Vídeos

Vídeo: O conhecimento que temos sobre pescarias permite que elas se prolonguem ao longo do tempo? por Bianca Bentes

Várias espécies estão sendo extintas sem sequer sabermos o básico sobre elas. A falta de continuidade das estatísticas pesqueiras fere de morte a conservação deste recurso

Daniele Bragança · Márcio Lázaro ·
17 de junho de 2018 · 3 anos atrás

No Brasil, o conhecimento que temos sobre a pesca é tão deficiente que sequer sabemos quantos pescadores existem, quanto mais o que eles pescam. A falta de continuidade das estatísticas pesqueiras fere de morte o manejo pesqueiro. E sem manejo, não há como fazer uma política de conservação desse recurso.

É o que explica a pesquisadora Bianca Bentes, professora da Universidade Federal do Pará (UFPA) e especialista Ictiologia e em dinâmica de estoques pesqueiros.

“O que se falta é conhecer as espécies, nos seus aspectos básicos, para que tudo possa ser gerido de forma sustentável”, afirma Bentes.

Leia Também

Interação com pesca é uma das maiores ameaças aos botos na Amazônia

“Brasil mal faz o básico para proteger os recursos pesqueiros”, diz Áthila Bertoncini

Ministério da (Sobre)Pesca e do Sumiço das Estatísticas

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

  • Márcio Lázaro

    Jornalista, repórter cinematográfico, editor de vídeo e imagens, mestre em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ).

Leia também

Colunas
31 de março de 2015

Ministério da (Sobre)Pesca e do Sumiço das Estatísticas

Cartório de interesses que dominam a pesca industrial no Brasil, ministério comeu os números que mostram o massacre dos peixes.

Reportagens
22 de abril de 2018

“Brasil mal faz o básico para proteger os recursos pesqueiros”, diz Áthila Bertoncini

Oceanógrafo que representou o Brasil no Grupo de Trabalho de Agregações Reprodutivas da FAO critica atraso do país no monitoramento pesqueiro

Reportagens
17 de junho de 2021

Cheia histórica no Amazonas é uma mistura da variabilidade natural com mudanças climáticas

Porto de Manaus registrou nível do Rio Negro de 30,02 metros, a maior altura desde 1902. Com a água invadindo casas à margem dos igarapés, população local fica em situação de extrema vulnerabilidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta