Salada Verde

Movimento SOS Floresta do Camboatá produz cartilha em que desmente concessionária

Batizada de “Pequenas fantasias e grandes mentiras sobre o autódromo no Rio de Janeiro”, documento esvazia as justificativas da Rio Motorsports para construir o autódromo em Camboatá

Duda Menegassi ·
13 de outubro de 2020
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
A Floresta do Camboatá é lar de cerca de 146 espécies de árvores, 150 de aves, 19 de mamíferos, 13 de répteis e 19 de anfíbios. Foto: Marcio Isensee e Sá

A construção de um autódromo na Floresta do Camboatá tem sido não apenas uma disputa de interesses, mas também de narrativas – sejam elas verdadeiras ou não. Na linha de frente da defesa da floresta, o movimento SOS Floresta do Camboatá, elaborou uma cartilha batizada de “Pequenas fantasias e grandes mentiras sobre o autódromo no Rio de Janeiro”. O texto desmente uma série de informações que vêm sendo divulgadas pela concessionária por trás do empreendimento, a Rio Motorsports, que tenta justificar não apenas a necessidade do autódromo, mas também seu “baixo” impacto ambiental – mesmo com o plano de construí-lo em cima de um dos últimos fragmentos de Mata Atlântica de terras baixas da cidade do Rio de Janeiro.

Uma das mentiras detectadas pelo movimento é a afirmação da Rio Motorsports de que não existe floresta nenhuma naquele lugar, apenas um mato degradado – informação que o ((o))eco também já desmentiu. “É importante separar a Estrada do Camboatá e a Floresta do Camboatá. A primeira, de fato, sofre com o abandono da prefeitura, com a violência da cidade e com a falta de educação de quem joga lixo e entulho nas suas margens. Mas, dentro dos muros do Camboatá, há uma floresta de Mata Atlântica pujante, lar de centenas de espécies de árvores, plantas e animais, incluindo 20 espécies ameaçadas de extinção”, desmente a cartilha.

Outra afirmação da concessionária, a de que a construção do autódromo irá desmatar apenas dois terços da floresta – que possui 160 hectares de extensão – é rebatida com o argumento de que: “os dois terços da floresta que serão desmatados levam em conta apenas a área exata da projeção dessas estruturas sobre a floresta. Mas, todo mundo sabe que para construir é preciso abrir caminhos, fazer cortes de terreno, terraplanagem, abrir espaço para movimentação de máquinas pesadas… Ou seja, sobraria praticamente nada da Floresta do Camboatá”.

Confira o resto da cartilha produzido pelo Movimento SOS Floresta do Camboatá, neste link. (Duda Menegassi)

Leia também

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Diretor da Fórmula 1 faz lobby por autódromo na Floresta do Camboatá

Galeria: As belezas da Floresta do Camboatá vista do alto

  • Duda Menegassi

    Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Fotografia
21 de agosto de 2020

Galeria: As belezas da Floresta do Camboatá vista do alto

Nesta semana, ((o))eco esteve em Deodoro e fotografou, por cima, a Floresta que o empreendedor insiste em chamar de mato. Documentamos biodiversidade

Notícias
6 de outubro de 2020

Diretor da Fórmula 1 faz lobby por autódromo na Floresta do Camboatá

O diretor-executivo da F1, Chase Carey, enviou uma carta ao governador do Rio na qual menciona acordos pré-estabelecidos com a concessionária Rio Motorsports para sediar eventos na cidade

Reportagens
17 de setembro de 2020

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Enquanto o processo de licitação do autódromo do Rio começa a aparecer nas páginas policiais, movimento em prol da floresta vira referência

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta