Análises

A porteira aberta e o mata-burro do Ministério do Meio Ambiente

Ao ignorar o processo histórico, com intenções questionáveis e formação deficiente, o ministro Salles abriu a porteira no MMA, mas caiu no mata-burro

Carlos Bocuhy ·
1 de julho de 2020
“O presidente Jair Bolsonaro, por mais limitado que possa parecer, deve remover imediatamente o ministro do mata-burro”. Foto: Lula Marques/PT na Câmara.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não pode ser acusado de falta de coerência. A declaração durante a fatídica reunião ministerial em 22 de abril, de aproveitar a pandemia para ir “passando a boiada”,  mudando as regras ambientais, apenas coroou uma gestão que, desde o início de 2019, vem desmontando o sistema de defesa do setor.

Não é à toa. Salles é muito mais um representante do setor ruralista, não um ministro que preze pelo meio ambiente. E pior: atende aos interesses  do mais retrógrado setor ruralista, espoliador de bens públicos, da função social da propriedade e dos direitos difusos. 

Salles parece não querer ver o conflito de interesses com suas posições, apenas as justificando como necessidade de desburocratização, enquanto implementa retrocessos na normatização e nos meios de participação social.

Enquanto o mundo clama contra “a aceleração das mudanças em descompasso com a evolução biológica e o bem comum” (Laudato Si), e a Constituição brasileira determina a responsabilidade de todos na proteção do meio ambiente, o ato de desmantelar propositadamente um aparato de Estado voltado à proteção ambiental é um crime lesa-pátria e contra a humanidade.

A reconstrução da mínima eficiência do Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama), desmontado por Salles, implicará a reconstrução das agendas negligenciadas, como a de mudanças climáticas, a retomada das competências em conformidade com a vocação das instituições e sistemas de gestão, a retomada de sinergia entre os diversos setoriais da área ambiental que foram segmentados para não funcionar, entre outros.

O Brasil é um país continental, megadiverso, de extrema relevância ecológica e historicamente destacou-se como líder da proteção ambiental do planeta. Está muito longe de ser um fazendão-latifúndio comandado por feitores com formação colonial. Mas desde o início de 2019 o desregramento tomou conta do MMA e teve início a fase da porteira aberta no Ministério. 

“Atolado no mata-burro, vem sendo cada vez mais atropelado pelas estruturas sociais e conceituais já internalizadas pela sociedade.”

Mas toda porteira que se preze conta com um bom mata-burro. Ao ignorar o processo histórico, com intenções questionáveis e formação deficiente, o ministro Salles abriu a porteira no MMA, mas caiu no mata-burro. Na ânsia de corroer a normatização e o sistema de gestão já estruturados que visavam conter a expansão desregrada dos negócios rurais e da mineração, Salles, em ataque público que revelou profunda  má-fé, atolou-se de vez ao advogar o relaxamento de regras em todos os ministérios para “passar a boiada”, alegando que este era o momento, já que a sociedade brasileira estava preocupada com a crise humanitária da covid-19.

Atolado no mata-burro, vem sendo cada vez mais atropelado pelas estruturas sociais e conceituais já internalizadas pela sociedade. Isolado dentro do governo, que descolou sua imagem da gestão da Amazônia, continua a dar uma mãozinha para que o Brasil desgaste ainda mais sua imagem e se torne um pária internacional na área ambiental, afugentando investimentos econômicos e parcerias internacionais que geram expressivos recursos públicos. 

 O Brasil precisa reconstruir seu sistema público de gestão ambiental na área federal, para garantir a sintonia com os mecanismos de regularidade ambiental do comércio internacional, fato notório e declarado por fundos de investimento e corporações que pautam suas ações em requisitos de compliance.

O presidente Jair Bolsonaro, por mais limitado que possa parecer, deve remover imediatamente o ministro do mata-burro.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

A sustentabilidade no Brasil pós-pandemia e o apartheid nacionalista

Procuradores pedem à Justiça que Ricardo Salles deixe de ser ministro

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

 

  • Carlos Bocuhy

    Carlos Bocuhy é presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam)

Leia também

Análises
28 de maio de 2020

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

O anticientificismo do governo Bolsonaro procura garantir o descrédito da política ambiental, mantendo-a no lugar de empecilho ou obstáculo ao ‘seu’ Brasil

Notícias
28 de janeiro de 2019

Procuradores pedem à Justiça que Ricardo Salles deixe de ser ministro

Ministro do Meio Ambiente foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa após alterar plano de manejo de unidade de conservação

Análises
18 de maio de 2020

A sustentabilidade no Brasil pós-pandemia e o apartheid nacionalista

No último meio século avançamos conceitualmente. Ética e sustentabilidade ocuparam os espaços mais nobres da discussão planetária. É preciso resgatá-las neste processo de refluxo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Carlos Edegard Deus diz:

    Fico triste e profundamente indignado com as atitudes desse senhor salles, na area ambiental. É urgente a remoção dessa figura do comando do MMA.
    O Brasil não merece.
    Dr. Paulo Nogueira Neto deve estar muito revoltado com o que vem assistindo.
    Fora Salles….


  2. Paulo diz:

    Salle$$$$$$ão, o mais competente dos sinistros, até então.