Salada Verde

Conservação na pesca é o tema do Dia Mundial de Albatroz

A ação deste ano vai destacar o Albatroz-de-Tristão e o Albatroz-de-Galápagos que sofrem risco de extinção. Data comemorativa ocorre em 19 de junho

Marcos Furtado ·
4 de março de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Albatroz no momento da captura da isca usada em pesca. Foto: Fabiano Peppes/Projeto Albatroz.

Criado no ano passado, o Dia Mundial do Albatroz (19 de junho) é uma data para chamar atenção da população sobre os riscos que albatrozes e petréis correm nos oceanos. O mau manuseio dos equipamentos de pesca e a poluição dos mares com plásticos e outros resíduos estão entre os fatores que agravam a situação desses animais. Diante deste cenário, a ação terá como tema, neste ano, “Garantindo Pescarias Compatíveis com a Conservação dos Albatrozes”.

O objetivo da temática da data, em 2021, é mostrar as melhores práticas na pesca para a conservação de albatrozes e petréis. Em busca de alimentos, essas aves ficam com os bicos presos em anzóis ao tentarem comer moluscos vivos usados como iscas na pescaria. Em muitas ocasiões, elas têm seus bicos decepados ou morrem afogadas. 

Estima-se que a má conduta de pescadores mata aproximadamente 40 mil albatrozes e petréis anualmente. 

Em seu segundo ano, a ação vai destacar em seus materiais informativos duas espécies: o Albatroz-de-Tristão (Diomedea dabbenena), típicos das Ilhas Gough e o Albatroz-de-Galápagos (Phoebastria irrorata), espécie endêmica da região do Equador. Ambos foram classificados pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) como criticamente em perigo de extinção.

A data foi instituída pelo Acordo para a Conservação de Albatrozes e Petréis (ACAP), formado pela união dos 13 países por onde as aves passam para se alimentar. Além do Brasil, a Argentina, a Austrália, a África do Sul, o Chile, a  Espanha, o Equador, a França, a Nova Zelândia, a Noruega, o Peru, o Reino Unido e o Uruguai são signatários do acordo. O ACAP conta com o apoio de Tatiana Neves, coordenadora do Projeto Albatroz, patrocinado pela Petrobras.

Leia Também 

Pesquisa expõe como má conduta de pescadores mata e mutila albatrozes

  • Marcos Furtado

    Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2020

Pesquisa expõe como má conduta de pescadores mata e mutila albatrozes

A captura acidental das aves marítimas durante pescarias é uma das principais ameaças à conservação de albatrozes e petréis, muitas vezes mortos ou mutilados pelos tripulantes

Salada Verde
20 de abril de 2020

19 de junho, primeiro Dia Mundial do Albatroz

Entre 30 e 40 mil Albatrozes morrem todos os anos vitimados pela poluição dos oceanos, mudanças climáticas e interação com diversas modalidades de pesca industrial

Notícias
6 de maio de 2021

Responsável por relatório que expõe ineficiência no Ibama, servidor teria sido ameaçado

Rumores indicam que o servidor do Ibama teria sido ameaçado após escrever nota técnica expondo ineficiência do atual sistema de multas do órgão

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta