Salada Verde

Instalação elétrica sem aterramento provocou incêndio no Museu Nacional

Polícia Federal conclui relatório sobre as causas do incêndio que destruiu parte do acervo do maior museu natural do país. Três aparelhos estavam ligados no mesmo disjuntor

Daniele Bragança ·
4 de abril de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Segundo os peritos da Polícia Federal, o incêndio no Museu Nacional começou no auditório localizado no térreo, perto do ar condicionado e do sistema de som. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil.

Aparelho de ar-condicionado ligado em instalação elétrica sem aterramento causou o incêndio que destruiu o palácio e parte do acervo do mais antigo museu de história natural da América do Sul, fundado por Dom João VI em 1818. É o que concluiu o inquérito da Polícia Federal, divulgado nesta quinta-feira (04), em coletiva de imprensa.

O Museu Nacional, localizado na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro,  foi destruído em setembro de 2018, ano em que comemorava seu bicentenário.  

Segundo os peritos da Polícia Federal, o incêndio começou no auditório localizado no térreo, perto do ar condicionado e do sistema de som. Nove peritos participaram da investigação. Segundo os especialistas, o incêndio provavelmente foi causado por uma sobrecarga de energia no ar-condicionado superior ao que o cabo poderia aguentar.

“Uma falha no equipamento evoluiu para fogo e acabou espalhando para dentro do auditório. Era o único equipamento que permanecia sempre energizado, o que não significava que estava ligando. Ele estava em stand by”, afirma Carlos Alberto Trindade, perito que participou da elaboração do laudo.

Três aparelhos de ar-condicionado estavam ligados no mesmo disjuntor. Segundo a Polícia Federal, a gambiarra mais a ausência de um sistema anti-incêndios, com uma brigada própria, causaram a tragédia.

 

Leia Também

O triste saldo da destruição do grande museu brasileiro de história natural

O grilo-gigante e o acervo perdido do Museu Nacional

Vídeo: O Museu Nacional vive, por Alexander Kellner

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Vídeos
7 de outubro de 2018

Vídeo: O Museu Nacional vive, por Alexander Kellner

Um mês após o incêndio que consumiu o palácio onde ficava o mais importante museu natural do país, o diretor do MN explica como essa instituição sobreviveu às chamas

Reportagens
15 de outubro de 2018

O grilo-gigante e o acervo perdido do Museu Nacional

A descoberta de um novo gênero com os maiores grilos do mundo é um símbolo do início da reconstrução da coleção de entomologia da instituição

Reportagens
3 de setembro de 2018

O triste saldo da destruição do grande museu brasileiro de história natural

Perdeu-se o crânio de Luzia, a "primeira brasileira", fósseis de dinossauros, milhões de insetos e invertebrados, 700 antiguidades do Egito e muito mais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Infelizmente muitas pessoas ainda desconhecem a importância do sistema de aterramento elétrico.