Salada Verde

Instituto Mamirauá resgata filhote de peixe-boi no Amazonas

O animal recebeu cuidados especializados da equipe do Grupo de Pesquisas em Mamíferos Aquáticos Amazônicos (Mamaq) até ser transportado, no sábado (09), para Manaus

Sabrina Rodrigues ·
11 de junho de 2018 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Batizado de Tuxauazinho Sião pela equipe, filhote de peixe-boi está em bom estado de saúde. Foto: João Cunha.

 

Após 10 dias de cuidados do Instituto Mamirauá, um filhote de peixe-boi de 84 centímetros, pesando cerca de 10 quilos e meio foi transportado, na madrugada do último sábado (09), por lancha, de Tefé (AM) para a sede do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), que fica em Manaus, até que esteja apto a voltar ao seu habitat natural.

A história do resgate do filhote, batizado de Tuxauazinho Sião, começou quando um pescador encontrou o pequeno peixe-boi, de aproximadamente 2 meses, nas proximidades da comunidade Monte Sião, que fica na zona leste de Manaus. Moradores do local procuraram o Instituto Mamirauá, uma unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em busca de cuidado especializado para o animal.

O Grupo de Pesquisas em Mamíferos Aquáticos Amazônicos (Mamaq) do Instituto tratou da alimentação e atendimento de saúde do mamífero aquático. Segundo a pesquisadora Hilda Chávez, do Mamaq, Tuxauazinho, cujo nome é uma homenagem à comunidade onde foi encontrado, está em boas condições físicas. “Passados uns dias com a equipe, (o peixe-boi) passou a se movimentar mais, brincar e a comer as plantas, ele já está comendo plantas muito bem, além da amamentação. Foi bem interessante como ele evoluiu nesse período”, afirma a pesquisadora.

 

Assista ao vídeo do filhote sendo amamentado:

 

Filhote de peixe-boi na comunidade onde ele foi cuidado até o resgate do Instituto Mamirauá. Foto: Hilda Chávez.

 

Peixe-boi sendo entregue para Antônio Pinto (foto), técnico do Instituto Mamirauá. Foto: Hilda Chávez.

 

Equipe do Grupo de Pesquisa em Mamíferos Aquáticos Amazônicos do Instituto Mamirauá amamentam o filhote. Foto : João Cunha.

 

Ações de conservação do peixe-boi amazônico contam com financiamento da Fundação Grupo Boticário. Foto: João Cunha.

 

A pesquisadora Hilda Chávez (esquerda) e a veterinária Paula Araújo (à direita) em atendimento ao peixe-boi. Foto: Marco Paim.

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
28 de julho de 2021

Governador do Mato Grosso pede a Bolsonaro que “estadualize” Chapada dos Guimarães

Durante reunião com o presidente, o governador Mauro Mendes pediu a estadualização do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães para que estado possa "fomentar o turismo"

Colunas
28 de julho de 2021

Dimensões Humanas como parte do processo de decolonização nas ciências ambientais

Este mês abordamos as dimensões humanas envolvidas no processo de decolonização, ou seja, no processo de ‘quebrar’ a práxis enraizada por processos colonizadores onde a cosmovisão e práticas de um certo grupo são impostas a outro

Salada Verde
28 de julho de 2021

Prefeitura do Rio de Janeiro nomeia subsecretário que irá liderar transição verde

Ruan Lira assume nesta quarta-feira (28) a chefia da subsecretaria de Transição Verde, criada para coordenar metas climáticas assumidas pelo município

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta