Salada Verde

Japão sofrerá sanções se não parar com caça de baleias

País tem até fevereiro de 2019 para paralisar a caça “científica” de baleias, determinou a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES)

Sabrina Rodrigues ·
8 de outubro de 2018 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Estima-se que em 16 anos de caça ilegal, cerca de 1500 baleias-sei (Balaenoptera borealis) foram mortas por baleeiros nipônicos. Foto: Scott Heron/Flickr.

 

O Japão tem até fevereiro do ano que vem para tomar medidas contra a caça ilegal de baleias, se não o fizer, enfrentará sanções comerciais. A decisão veio Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES) em reunião realizada em Soshi, na Rússia.

O comitê averiguou que toneladas de carne de baleia-sei estão sendo contrabandeadas pelo Japão sob a falsa justificativa de fins científicos. A CITES afirma que o país viola as leis internacionais usando carne e gordura de baleia que vão parar nos pratos dos japoneses. O órgão foi firme ao afirmar que se dessa vez, o país não cumprir as determinações,  recomendará que os 182 países que fazem parte da Convenção apliquem sanções comerciais ao Japão.

Em 2014, a Corte Internacional de Justiça decidiu que a caça “científica” de baleias praticada pelo Japão no Santuário de Baleias do Oceano Austral não possuía quaisquer fins científicos e determinou que suas atividades fossem paralisadas. Mas o Japão ignorou o pedido e continuou matando milhares de baleias. Estima-se que em 16 anos de caça dita “científica”, cerca de 1500 baleias-sei (Balaenoptera borealis) foram mortas por baleeiros nipônicos.

A delegação japonesa afirma que tomará as devidas ações corretivas.

O comitê se reunirá em maio para avaliar o cumprimento ou não do Japão às determinações impostas.

 

Leia Também

Brasil perde em casa oportunidade de criar Santuário das Baleias no Atlântico Sul

Corte Internacional proíbe a caça “científica” de baleias

CITES 2016: O 7X1 das espécies ameaçadas

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Análises
3 de outubro de 2016

CITES 2016: O 7X1 das espécies ameaçadas

Apesar do lobby, a Conferência aprovou todas as propostas relevantes de mais restrição ao comércio internacional de espécies ameaçadas

Notícias
31 de março de 2014

Corte Internacional proíbe a caça “científica” de baleias

Na justiça, Austrália derrota Japão, que será obrigado a deixar as baleias austrais em paz. Decisão é inapelável e sua obediência é compulsória.

Notícias
12 de setembro de 2018

Brasil perde em casa oportunidade de criar Santuário das Baleias no Atlântico Sul

Apesar da vitória, os votos a favor não foram suficientes para aprovar uma proposta que há 20 anos vem sendo debatida na Comissão Internacional da Baleia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. AvatarMarcelo diz:

    Esperar o que de um país se aliou a Hitler?


  2. AvatarJair diz: