Distante da crise

A crise econômica deixou cicatrizes e ainda segue ferindo o sistema financeiro global, mas ao menos a indústria automotiva nacional não pode reclamar. Conforme noticia hoje a Folha de S. Paulo, a venda de carros em fevereiro deste ano foi superior a do mesmo período do ano passado. Tudo graças a medidas governistas como redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e maior oferta de crédito. A poluição e o trânsito das cidades agradecem.

Por Salada Verde
3 de março de 2009

Amazônia perde 754 Km2 em três meses

Os novos dados oficiais mostram que a Amazônia perdeu 754,3 quilômetros quadrados (Km2) entre novembro de 2008 e janeiro deste ano. A área é semelhante à metade da cidade de São Paulo. Pará, Mato Grosso e Maranhão, nesta ordem, lideram as derrubadas. Comparando a taxa atual com o trimestre do período anterior (2007/2008), quando 2.527 Km2 tombaram, há queda de 70,2% no ritmo do desmatamento. Já em janeiro do ano passado, foram desmatados 638 Km2 de floresta, enquanto que em janeiro deste ano foram derrubados 222 Km2. Essa redução é de aproximadamente 65%. O período verificado é de chuvas no norte do país e de menor uso das motosserras. Acre, Amazonas, Amapá e Roraima praticamente não foram monitorados na última análise do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) pela intensa nebulosidade. O desmatamento foi avaliado com o sistema Deter, que “enxerga” corte raso e seletivo (degradação), mas é menos preciso que o Prodes, modelo usado para as estimativas anuais de perdas de vegetação na Amazônia. O boletim completo do Inpe/Deter pode ser conferido aqui.Confira aqui tabela com dados do Deter em 2008:MêsKm2Janeiro638 Fevereiro724 Março145 Abril1.123 Maio1.096 Junho870 Julho323 Agosto756 Setembro587Outubro540Novembro354Dezembro177 

Por Salada Verde
3 de março de 2009

Sul seco da América

Imagens de satélite em alta definição da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) revelam a pindaíba em que se encontra a porção sul da Bacia do Rio da Prata, entre Brasil, Uruguai e Argentina. Trata-se de uma das piores secas das últimas décadas. A área engloba terras altamente cultivadas com milho, algodão, soja ou pastagens. Porções de Pampa na fronteira do Rio Grande do Sul com esses países são vistas como propícias ao plantio de eucaliptos, árvores que adoram beber muita água. O Uruguai tem grande parte de seu território coberto com essa árvore exótica. A Nasa não faz relação direta entre essas e outras lavouras e a seca. Mais informações, aqui.Já o periódico britânico The Guardian exibe imagem (clique aqui) de gigantesca nuvem de poeira avançando do tradicionalmente ressecado litoral da Patagônia (Argentina) em direção ao Atlântico.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Belo Monte no front

O Ibama recebeu na última sexta (27) os estudos ambientais da polêmica Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. O órgão federal tem até seis meses para analisar a papelada e decidir sobre a concessão de licença prévia para a obra. O leilão para quem vai construir a usina que deve gerar 11 mil megawatts a partir de abril de 2014, a um custo estimado de R$ 7 bilhões, está marcado para até setembro deste ano. A estatal Eletrobrás elaborou os estudos, mas poderá participar do pleito. A barragem promete, no mínimo, afetar terras indígenas e trazer prejuízos à biodiversidade amazônica.Saiba mais:Só na AmazôniaÍndios X usinasBelo Monte sob suspeita

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Desrespeito a Burle Marx

Quem saiu de Santo André (SP) para aproveitar o Carnaval se deparou com menos árvores no entorno do paço municipal (foto) na volta para casa. De acordo com a Associação dos Amigos do Parque Central, uma organização não-governamental que atua naquela cidade paulista, a prefeitura aproveitou o período de folia para retirar árvores nativas e arbustos sem autorização ou comunicar aos moradores. Além do aspecto ornamental, a flora da região é casa de pássaros e insetos. O projeto paisagístico é (era) assinado por Burle Marx.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Recorde na Lagoa

Mais de 2 mil cariocas visitaram o Encontro das Águas em fevereiro, espaço destinado ao meio ambiente em plena Lagoa Rodrigo de Freitas. O número foi divulgado nesta segunda (2) e revela um recorde de público. Atualmente, o local recebe a exposição Esculturas do Mar, com peças em madeira produzidas pelo artista plástico Antônio Fernandes Varela. Toda a matéria-prima utilizada foi recolhida na Baía de Guanabara. O programa é gratuito.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Navio para o Brasil

Em 2006, a Diretoria de Hidrografia e Navegação e a Fundação de Desenvolvimento de Pesquisa firmaram um acordo para aquisição do navio hidroceanográfico Cruzeiro do Sul. Intermediada pela Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, também da Marinha, a compra já foi realizada e o veículo será apresentado nesta quarta-feira, dia 4 de março. O projeto visa dotar o Brasil de mais uma plataforma para a coleta de dados sobre os mares, embarcando pesquisadores, professores e alunos. Para tanto, o navio dispõe das mais avançadas tecnologias para medir temperatura e salinidade das águas, além de instrumentos necessários à determinação da velocidade das correntes marítimas.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Pela boca dos professores

Nesta terça (3), 120 professores dos municípios de Jaraguá do Sul, Guaramirim, Corupá, Schroeder e Massaranduba, todos em Santa Catarina, participarão de oficina na Recreativa Duas Rodas Industrial (empresa do setor alimentício) onde apresentarão trabalhos sobre as questões ambientais para garantir o desenvolvimento sustentável da região do Vale do Rio Itapocu. A iniciativa faz parte do projeto Serra do Mar: Água e Vida, patrocinado pela Petrobras e desenvolvido pelo Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade. O evento será das 8h às 11h30min e é aberto à comunidade. Informações pelo fone (47) 3274-8613 ou www.ra-bugio.org.br.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Conhecimento se repassa

Com o projeto, há mais de um ano professores participam de atividades práticas de educação ambiental cujo tema principal são os “serviços ambientais” das áreas preservadas, como a proteção dos recursos hídricos, tão essenciais para o desenvolvimento da região, e também da riquíssima biodiversidade de plantas e animais. Assim, os educadores podem atuar como multiplicadores de conhecimentos. A expectativa, também, é de que o ensino de Ciências se torne mais estimulante para seus alunos.

Por Salada Verde
2 de março de 2009

Bugio não merece pedrada

Como O Eco mostrou, já em janeiro de 2008, macacos costumam ser vítimas da ignorância quando o assunto é transmissão da febre-amarela. Desconfiados de seu papel na circulação da doença, humanos usam pedras e outras armas para dar cabo de seus parentes mais próximos no reino animal. Com os casos e mortes registrados Brasil afora neste verão, alguns órgãos públicos tentam desviar a mira da macacada. A Secretaria de Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, por exemplo, veiculou nota em sua página informando que o “bugio não transmite a febre amarela ao homem. Ao contrário, ele é a primeira vítima do mosquito transmissor da doença e, ao morrer infectado, aciona o alerta para a população. Por isso, estamos em campanha pela conservação desse primata”. O estado criou um grupo técnico para tratar da relação entre a febre e os bugios.Saiba mais:Macacos pagam o patoA culpa é sempre do mato

Por Salada Verde
2 de março de 2009