Salada Verde

Responsáveis pelo barco que decepou cauda de jubarte são multados pelo IBAMA

Além do crime ambiental contra a baleia, documentado em vídeo que circulou pelas redes desde o último domingo, a embarcação também foi autuada por pescar camarão em período proibido

Duda Menegassi ·
31 de maio de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Embarcação foi apreendida pelo IBAMA e responsáveis respondem por crime ambiental contra espécie protegida. Foto: IBAMA/Governo do Brasil

Os responsáveis pela embarcação onde foram filmadas as imagens chocantes de uma cauda de baleia jubarte decepada, enquanto a mesma sangrava em alto-mar, foram autuados na última quinta-feira (28) pelo IBAMA. Foram lavrados quatro autos de infração e o proprietário e o mestre da embarcação respondem por matar a baleia, já que ela dificilmente sobrevive sem sua cauda, e também por pescar camarão em período proibido. O barco foi apreendido no porto de Itajaí, Santa Catarina.

O vídeo, que mostra o crime ambiental, começou a circulou pelas redes no último domingo (24) e foi usado pelos responsáveis pela investigação para identificar os infratores – o rosto de dois tripulantes aparece no vídeo. A operação foi conduzida pelo IBAMA em parceria com a Polícia Federal, a Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SAP/MAPA) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Além do crime contra a baleia jubarte, animal protegido por lei desde 1987 (Lei Nº 7.643/1987), a embarcação, que utiliza rede de arrasto para pesca de camarão, também não estava autorizada a executar a atividade devido ao defeso da espécie, que se estende até 31 de maio.

Baleia chega morta na praia com marca de rede em sua cauda. Dezenas de baleias morrem como vítimas indiretas das redes de pesca. Foto: Projeto Baleia Jubarte

O coordenador do Projeto Baleia Jubarte, Eduardo Camargo, explicou ao ((o))eco que, apesar da imagem brutal que é ver a cauda da jubarte decepada, essa é uma situação que infelizmente é mais comum do que deveria. “Quando não é uma embarcação dessas, de arrasto, são aquelas redes de espera imensas que ficam boiando. Todos os anos nós temos registros de baleias que morrem por conta dessas redes de pesca e esse número vem crescendo nos últimos 5 anos, porque a população de baleias tem aumentado muito. Os pescadores precisam ser conscientizados inclusive porque não são apenas as baleias prejudicadas, mas eles próprios, porque é um risco aos pescadores também”, explica o coordenador.

Baleias jubarte (Megaptera novaeanglie) são espécies migratórias que passam pelo litoral brasileiro todo ano, principalmente entre junho e novembro. Estima-se que a população atual de jubartes em águas brasileiras seja de 20 mil indivíduos, um número crescente graças aos esforços de conservação das últimas décadas que incluem, principalmente, a proibição da caça na maioria dos países.

 

Leia também

Baleia jubarte tem cauda decepada por embarcação pesqueira

Baleias vivas geram bilhões de dólares ao país em serviços ecossistêmicos

Projeto monitora baleias no litoral norte de São Paulo

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Reportagens
3 de outubro de 2017

Projeto monitora baleias no litoral norte de São Paulo

Através de parcerias, o “Baleia à Vista” colocou São Paulo na rota do monitoramento de Cetáceos no país. Projeto é idealizado por um observador amador

Reportagens
4 de maio de 2020

Baleias vivas geram bilhões de dólares ao país em serviços ecossistêmicos

Economistas do FMI estimam que animais valem cerca de 82,5 bilhões de dólares. Cálculo leva em conta captura de carbono, fertilização marinha e turismo

Notícias
25 de maio de 2020

Baleia jubarte tem cauda decepada por embarcação pesqueira

Pescadores em um barco de pesca industrial filmaram a cena, que pode configurar crime ambiental caso se confirme intencionalidade. Polícia Federal e Ibama investigam o incidente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta