Salada Verde

BNDES irá gerir os recursos do Fundo Nacional de Repartição de Benefícios

Banco será responsável por adotar procedimentos para arrecadar os valores junto às empresas e transferi-los para populações tradicionais e produtores familiares

Sabrina Rodrigues ·
27 de novembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, assinou contrato em que firma acordo com o Ministério do Meio Ambiente, para ser o banco gestor dos recursos do Fundo Nacional de Repartição de Benefícios (FNRB). Foto: José Cruz/Agência Brasil.

O Fundo Nacional de Repartição de Benefícios, criado em 2015 para alocar os recursos vindos de empresas que utilizam bens naturais da flora e fauna, os chamados recursos genéticos, acaba de sair finalmente do papel. Desde 2015 a lei prevê que será recolhido 1% do faturamento líquido das empresas que exploram comercialmente produtos da biodiversidade. Esse dinheiro será repartido com os povos indígenas e outras comunidades que detêm os conhecimentos tradicionais sobre o uso de plantas, animais e suas substâncias. Após 5 anos, finalmente a gestão do Fundo de Repartição foi formalizada. 

Selecionado por meio de chamada pública, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) irá gerir os recursos do fundo, que serão direcionados a projetos de uso sustentável de patrimônio genético e de conhecimentos tradicionais. A assinatura do contrato ocorreu ontem (26), durante evento com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. O contrato foi assinado em Brasília. 

Quem definirá os projetos beneficiados pelo recurso será o Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen), formado por representantes da academia, do governo, setor produtivo e das populações tradicionais. O BNDES se limitará a adotar os procedimentos para a arrecadação dos recursos juntos às empresas, realizar as transferências para os projetos contratados pelo Ministério do Meio Ambiente mediante autorização do comitê gestor do fundo e prestar contas da movimentação financeira.

O Fundo Nacional de Repartição de Benefícios (FNRB) é resultado da adesão do Brasil ao Protocolo de Nagóia, que nasceu na 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-10), realizada na cidade de Nagóia, no Japão, em 2010. Embora o país possua uma lei que regulamenta a repartição de benefícios, o Congresso Nacional não ratificou o protocolo, que entrou em vigor em 2014.  

“O Fundo Nacional de Repartição de Benefícios é uma figura que existe na lei 13123/2015, que rege esse tema. O fundo está sendo estabelecido, tardiamente, mas não depende, em última instância da ratificação de Nagoya”, explica a doutora Nurit Bensusan, do Instituto Socioambiental (ISA).

 

Leia Também

O que é o Protocolo de Nagóia

Governo corre para emplacar “Fundo Amazônia do B” na COP

O que é a Convenção sobre a Diversidade Biológica

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Dicionário Ambiental
22 de maio de 2014

O que é a Convenção sobre a Diversidade Biológica

Conheça neste guia ((o))eco o acordo internacional criado para a proteção da diversidade biológica mundial

Notícias
8 de novembro de 2019

Governo corre para emplacar “Fundo Amazônia do B” na COP

Em carta a representante do BID no Brasil, chanceler diz que quer fazer anúncio “mesmo que preliminar” de novo fundo na conferência de Madri; Fundo Amazônia segue congelado

Dicionário Ambiental
30 de outubro de 2014

O que é o Protocolo de Nagóia

Outro produto da COP10, o acordo sobre biodiversidade estabelece regras para uso dos recursos genéticos e partilha dos lucros obtidos.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ótima iniciativa, parabéns!