Salada Verde

Entra em vigor lei que proíbe utensílios plásticos no comércio em São Paulo

Lei municipal começou a valer no dia 01 de janeiro. Comércio não poderá mais fornecer aos clientes copos, pratos, talheres e varas para balões descartáveis feitos de material plástico

Daniele Bragança ·
6 de janeiro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: Hans Braxmeier/Pixabay.

Após um ano para o comércio se adequar, entrou em vigor na sexta-feira (01) a lei que proíbe o fornecimento de canudos, copos e talheres, agitadores de bebidas e balões descartáveis feitos de material plástico em estabelecimentos comerciais na cidade de São Paulo. O projeto de lei, de autoria do vereador Xexéu Tripoli (PV), foi aprovado Câmara Municipal em novembro de 2019 e sancionada em janeiro de 2020.

O objetivo da lei, como de outras similares aprovadas em outras capitais, é incentivar a substituição de materiais descartáveis por outros de uso mais duradouro e diminuir a produção de lixo. (Daniele Bragança)

 

Leia Também

SP bane utensílios plásticos no comércio e reacende debate sobre efetividade da medida

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
21 de janeiro de 2020

SP bane utensílios plásticos no comércio e reacende debate sobre efetividade da medida

Leis que proíbem canudos, copos e talheres em estabelecimentos comerciais dividem opiniões, mas há um consenso: precisamos mudar o modo como nos relacionamos com o plástico

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Notícias
17 de setembro de 2021

Ministério cria programa para fazer o que a Agência Nacional de Águas já faz

Lançado nesta sexta (17), o Rio+Limpos tem como objetivo disponibilizar dados sobre qualidade das águas e fomentar ações de melhoria e saneamento, competências historicamente feitas pela ANA

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta