Salada Verde

Um crowdfunding para estudar a anta brasileira na Amazônia

Equipe de pesquisadores da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira, do IPÊ, busca apoio coletivo para realização de expedição no bioma Amazônia

Sabrina Rodrigues ·
12 de março de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Anta Brasileira (Tapirus terrestris) com rádio-colar. Foto: Divulgação.

A Tapirus terrestris, mais conhecida como anta brasileira, exerce um papel ecológico importante pela sua incrível capacidade de dispersão de sementes, contribuindo, assim, para a formação e manutenção da biodiversidade dos biomas brasileiros. Essa excelente função atribuiu-lhe o apelido de jardineira de nossas florestas. E nada mais justo do que saber mais sobre esta espécie e identificar as ameaças enfrentadas. Para isso, pesquisadores da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira (INCAB), do IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas) lançou, nesta terça-feira (12), uma campanha de crowdfunding para arrecadar recursos para a realização de sua primeira expedição à Amazônia.

“A Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, é o último bioma do país onde a espécie ainda não foi estudada sistematicamente. A floresta amazônica e sua biodiversidade são extremamente importantes em diversas esferas, desde a conservação de nossa biodiversidade, até a preservação cultural de populações tradicionais, o balanço hídrico do país e do mundo e a redução dos efeitos do aquecimento global. A anta vai nos ajudar a gerar subsídios para a conservação da Amazônia”, afirma Patrícia Medici.

A expedição será realizada em junho de 2019. Em 30 dias, a equipe irá percorrer mais de 5 mil quilômetros ao longo da área conhecida como arco sul do desmatamento, passando por três estados brasileiros – Rondônia, Mato Grosso e Pará. O dinheiro arrecadado pela campanha será utilizado para cobrir as despesas da logística da expedição.

A INCAB foi criada em 1996 pela pesquisadora e conservacionista Patrícia Medici, que implementou na Mata Atlântica um programa pioneiro de pesquisa aplicada à conservação do maior mamífero terrestre da América do Sul. A partir daí, monitoramentos de longo-prazo vem sendo recorrentes, como os realizados na Mata Atlântica (1996-2007), Pantanal (2008 – em andamento) e Cerrado (2015 – em andamento). Com isso, a INCAB se tornou o maior banco de dados sobre a espécie no mundo.

Serviço

As doações podem ser feitas pelo site TAPIRAMAZON, onde os interessados poderão também saber mais sobre a campanha.

Em junho, período em que será realizada a viagem, o INCAB-IPÊ disponibilizará os seguintes canais para quem quiser acompanhar a expedição:

Website – www.tapirconservation.org.br  

Facebook – www.facebook.com/INCAB.BRASIL  

Instagram – @INCAB_BRASIL

Twitter – @INCAB_BRASIL

YouTube – www.youtube.com/c/INCABBrasil

 

Leia Também

Anta-brasileira: um gênio solitário e incompreendido

Atropelamentos de antas e capivaras também matam humanos

Extintas no Rio, antas são reintroduzidas próximas ao Parque Estadual dos Três Picos

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
20 de junho de 2018

Extintas no Rio, antas são reintroduzidas próximas ao Parque Estadual dos Três Picos

O maior mamífero terrestre do país se prepara para viver livre ao lado do maior parque do estado. Iniciativa é uma aposta para o sucesso da recuperação dos corredores de Mata Atlântica

Notícias
10 de novembro de 2016

Atropelamentos de antas e capivaras também matam humanos

Estudo feito no Mato Grosso do Sul estimou a perda de 250 antas. No mesmo tipo de acidente, também morreram pelo menos 18 passageiros de carros envolvidos.

Notícias
25 de janeiro de 2013

Anta-brasileira: um gênio solitário e incompreendido

A fama de pouco inteligente é pura maldade. Ignorando as críticas, a homenageada da semana nada calmamente ao longo do rio. Foto: VenturaB

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta