Vídeos

Vídeo: Agrotóxicos são seguros? por Mônica Lopes-Ferreira

Pesquisa realizada pelo Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular (CeTICS) indica que não há dose segura para o consumo de agrotóxico

Daniele Bragança · Márcio Lázaro ·
18 de agosto de 2019 · 2 anos atrás
Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular (CeTICS). Foto: Daniele Bragança.

Pesquisa feita pelo Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular (CeTICS) estudou a toxicidade dos 10 agrotóxicos mais usados no Brasil e mostra que não há dose segura para a saúde e o meio ambiente no uso desses pesticidas. O estudo foi liderado pela imunologista Dra. Mônica Lopes-Ferreira, diretora do Laboratório Especial de Toxinologia Aplicada (LETA) e coordenadora da Plataforma Zebrafish, que usa o peixe Zebrafish (Danio rerio) como modelo para avaliação de toxicidades. O Danio rerio é geneticamente parecido com a espécie humana e possui todo genoma sequenciado.

Os pesquisadores testaram dosagens variadas dos dez agrotóxicos mais usados no país – Abamectina, Acefato, Alfacipermetrina, Bendiocarb, Carbofurano, Diazinon, Etofenprox, Glifosato, Malathion e Piriproxifem –, desde as doses mínimas indicadas pelos fabricantes até concentrações 30 vezes inferiores, e que, portanto, deveriam a princípio ser consideradas inofensivas à vida e ao meio ambiente. A pesquisa mostrou o contrário: mesmo exposto a concentrações mínimas, o Zebrafish apresentava anomalias ou não resistia após ser submetido ao veneno.

Entre os dez pesticidas analisados, sete (Abamectina, Acefato, Alfacipermetrina, Bendiocarb, Carbofurano, Diazinon, Etofenprox) foram responsáveis pela morte dos peixinhos, em maior ou menor porcentagem, em quaisquer concentrações testadas, decorridas até 96 horas após a exposição ao agrotóxico. E mesmo entre os sobreviventes, ou seja, os embriões de peixes-zebra que conseguiram se tornar larvas, a maioria apresentava alguma anomalia ou má formação.

Já com o Glifosato, Malathion e Piriproxifem, após decorridas 24 horas da exposição dos embriões de peixes-zebra aos venenos, a mortalidade foi de 100%, não importando qual concentração, desde a dosagem mínima indicada pela Anvisa para a avaliação até outra 30 vezes menor, que teoricamente deveria se mostrar inofensiva.

Leia Também

Subsídios para os agrotóxicos podem superar R$ 14,53 bilhões por ano

Flores com agrotóxicos preocupam criadores de abelhas

Inseticida “pouco agressivo” dizima criações do bicho-da-seda no Paraná e em São Paulo

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

  • Márcio Lázaro

    Jornalista, repórter cinematográfico, editor de vídeo e imagens, mestre em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ).

Leia também

Reportagens
16 de junho de 2019

Inseticida “pouco agressivo” dizima criações do bicho-da-seda no Paraná e em São Paulo

Considerado de baixa toxicidade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o inseticida Novalurom é mortal para o bicho-da-seda

Reportagens
18 de julho de 2019

Flores com agrotóxicos preocupam criadores de abelhas

Análises revela que todas as amostras de mel não-orgânico mostram a presença de pelo menos um dos oito tipos de pesticidas analisados

Reportagens
5 de agosto de 2019

Subsídios para os agrotóxicos podem superar R$ 14,53 bilhões por ano

Levantamento foi realizado Defensoria Pública de São Paulo. Desde janeiro, 290 novos produtos foram autorizados pelo governo federal

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta