Salada Verde

Procura-se origem de filhote de harpia abandonado na porta de zoológico, em Manaus

Animal foi deixado na portaria do zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva, há uma semana. Veterinários acham que ele caiu do ninho e querem devolvê-lo aos pais

Daniele Bragança ·
21 de julho de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Filhotinho de gavião-real recebe cuidados da equipe de veterinários do Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva – CIGS, do Exército Brasileiro, em Manaus.

Um filhote de harpia de mais ou menos dois meses de vida foi deixado na portaria do Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), do Exército, em Manaus, no domingo, dia 12 de julho. A ave estava bem debilitada e quase sem sinais vitais. Após cuidados médicos e duas cirurgias, o bebê se recupera, enquanto os veterinários apelam por informações sobre a origem do filhote, pois desejam devolvê-lo aos pais.

“É um filhotinho de aproximadamente 2 meses de idade. Provavelmente sofreu uma queda do ninho. Os pais devem estar sentindo a sua falta, pois cuidariam dele por mais de 2 anos, até que ficasse completamente independente.”, disse a Dra. Tania Sanaiotti, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e coordenadora do Projeto Harpia.

A harpia, também conhecida como gavião-real, é a maior ave de rapina da América do Sul, com uma envergadura que pode chegar a 2 metros de comprimento.

Projeto Harpia quer devolver o filhote aos pais

Filhote sob os cuidados do Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS). Foto: Projeto Harpia.

O filhotinho em questão é quase um recém-nascido e precisa dos pais. Foi encontrado desidratado e com fraturas. “O animal estava bastante debilitado, quase sem sinais vitais. Após 48 horas de hidratação, alimentação e medicamentos, o filhote melhorou o estado clínico e foi possível realizar exames mais detalhados. As imagens de raio X revelaram que ele sofreu duas fraturas, uma na asa direita e outra na perna direita, que precisarão passar por cirurgias e imobilização.”, informou o Tenente Ricardo Lopes da Cruz, médico veterinário que cuidou da recuperação da ave.

O Projeto Harpia está em busca de mais informações sobre a procedência do filhote deixado no Zoológico do CIGS. A única informação que deram ao deixarem o filhote foi que ele veio da estrada que leva à Vila de Balbina, em Presidente Figueiredo, Amazonas. A informação da sua origem é importante para os pesquisadores terem maiores chances de devolver esse animal à natureza.

Foto: Divulgação/ Projeto Harpia.
Serviço

Quem souber de mais informações sobre a procedência do filhote, por favor, entre em contato pelo WhatsApp 2740422060 ou e-mail [email protected]

Facebook:@harpiaprojeto / Instagram: @projetoharpiabrasil

 

Leia Também 

De quase herói a quase bandido: como não salvar um filhote de harpia

Crônica de uma reintrodução de Harpia

Gavião-real: surpresa do Pantanal

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Análises
21 de agosto de 2009

Gavião-real: surpresa do Pantanal

Durante monitoramento de araras, biólogo se depara com harpia na planície pantaneira e realiza o primeiro registro confiável da ave e de seu ninho nesta região. Foi no dia 5 de agosto, no entorno do SESC Pantanal

Análises
2 de fevereiro de 2020

Crônica de uma reintrodução de Harpia

Filhote se mostra pouco empolgado em sair voando após período de 4 meses enjaulado. Sem problemas, ele tem dois anos para aprender a se virar sozinho

Análises
26 de março de 2018

De quase herói a quase bandido: como não salvar um filhote de harpia

Decisão emocional expõe biólogo a martírio pela Amazônia e pela burocracia ambiental, dos quais ele só preserva os seus ideais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta