Vídeos

Vídeo: O que é mito da natureza inesgotável no Brasil? por José Augusto Pádua

Neste vídeo, o professor da UFRJ especialista em história natural explica as consequências deste mito e por que devemos abandoná-lo

Daniele Bragança · Márcio Lázaro ·
30 de setembro de 2018 · 3 anos atrás
Desmatamento em Mato Grosso. Foto: Ibama.

O ideário que enxerga no desmatamento o progresso e na destruição de biomas inteiros o preço a se pagar por uma economia forte não é novo. Já existia no Brasil colônia a noção de que a exuberância dos recursos naturais era grande demais para exaurir. Neste ode ao progresso, perdemos 87% da Mata Atlântica original, 50% do Cerrado e 20% da Amazônia brasileira.

No 36º vídeo da série “Pense Verde”, o historiador José Augusto Pádua, professor da UFRJ, explica como essa ideia colonial alavancou o mito da natureza inesgotável e por que esse imaginário ainda perdura no Brasil.

Leia Também

Vídeo: O que é desenvolvimento sustentável? por Fabio Scarano

Brasil-Índia: História e Ecologia

Nas origens do horror às florestas

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

  • Márcio Lázaro

    Jornalista, repórter cinematográfico, editor de vídeo e imagens, mestre em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ).

Leia também

Colunas
23 de fevereiro de 2005

Nas origens do horror às florestas

A noção de civilização nasceu há seis mil anos na Mesopotâmia como oposição à natureza. É um pensamento ainda predominante, cujo produto final será o colapso.

Colunas
26 de janeiro de 2007

Brasil-Índia: História e Ecologia

Brasil e Índia são países distantes e diversos, mas têm relações históricas, culturais e ecológicas surpreendentes. As semelhanças são muitas e vão bem além dos trópicos.

Vídeos
16 de setembro de 2018

Vídeo: O que é desenvolvimento sustentável? por Fabio Scarano

O engenheiro florestal Fabio Scarano explica como o conceito de sustentabilidade virou a coluna que ergue as nossas inspirações sobre o futuro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta