Salada Verde

Salles volta atrás e revoga despacho que invalidava Lei da Mata Atlântica

Depois de pressões do Ministério Público Federal e de ONGs, o Ministro do Meio Ambiente decidiu revogar o despacho publicado por ele em abril no qual flexibilizava a proteção na Mata Atlântica

Duda Menegassi ·
4 de junho de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Ministro vai esperar parecer do STF. Foto: Lula Marques/PT na Câmara

Após o Ministério Público Federal (MPF), de ONGs, instituições e da sociedade civil entrarem na Justiça, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles decidiu revogar o despacho assinado em abril onde determinou que os órgãos ambientais federais adotassem as regras do Código Florestal na Mata Atlântica. A decisão de abril, na prática abria caminho para anulação de multas, embargos e desmatamentos ilegais.

A decisão de voltar atrás do ministro foi publicada hoje no Diário Oficial da União.

O recuo de Salles é uma resposta às ações civis públicas impetradas pelo Ministério Público em quase todos os 17 estados onde tem Mata Atlântica. A enxurrada de ações judiciais paralisou os processos que dariam anistia aos desmatadores. Os órgãos foram avisados que qualquer aplicação que resultassem em diminuição da proteção da Mata Atlântica resultaria em responsabilização dos servidores responsáveis. Em entrevista à Folha, Ricardo Salles disse que o governo decidiu ingressar com uma ação no Supremo Tribunal Federal para saber qual a regra aplicar e evitar novos questionamentos jurídicos.

O despacho originalmente encaminhado por Salles em abril seguia um parecer pedido pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) à Advocacia Geral da União (AGU) e anulava a decisão do próprio Ministério do Meio Ambiente, feita em 2017, de seguir a Lei da Mata Atlântica ao invés do Código Florestal.

Despacho publicado por Salles hoje, no Diário Oficial, que revoga o Despacho nº 4.410/2020, onde invalidava a Lei da Mata Atlântica. Fonte: DOU/Reprodução

 

Atualização

A Fundação SOS Mata Atlântica se pronunciou sobre a decisão de Salles de revogar o despacho e destacou que mesmo com a boa notícia para conservação do bioma é preciso manter o alerta vermelho ligado. “Acreditamos na justiça e pedimos que a sociedade se una ainda mais contra os atos praticados pelo Governo Federal e a intenção declarada de desregulamentar as leis ambientais. A revogação do Despacho do MMA nada mais é que uma jogada do ministro e uma resposta para a pressão que pode sofrer dos setores que ele defende. Ele sabe que seu ato foi inadequado e poderia perder em juízo. Já é uma prática conhecida deste governo e seus ministros“, afirma Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS.

 

Leia também

Salles ignora Lei da Mata Atlântica e flexibiliza proteção

MPF entra na Justiça contra despacho de Salles que ignora lei da Mata Atlântica

Uma quedinha pela Mata Atlântica

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Colunas
31 de maio de 2020

Uma quedinha pela Mata Atlântica

A espécie que deveria me sustentar e acabou me derrubando era um palmito. A exploração ilegal do palmito-juçara foi, durante décadas, um dos maiores problemas socioambientais do Vale do Ribeira

Notícias
7 de maio de 2020

MPF entra na Justiça contra despacho de Salles que ignora lei da Mata Atlântica

Ação Civil Pública pede a revogação do ato administrativo que anistia centenas de multas no bioma. MPF já havia recomendado que Ibama ignore decisão do ministro do Meio Ambiente

Reportagens
21 de abril de 2020

Salles ignora Lei da Mata Atlântica e flexibiliza proteção

Ministro estabeleceu que norma do Código Florestal seja usada ao invés da Lei da Mata Atlântica para áreas consolidadas. Mudança no entendimento anistia multas por desmatamento   

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Ah $allesão$$$$$$$$$. Sempre aprontando suas maquinações.