Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A conservação perde Adelmar Coimbra Filho

((o))eco
terça-feira, 28 junho 2016 15:28
Adelmar Coimbra Filho é um dos expoentes brasileiros da conservação da fauna e flora do país. Foto: Inea/Divulgação.
Adelmar Coimbra Filho, um dos expoentes brasileiros da conservação da fauna e flora do país. Foto: Inea/Divulgação.

Morreu, na tarde de ontem (27), o primatólogo Adelmar Coimbra Filho, aos 92 anos. Um dos principais conservacionistas do país, foi uma das vozes mais eloquentes contra a extinção do mico-leão-dourado, além de idealizar o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro (CPRJ), criado em 1975. Adelmar foi fundador e diretor do Centro até 1994, quando se aposentou.

Cearense crescido em Pernambuco e radicado no Rio de Janeiro, Adelmar era um apaixonado pela Mata Atlântica. Com carreira acadêmica sólida, publicou mais de 200 trabalhos científicos. A importância de seu trabalho foi reconhecida por colegas, que o homenagearam dando seu nome a espécies de macaco (Callicebus coimbrai), de percevejo (Taedia coimbrai), de uma bromélia (Neoregelia coimbraii) e de um fóssil macaco (Cartelles coimbrafilhoi).

Sobre ele, a ambientalista Maria Tereza Jorge Pádua enviou a ((o))eco o seguinte depoimento:

O Brasil perdeu seu grande primatólogo e conservacionista Adelmar Coimbra Filho. Dentre os inúmeros feitos inéditos de Adelmar, repercutirá para sempre o redescobrimento de uma espécie de mico-leão, o de cara preta Leontopithecus chrysopygus, que, em 1975, já era considerada extinta havia 50 anos. Por causa desta redescoberta, a inundação da hidroelétrica de Rosana em São Paulo, onde vive este mico-leão, foi a mais cuidadosa até hoje feita no pais. Adelmar também começou a criação e reintrodução das três espécies de micos-leões então descritas no país (hoje há uma quarta), em conjunto com nossa querida Lou Ann Dietz e, mais tarde, com Claudio Padua.

Ninguém conhecia tanto de nossa fauna silvestre como ele. Pela modéstia, evitava a mídia, detestava viajar e não aceitava convites para jantares ou coquetéis. Foi também um exemplo de vida honesta, junto com sua maravilhosa Jaqueline e filhos.

Tive a chance de conhecê-lo bem. Escrevemos um livro juntos em 1979. Meu Deus, vocês não sabem o como era minucioso e sério. Foi um trabalho exaustivo. Ele publicou centenas de trabalhos científicos, alguns em coautoria com Ibsen de Gusmão Câmara.

Homens como Adelmar mantêm vivas as esperanças no futuro da conservação da Natureza no Brasil. Um saudoso até breve meu querido amigo, grande cientista e, além de tudo, pintor também.

 

 

Leia Também

Sem qualquer cerimônia – com Adelmar Coimbra Filho

A serviço público, por conta própria

Robert Goodland: o homem que esverdeou o Banco Mundial

 

 

6 comentários em “A conservação perde Adelmar Coimbra Filho”

  1. Os conservacionistas de fato, e não os vendedores de bullshit que pipocam atualmente, estão ou já foram embora. Tempos cada vez mais negros se instalam. Grande perda, que sequer será reconhecida com tal, como assim aconteceu com o saudoso Almirante Ibsen.

    Responder
  2. Se hoje temos o privilégio de desfrutar de alguns dos mais raros primatas brasileiros, como o Mico-Leão-Preto que experimentou o limiar da extinção, isso se deve em grande medida à inteligência e à obstinação de Adelmar Coimbra Filho. Deixa-nos o grande conservacionista e primatólogo brasileiro, permanece para sempre o seu trabalho e exemplo de vida.

    Responder
  3. Perdemos os bons, que realmente lutavam por um mundo melhor e mais rico. Ficam picaretas que lutam pelas suas distopias e seus bolsos.
    Coimbra-Filho deixa um legado verdadeiro e saudades.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.