Salada Verde

Exames indicam excesso de metais em Bombeiros de Brumadinho

Corporação informa que tropa será acompanhada por 20 anos.Exames detectaram a presença de alumínio e cobre nos organismos de quatro agentes

Sabrina Rodrigues ·
20 de fevereiro de 2019 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Exames detectaram a presença de metais nos organismos de quatro bombeiros que atuaram em Brumadinho. Foto: Corpo de Bombeiros de Minas Gerais/Twitter.

Perto de completar um mês do rompimento da barragem de rejeitos da Vale em Brumadinho (MG), o governo de Minas Gerais divulgou nesta quarta-feira (20) que pelo menos 4 bombeiros que trabalharam nos resgates dos corpos soterrados pela lama apresentam quantidades elevadas de metais pesados no corpo.

Segundo o Governo de Minas, exames de sangue e urina detectaram quantidade de alumínio acima do normal. Também foi detectado a presença de cobre nos organismos dos profissionais. Os agentes serão acompanhados por 20 anos.  

“A alteração nesses parâmetros não significa intoxicação aguda por esses metais e essas pessoas permanecem assintomáticas. E seguindo o protocolo de monitoramento de sua saúde. É esperado que após a interrupção da exposição, os níveis destes metais no organismo sejam normalizados”, esclarece o governo, em nota.

O Corpo de Bombeiros estima que cerca de mil pessoas tenham tido contato direto ou indireto com a lama de rejeitos da barragem, inclusive por inalação. “Houve muito revezamento [de agentes]. Depois de todos os exames, somente três militares da tropa que trabalhou lá apresentaram alguma alteração, que pode ser de lá ou de outros lugares onde eles podem ter trabalhado”.

No dia 25 de janeiro, ocorreu o rompimento das barragens da mina Córrego do Feijão, que pertence a mineradora Vale, em Brumadinho. Segundo o último boletim do Corpo de Bombeiros divulgado na nesta quarta-feira (20), 139 pessoas estão desaparecidas e o número de óbitos chega a 171.

 

Leia Também

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Rompimento de barragem em Brumadinho destruiu mais de 200 hectares

“No caso do minério de ferro, existiria a possibilidade de abrir mão de construir barragens”, afirma Bruno Milanez

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
29 de janeiro de 2019

“No caso do minério de ferro, existiria a possibilidade de abrir mão de construir barragens”, afirma Bruno Milanez

Pesquisador da Universidade Federal de Juiz de Fora critica avaliação no risco de barragens no estado de Minas Gerais e fala sobre a necessidade de estabelecer critérios para a construção delas

Salada Verde
4 de fevereiro de 2019

Rompimento de barragem em Brumadinho destruiu mais de 200 hectares

Foram comparadas imagens obtidas dois dias após o rompimento com imagens de 3 e 7 dias antes da tragédia. Maioria da parte devastada era de Mata Atlântica

Notícias
28 de janeiro de 2019

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Relatório do serviço geológico afirma que rejeitos devem chegar à usina hidrelétrica de Três Marias, no rio São Francisco, entre os dias 15 e 20 de fevereiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta