como instrumento para o travamento ideológico e irrazoável de atividades econômicas cumpridoras das leis e essenciais ao desenvolvimento do País. Tal agenda afasta investimentos e subtrai empregos, gerando pobreza em vez de respeito ao meio ambiente.

As ações do Ministério do Meio Ambiente, na defesa da legislação e dos interesses ambientais com sensibilidade ao desenvolvimento do País de forma sustentável e legítima, contam com o nosso total apoio.

CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil | CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo | CNI – Confederação Nacional da Indústria | CNS – Confederação Nacional de Serviços | CBIC – Câmara Brasileira da Indústria da Construção | AABIC – Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo | ABIFER – Associação Brasileira da Indústria Ferroviária | ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos – João Carlos Basílio | ABRA – Associação Brasileira de Reciclagem Animal | ABRAINC – Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias | ABRAFRIGO – Associação Brasileira de Frigoríficos | ABRAFRUTAS – Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados | ABRINSTAL – Associação Brasileira pela Conformidade e Eficiência de Instalação | ACEBRA – Associação das Empresas Cerealistas do Brasil | ACSP – Associação Comercial de São Paulo | ADEMI-BA – Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia | ADEMI-DF – Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal | ADEMI-RIO – Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro | ADEMI-PE – Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco | ADIT BRASIL – Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil | ADVB – Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil | AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro | AELO – Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano | AFCESBA – Associação dos Fornecedores de Cana do Extremo Sul da Bahia | AFCP – Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco | ALSHOP – Associação Brasileira de Lojistas de Shopping | ALCOPAR – Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná | APEOP PR – Associação Paranaense dos Empresários de Obras Públicas | APROFIR – Associação dos Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso | APROSOJA BRASIL – Associação Brasileira dos Produtores de Soja | Associação dos Fornecedores de Cana de Araraquara | ASPIPP – Associação do Sudoeste Paulista de Irrigantes e Plantio na Palha | ASPLAN – Associação dos Fornecedores de Cana de Alagoas | ASPLANA RN – Associação dos Fornecedores de Cana do Rio Grande do Norte | ASPLANA SE – Associação dos Fornecedores de Cana de Sergipe | ASSOVALE – Associação Rural do Vale do Rio Pardo | ASBRACO DF – Associação Brasileira de Construtores | BRASINFRA – Associação Brasileira dos Sindicatos e Associações de Classe de Infraestrutura | CANASOL – Associação dos Fornecedores de Cana de Araraquara | COAF – Cooperativa dos Produtores de Cana – PE | CBDFP – Conselho Brasileiro do Feijão e Pulses | Federação de Serviços do Estado de São Paulo | FENAPC – Federação Nacional dos Pequenos Construtores | FEPLANA – Federação dos Plantadores de Cana do Brasil | FIABCI-BRASIL – Federação Internacional Imobiliária | IBRAFE – Instituto Brasileiro De Feijão e Pulses e Colheitas Especiais | IE – Instituto de Engenharia | ORPLANA – Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil | SECOVI-SP – Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo | SECOVI-PB – Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis e dos Condomínios Residenciais e Comerciais do Estado da Paraíba | SIAPAR – Sindicato da Indústria do Açúcar do Estado do Paraná | SIALPAR – Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool do Estado do Paraná | SIBIOPAR – Sindicato de Indústria de Produção de Biodiesel do Estado do Paraná | SINAENCO – Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva | Sindicato Rural De Sorriso – Mato Grosso | SINDUSCON-AL – Sindicato da Indústria da Construção do Estado de Alagoas | SINDUSCON BLUMENAU – Sindicato da Indústria da Construção Civil de Blumenau | SINDUSCON CAXIAS DO SUL – Sindicato da Indústria da Construção Civil de Caxias do Sul | SINDUSCON COSTA ESMERALDA – Sindicato das Indústrias da Construção Civil da Costa Esmeralda | SINDUSCON-GO – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Goiás | SINDUSCON ITAJAÍ – Sindicato da Indústria da Construção Civil dos Municípios da Foz do Rio Itajaí | SINDUSCON JOINVILLE – Sindicato da Indústria da Construção Civil de Joinville | SINDUSCON-JP – Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa | SINDUSCON MG – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Minas Gerais. | SINDUSCON MG – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Centro Oeste de Minas. | SINDUSCON MS – Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado de Mato Grosso do Sul | SINDUSCON MT – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Mato Grosso. | SINDUSCON-PA – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Pará | SINDUSCON-PB – Sindicato da Indústria da Construção e do Mobiliário do Estado da Paraíba | SINDUSCON-PE – Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco | SINDUSCON-PI – Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Piauí | SINDUSCON-PR – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná | SINDUSCON/PR NOROESTE – Sindicato da Indústria da Construção Civil da Região Noroeste do Estado do Paraná | SINDUSCON/PR NORTE – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná | SINDUSCON/PR OESTE – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Oeste do Paraná | SINDUSCON RJ – Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro | SINDUSCON-RN – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Norte | SINDUSCON-SP – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo | SINDUSCON-VALE DO ITAPOCU (SC) – Sindicato da Indústria da Construção Civil e de Artefatos de Cimento Armado do Vale do Itapocu | SINDUSCON VALE UBERABA MG – Sindicato da Indústria da Construção Civil de Uberaba | SINICESP – Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo | SISTEMA COFECI E CRECI Conselho Federal de Corretores de Imóveis | SIRAN – Sindicato Rural da Alta Noroeste | SOBRATEMA – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração | SRB – Sociedade Rural Brasileira | SRP – Sociedade Rural do Paraná | ÚNICA – União da Indústria de Cana de Açúcar | UNIDA – União Nordestina dos Produtores de Cana.

 

*Atualizada às 16h30, do dia 28/05/2020, para acrescentar a posição das marcas. ***O Grupo Boticário é anunciante de ((o))eco. 

 

Leia Também 

Salles sugeriu aproveitar a pandemia para desregulamentar as leis ambientais

A vida, a proteção e a “boiada”

Governo revoga zoneamento e permite expansão da cana-de-açúcar para a Amazônia

 

 

16 comentários em “Agronegócio, indústria e construção civil saem em defesa da “boiada” de Salles”

  1. País precisa se desenvolver, não pode ficar refém de vagabundos que vivem de ongs que só recebem de países já desenvolvidos, desmatados em 100%, que não querem nosso desenvolvimento e não pagam por ministro foca no desenvolvimento sustentável, querendo destravar a burocracia para nós desenvolvermos.

    Responder
    • Você já ouviu falar em desenvolvimento sustentável? Já pegou a calculadora para saber quanto o Brasil está perdendo por causa desses vagabundos que não entendem o básico do que é ser um países desenvolvido. Já parasse para pensar que o Brasil poderia estar vendendo seus créditos de carbano no mercado futuro? Que perdemos o Fundo Amazônia?

      Responder
      • A maioria dos agricultores respeitam o meio ambiente, e não fosse a agricultura mecanizada, voce estaria passando fome com esse isolamento social, pois faltaria mao de obra no campo e na industria de alimentos.
        É impossivel voce refutar isso, pois a AUTOMAÇÃO é que esta alimentando as pessoas, principalmente agora com essa quarentena.

        Responder
        • Fala besteira de monte, DAGC.

          Quem alimenta o brasil é o pequeno produtor. Latifundiário de agricultura mecanizada quer saber é de exportar pra china. Se liga minion.

          Responder
        • vai estudar cara. Ler um pouco. Se informar. Repetir as coisas sem entender o que fala só é mais um desserviço pra sociedade. O debate tem que ter fundamentos, dados e gente técnica. Até agora só uma pauta negativa para o meio ambinte. Esse papo que vai trazer mais emprego desburocratizando é uma mentira. Falta é gente pra trabalhar e fazer o sistema andar.

          Responder
  2. As "ações do MMA, em defesa das legislações ambientais", Como defesa, se o proprio MMA burla as leis, não manda cumprir,desobedece constantemente.
    Se não fosse os Ministérios Públicos, que obrigam o governo a trabalhar de forma correta, a destruição já teria derrubado e poluído o patrimônio público Brasileiro.
    Vejam o Vice Mourão, demorou a agir, quando chegaram as arvores já estavam no chão. Detalhe , com imagens reais e rápidas e com aviões e helicopteros no pátio, com os motores ligados. Muita preguiça destes governantes.

    Responder
  3. Isso é “lei de Jerson “ Para que a humanidade possa conviver e prosperar em harmonia Em conjunto cada povo terá que agir sob o espírito cooperativo, não ao individualismo.A questão ambiental da Amazônia é questão global assim como pandemia coronavírus.

    Responder
    • Piadista. Vá estudar o que é o capitalismo. Voces esquerdinhas querem que as comunidades ribeirinhas, continuem sem saneamento?
      Engraçado que voce critica o capitalismo, mas ao mesmo tempo ta usando ai, um computador fabricado na capitalista taiwan, kkkkkk, de novo eu repito, vá estudar.
      Os paises ricos podem economizar CO2, mas os pobres, nao conseguem, os pobres precisam de energia barata, sabia? porque voce nao abre o grafico de desenvolvimento humano nos paises que são mais capitalistas e nos que são menos capitalistas?
      o que voce quer é aumentar o Estado para aumentar o Poder dos Politicos, por acaso?

      Responder
  4. É notório pra quem esse indivíduo trabalho!!
    Mesmo passando por cima da constituição, das leis ambientais, não há quem pare esses ganancioso !

    Responder
  5. Lendo os comentários entendo porque a natureza mandou o Covid. Muito triste, espero que tudo isso passe com menos morte possível.
    Do mais, vocês me dão nojo.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.