Salada Verde

TCU investigará uso de produto poluente em reservas ambientais

A investigação sobre a compra do produto poluente pelo Ministério do Meio Ambiente foi protocolada por dois deputados do PV no Tribunal de Contas da União

Marcos Furtado ·
17 de dezembro de 2020
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O Tribunal de Contas da União acatou, na última quarta (15), um pedido feito por deputados do Partido Verde para investigar o uso de um retardante de chamas no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães e na Estação da Serra das Araras, em Mato Grosso. Mesmo sem ter regulação ambiental para ser usado no Brasil e com parecer técnico contrário do Ibama feito em 2018, o produto foi adquirido pelo Ministério do Meio Ambiente.

Os deputados Célio Studart (PV-CE) e Israel Batista (PV-DF) protocolaram no mês de outubro uma representação sobre possíveis irregularidades praticadas pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, envolvendo a compra, sem licitação e ignorando parecer técnico, de 20 mil litros do retardante de chamas Fire Limit FL-02, compra que custou 684 mil aos cofres públicos.

Os parlamentares solicitaram que o TCU investigue não apenas a compra sem licitação, mas a relação entre o uso do componente e possíveis contaminações na água e no solo. Segundo recomendação da Coordenação de Avaliação Ambiental de Substâncias e Produtos Perigosos do Ibama, o retardante leva pelo menos 28 dias para que cerca de 80% a 90% de seu material se degrade, por isso, era necessário suspender o “consumo de água, pesca, caça e consumo de frutas e vegetais na região exposta ao produto pelo prazo de 40 dias”. (Marcos Furtado)

 

Leia Também 

Precaução, Retardantes e Pirotecnia na Chapada dos Veadeiros

 

  • Marcos Furtado

    Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Colunas
15 de outubro de 2020

Precaução, Retardantes e Pirotecnia na Chapada dos Veadeiros

O uso de um produto de efeitos ainda pouco conhecidos sobre o meio ambiente fere a precaução necessária à gestão das unidades de conservação e à proteção do meio ambiente

Reportagens
16 de maio de 2021

Maior banco suíço volta ao Brasil e coloca em risco compromisso ambiental

O maior banco suíço, o UBS, quer fazer negócios com empresas de carne, soja e agrotóxicos no Brasil, mas sem abrir mão da responsabilidade ambiental. A realidade, no entanto, mostra que não é tão fácil separar o agronegócio sustentável daquele associado ao desmatamento

Notícias
13 de maio de 2021

Mudança no licenciamento é aprovada e matéria vai ao Senado

Plenário rejeitou todas as emendas e o texto final do marco do licenciamento foi aprovado na íntegra. Proposta ainda pode ser modificada no Senado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta