Salada Verde

Caso de Alter do Chão é de competência federal, defende MPF

Procuradores pediram à Justiça do Pará que a investigação sobre queimadas e as prisões dos quatro brigadistas vá para a Justiça Federal

Sabrina Rodrigues ·
3 de dezembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O primeiro foco de queimadas foi identificado no dia 14 de setembro e atingiu uma área de mata conhecida como Capadócia, que fica entre a localidade de Ponta de Pedras e a vila de Alter do Chão, onde está a Área de Proteção ambiental (APA) do mesmo nome. Foto: Brigada Alter do Chão.

O Ministério Público Federal (MPF) enviou, nesta terça-feira (03), para o juiz Alexandre Rizzi, da 1ª Vara da Comarca Criminal de Santarém (PA), um pedido para que a competência sobre a investigação a respeito das queimadas em Alter do Chão e das prisões dos quatro brigadistas saia da esfera estadual e vá para a Justiça Federal. 

Na quinta-feira (28), o MPF pediu para analisar os inquéritos e os autos do processo. O objetivo era verificar se a competência do caso cabia à esfera federal ou estadual. No entanto, segundo informações do próprio MP, até o momento, não recebeu a papelada, mas mesmo assim, conseguiu concluir a análise de competência por meio de cópias dos documentos.

O MPF defende que o caso é de competência da Justiça Federal, pois as queimadas ocorreram em uma área de terras públicas pertencentes à União, no caso, dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão e do projeto de assentamento agroextrativista Eixo Forte, ambos sobrepostos à gleba de terras públicas federais Mojuí dos Campos I. 

“Em casos de danos ambientais em área que pertence à União, como nesse caso dos incêndios em Alter do Chão, o ordenamento jurídico considera que houve um interesse federal atingido. Pelo dispositivo constitucional que estabelece as competências dos juízes federais, cabe à Justiça Federal atuar nesses processos”, explica o chefe do MPF no Pará, Alan Rogério Mansur Silva.

O pedido foi feito ao juiz Alexandre Rizzi, que vai se manifestar se concorda com o entendimento dos procuradores.

 

Leia Também

Polícia do Pará acusa brigadistas de colocar fogo em Alter do Chão; ONGs repudiam ação

Justiça mantém prisão de brigadistas de Alter do Chão; MPF solicita acesso ao inquérito

Juiz recua e liberta brigadistas de Alter do Chão

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
28 de novembro de 2019

Juiz recua e liberta brigadistas de Alter do Chão

Alexandre Rizzi, juiz da 1ª Vara Criminal de Santarém, negou a revogação da prisão preventiva na quarta e mudou de entendimento na tarde desta quinta-feira

Notícias
27 de novembro de 2019

Justiça mantém prisão de brigadistas de Alter do Chão; MPF solicita acesso ao inquérito

Após audiência de custódia na manhã de hoje (27), ficou mantida a prisão preventiva dos quatro brigadistas de Alter do Chão. Áudios vazados não mostram indícios de crime

Notícias
26 de novembro de 2019

Polícia do Pará acusa brigadistas de colocar fogo em Alter do Chão; ONGs repudiam ação

Operação “Fogo do Sairé” prendeu preventivamente quatro membros da Brigada de Incêndio de Alter do Chão e fez busca ostensiva na sede da ONG Projeto Saúde e Alegria em Santarém

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta