Salada Verde

Ministério anuncia construção de centro de reprodução da ararinha-azul

Fazenda no município de Curaça, na Bahia, foi escolhida como sede do empreendimento. Governo prevê investimento de 5 milhões para a construção do espaço

Daniele Bragança ·
12 de julho de 2016 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Ministro assina parceria em defesa da ararinha-azul. Foto: José Cruz/Agência Brasil.

Após percorrer um longo caminho de volta para casa e conseguir se reproduzir em cativeiro, a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) está mais perto da tão aguardada liberdade: o Ministério do Meio Ambiente anunciou nesta terça-feira (12) a construção de um Centro de Reintrodução e Reprodução da Ararinha-Azul na Bahia. A ave endêmica da caatinga é considerada extinta na natureza desde 2000.

O Centro demandará um investimento de 5 milhões de reais e será erguido na Fazenda Concórdia, município de Curaçá, na Bahia, região onde viviam livres os últimos da espécie. A área de 2.380 hectares pertence a uma das cinco instituições parceiras do projeto, a Lubara Breending Cener – Al Wabra (AWWP), do Catar. O projeto também conta com o apoio da Associação para Conservação de Papagaios em Extinção (ACTP), da Alemanha; Parrots International (PI), dos Estados Unidos; criadouro Fazenda Cachoeira, do Brasil; e Jurong Bird Park, de Singapura.

Atualmente existem 120 ararinhas-azuis, distribuídas em instituições particulares do Catar, Alemanha e Brasil.

“A dedicação de tantas pessoas, de diferentes origens, para chegarmos até aqui, simboliza a compreensão de nossa responsabilidade comum”, afirmou o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. “A Caatinga, lar das ararinhas-azuis, e o Cerrado, savana mais biodiversa do mundo, precisam urgentemente desse reconhecimento, para reverter o processo de devastação de que têm sido objeto”.

Além da construção do centro, a criação de uma unidade de conservação no município, proposta já anunciada em 2014, segue nos planos do governo. A área, de 40 mil hectares, será utilizada como campo de soltura da ave na natureza.

 

Leia Também

Ararinhas-azuis: filhotes brasileiros e quiçá uma UC

O longo regresso da ararinha-azul ao Brasil

Novo esforço pode devolver ararinha-azul à natureza

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
12 de junho de 2012

Novo esforço pode devolver ararinha-azul à natureza

ICMBio traça plano com instituições privadas estrangeiras para devolver ave que é ícone da conservação à Caatinga, seu habitat de direito.

Notícias
28 de fevereiro de 2013

O longo regresso da ararinha-azul ao Brasil

Chegada de fêmeas da Alemanha é passo importante para aumentar a população das aves e criar condições para a reintrodução na natureza.

Notícias
23 de dezembro de 2014

Ararinhas-azuis: filhotes brasileiros e quiçá uma UC

Os dois novos rebentos, nascidos em cativeiro, podem ganhar uma unidade de conservação para chamar de sua, em Curaçá, na Bahia.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. Jose Carlos diz:

    Os órgãos ambientais federais parando a fiscalização por falta de dinheiro, e me vem com mais essa picardia! Reintrodução de ararinha azul seria defensável se todos os grandes e urgentes problemas da fauna brasileira – caçada a rodo por todo o Brasil, inclusive pela população de coitadinhos chamadas de "tradicionais" que vivem em harmonia com a natureza – estivessem resolvidos. Como isso está longe de acontecer, isso é uma grande brincadeira e inversão de prioridades. Mas continuemos com o circo chamado Brasil.


    1. The Big Sfiha diz:

      De fato…é só uma grande brincadeira, um hobby, dum Sheik lá das Arabias!!! E o povo tudo sorrindo como se grandes coisa fosse!!!


  2. Capivara diz:

    Cortina de fumaça…Basta só dar uma olhada na desconstrução das políticas ambientais e sociais em curso pelos outros ministérios…


  3. Vaca atolada diz:

    Kkkkkkkk, só alegria !!! vamos rir também, Kkkkkkkk