Salada Verde

“Não vai ter autódromo em Deodoro”, diz Eduardo Paes, prefeito do Rio

Prefeitura descarta construir novo autódromo na Floresta do Camboatá. Decisão faz parte de acordo do prefeito empossado com o Partido Verde, que o apoiou na eleição

Daniele Bragança ·
6 de janeiro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Localizada no bairro de Deodoro, a Floresta do Camboatá possui uma área aproximada de 194 hectares. Foto: Marcio Isensee e Sá.

A floresta fica. Essa é a decisão do novo prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM-RJ), cumprindo um acordo costurado na campanha com ambientalistas e o Partido Verde de descartar a construção do novo autódromo da cidade em cima da Floresta do Camboatá, em Deodoro, no Rio de Janeiro.

Em novembro, a Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca), órgão da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas), decidiu dar mais uma chance para a empresa Rio Motorpark apresentar estudos complementares antes de decidir se indefere ou não a licença prévia do novo autódromo do Rio. Na prática, a decisão da Ceca reiniciou o processo de licenciamento do zero ao solicitar novos estudos técnicos e a realização de uma segunda audiência pública.

Na ocasião, os ambientalistas do Movimento SOS Floresta do Camboatá já entendiam que, com base no parecer técnico do Inea, não haveria a possibilidade do autódromo ser erguido no local e os estudos complementares deveriam focar em novos locais para a construção. A fala do novo prefeito do Rio, Eduardo Paes, coloca um ponto final na história.

“Não vai ter autódromo em Deodoro. É meu compromisso com os ambientalistas, com o Partido Verde, que me apoiou nas eleições, é de identificar uma nova área para esse autódromo, um novo local”, disse Eduardo Paes, em entrevista à rádio Band News. (Daniele Bragança)

 

 

Leia Também 

Comissão de Controle Ambiental do Rio dá mais uma chance para a Rio Motorpark

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
19 de novembro de 2020

Comissão de Controle Ambiental do Rio dá mais uma chance para a Rio Motorpark

Por 10 votos a 3, conselheiros decidem pedir a complementação de estudos para o empreendedor, com base nos levantamento do parecer técnico do Inea. Decisão prevê nova audiência pública

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. AvatarAlexandre Paiva diz:

    Existe sentença judicial que obriga a prefeitura a construir o autódromo do Rio, destruído na época das olimpíadas, em algum lugar. É um acordo com a CBA, firmado via judicial. Vai ter que cumprir. Não tem essa que não existe plano B. As áreas para esse fim já estão selecionadas.
    Lamento a falta de consciência daqueles que não conseguem entender a importância do bioma da floresta do Camboatá.


  2. AvatarTomás diz:

    Parem de quererem destruir nossas florestas para construir, chega de construir. O aquecimento global está cada ano pior por causa dos desmatamentos e poluições. Pensem no futuro dos nossos netos e bisnetos, pensem nas novas gerações que vem. Sem floresta não existirá raça humana no mundo. Chega de destruir nossas florestas


    1. AvatarAlberto diz:

      Estou contigo e não abro, Sr. Tomás.
      Autódromos destruidores de matas e bosques para comentarem consumo de combustíveis fósseis..chega!


    2. AvatarValid zetec diz:

      Com floresta ou sem florestas, não adianta o clima está cada vez mais Quente e vai esquentar mais…
      E triste uma cidade desse não ter um autódromo!
      Esse Rio de Janeiro ja foi uma cidade maravilhosa, mas virou uma piada nas mãos desses vermes que estão no poder….


      1. AvatarGentil diz:

        Amigo, o clima esta quente, quase insuportável exatamente pela diminuição das florestas. Adianta sim mantermos as florestas. E temos que manter por enquanto que ainda podemos reverter isso.Pode até ser trite o Rio não ter um autódromo (o qual provavelmente vai ser construído em outro local), mas é mais triste uma cidade que diminui suas áreas verdes e por consequência reclama que o clima esta mais quente. Seria cómico se não fosse trágico.