Darwin, o subversivo que mudou meu caminho
Olhar Naturalista
Por aí com Darwin e uma câmera na mão

Darwin, o subversivo que mudou meu caminho

Fabio Olmos
segunda-feira, 6 agosto 2012 22:27
Meu encontro com El Solitario Jorge, último da linhagem extinta em junho. (Foto: Fabio Olmos)
Meu encontro com El Solitario Jorge, último da linhagem extinta em junho. (Foto: Fabio Olmos)

Clique para ampliar

Livros são coisas perigosas. Eles podem mudar sua vida. Quando eu tinha seis anos li o “Viagem de Um Naturalista ao Redor do Mundo”, onde Charles Darwin conta suas experiências durante a viagem do Beagle, entre 1831 e 1836. Foi esse livro que fez que eu desejasse me tornar um “naturalista” (profissão hoje conhecida como biólogo) e, junto com os documentários que assistia, acendeu a vontade de viajar e conhecer a diversidade da vida, as “endless forms most beautiful”, como Darwin descreveu.

Claro que seria inevitável colocar Galápagos no topo de minha lista de lugares a visitar, mas, sem vir de uma família com recursos, tive que esperar muito tempo e me tornar um profissional razoavelmente bem sucedido antes de ter essa oportunidade. Finalmente, em 1998, fiz a peregrinação que todo biólogo deseja fazer.

Foi nessa viagem que conheci os famosos tentilhões, sabiás-do-campo, iguanas e tartarugas que impressionaram Darwin e plantaram a semente da teoria que é a base para a compreensão não só da Vida, mas também de qualquer sistema complexo que envolva replicantes e recursos limitados. A Perigosa Ideia de Darwin tem implicações muito profundas, da domesticação de humanos e sociedades, passando pela memesfera que hoje dita a política e pela ascensão da inteligência artificial movida a algoritmos.

Foi também nessa viagem que conheci El Solitario Jorge, o último Chelonoidis abingdonii. Jorge morreu em 24 de junho de 2012, o ponto final de uma história evolutiva que começou milhões de anos atrás quando seu ancestral, lançado ao mar por algum desastre ou acidente, conseguiu chegar à praia de uma ilha há muito submersa e deu origem à linhagem das tartarugas gigantes de aparência pré-histórica.

O direito à existência que foi negado Jorge e sua linhagem porquê marinheiros, especialmente baleeiros, os usaram como comida e introduziram cabras em sua ilha, destruindo assim a vegetação. Coletores científicos abastecendo museus  também tiveram seu papel, como o infame Rollo Beck, que em 1906 matou três das quatro  abingdonii sobreviventes (Jorge foi o que escapou).

Chelonoidis nigra abingdonii não é, de maneira alguma, a única forma de vida erradicada deste planeta porquê pessoas precisavam se sustentar de alguma maneira. Mas vale lembrar que nem a indústria baleeira e nem a criação de cabras que eram tão importantes a ponto de justificar o fim das abingdonii existem mais. Como não existem mais nem indústrias, nem tribos e nem civilizações que varreram espécie após espécie deste planeta.

Quando vejo o que estamos fazendo com 3,5 bilhões de anos de evolução, e o porquê de estamos fazendo isso, olho esta foto de Jorge e me pergunto qual é a espécie primitiva.

Foi nessa viagem que conheci os famosos tentilhões, sabiás-do-campo, iguanas e tartarugas que impressionaram Darwin e plantaram a semente da teoria que é a base para a compreensão não só da Vida, mas também de qualquer sistema complexo que envolva replicantes e recursos limitados. A Perigosa Ideia de Darwin tem implicações muito profundas.

O direito à existência foi negado a Jorge e sua linhagem porque marinheiros, especialmente baleeiros, os usaram como comida e introduziram cabras em sua ilha, destruindo assim a vegetação.

Coletores científicos abastecendo museus também tiveram seu papel, como o infame Rollo Beck, que em 1906 matou três das quatro abingdonii sobreviventes (Jorge foi o que escapou).

A espécie Chelonoidis nigra abingdonii não é, de maneira alguma, a única forma de vida erradicada deste planeta porque pessoas precisavam se sustentar de alguma maneira. Mas vale lembrar que não existem mais a indústria baleeira e nem a criação de cabras, que eram tão importantes a ponto de justificar o fim das abingdonii. Como não existem mais nem indústrias, nem tribos e nem civilizações que varreram espécie após espécie deste planeta.

Quando vejo o que estamos fazendo com 3,5 bilhões de anos de evolução, e o porquê de estarmos fazendo isso, olho esta foto de Jorge e me pergunto: qual é a espécie primitiva?

 

Autor deste blog, Fabio Olmos é biólogo e doutor em zoologia. Tem um pendor pela ornitologia e gosto pela relação entre ecologia, economia e antropologia.

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.