Download PDF
A espécie Phyllodytes amadoi foi encontrada no município de Una, na Bahia. Foto: Mirco Solé.

A espécie Phyllodytes amadoi foi encontrada no município de Una, na Bahia. Foto: Mirco Solé.

O escritor baiano Jorge Amado é mundialmente conhecido e aclamado pela sua obra que retrata tanto o Brasil e, de uma forma particular, o povo baiano. Mas poucos conhecem a admiração que o escritor tinha pelos animais. Quem visitar o Memorial Jorge Amado, em Salvador, irá encontrar vários objetos relacionados a anfíbios. Não por acaso, a nova espécie de perereca encontrada no município de Una, no sul da Bahia, recebeu o nome de Phyllodytes amadoi. A descoberta foi publicada na revista científica Zootaxa no final do ano passado.

Com 2 centímetros de comprimento, a Phyllodytes amadoi é considerada pequena em relação a outras espécies do mesmo gênero. Mas foi o seu canto de característica mais aguda que chamou a atenção dos pesquisadores durante o estudo realizado desde 2015 pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Além do seu tamanho e canto, a perereca descoberta apresenta como característica um focinho arredondado e uma listra que vai dos olhos aos flancos.

A perereca foi encontrada na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Ararauna, região rica em bromélias, onde a nova espécie gosta de viver. A planta é propícia para a sua reprodução do anfíbio por apresentar a capacidade de segurar a água da chuva. Essa é a segunda nova espécie de perereca de bromélia encontrada pela equipe do professor Mirco Solé, pesquisador e responsável técnico pelo projeto.

Essa é a segunda nova espécie de perereca de bromélia encontrada pela equipe do professor Mirco Solé. Foto: Mirco Solé.

Essa é a segunda nova espécie de perereca de bromélia encontrada pela equipe do professor Mirco Solé. Foto: Mirco Solé.

 

Leia Também

Descoberta primeira perereca fluorescente do mundo

Nova espécie de mini sapo é descoberta e já está ameaçada

Novos anfíbios nas bromélias da Mata Atlântica