Salada Verde

Policiais são acusados de facilitar tráfico de marfim em Moçambique

Os funcionários aguardam julgamento por facilitar o contrabando de grandes quantidades de chifres de rinocerontes e presas de elefantes

Sabrina Rodrigues ·
16 de agosto de 2017 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
 O rinoceronte negro (Diceros bicornis), assim como o rinoceronte-branco, estão sendo extintos em Moçambique. Foto: Charles Sharp-Flickr.

O rinoceronte negro (Diceros bicornis), assim como o rinoceronte-branco, estão sendo extintos em Moçambique. Foto: Charles Sharp-Flickr.

 

Cinco policiais moçambicanos e outros dois funcionários do departamento de alfândega foram suspensos enquanto aguardam demissão por estarem ligados ao contrabando de chifres de rinocerontes e presas de elefantes para fora do país. Os acusados ficaram detidos por pouco tempo, foram libertados sob fiança e agora estão aguardando julgamento.

A informação foi revelada pelo comandante de polícia da cidade de Maputo, capital de Moçambique, Bernardino Rafael. Segundo o comandante, os funcionários estão sendo acusados de facilitar o contrabando de grandes quantidades de chifres de rinocerontes e presas de elefantes para a Malásia.

Nos últimos anos, o envolvimento de autoridades policiais no contrabando de chifres de rinoceronte, marfim e outros produtos proibidos tem sido noticiado com frequência.

No mês passado, um moçambicano foi preso pelo serviço aduaneiro da Malásia quando tentava entrar no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, transportando 36 quilos de marfim contrabandeados do sul da África.

Contrabando de marfim e a ameaça de extinção de animais

Moçambique se tornou um canal para os traficantes de marfim e chifres de rinocerontes para a Ásia. O marfim é muito utilizado para fazer enfeites, ornamentos e por curandeiros nos países asiáticos. A crença é que o pó do chifre de rinoceronte é milagroso e cura todo tipo de doença.

Duas espécies de rinocerontes africanos estão sendo extintos em Moçambique: o rinoceronte-negro (Diceros bicornis) e o branco (Ceratotherium simum). Acredita-se que os chifres dos rinocerontes venham de animais abatidos por caçadores furtivos.

A existência dos elefantes em Moçambique também está ameaçada. Cerca de 10 mil elefantes estão sob ameaça de caçadores furtivos no país.

 

Leia Também

Hong Kong quer acabar com o comércio de marfim

China decide proibir comércio de marfim em 2017

Demanda por marfim está desestabilizando a África Central

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
20 de junho de 2013

Demanda por marfim está desestabilizando a África Central

A caça maciça de elefantes feita através de fronteiras por grupos violentos está levando os países da região a organizarem uma reação.

Salada Verde
2 de janeiro de 2017

China decide proibir comércio de marfim em 2017

Com a medida, o país visa proteger os elefantes. Anúncio foi comemorado pelos ambientalistas, que destacaram a decisão como histórica

Salada Verde
29 de junho de 2017

Hong Kong quer acabar com o comércio de marfim

Em meio às críticas contra a matança de elefantes, governo enviou um projeto de lei proibindo o comércio na região. Decisão está nas mãos do legislativo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta