Salada Verde

Após “caso Naja”, Polícia recebe denúncia e apreende 16 cobras

Suspeita é de que as 16 serpentes encontradas possam estar vinculadas à cobra Naja, capturada nesta quarta-feira após morder estudante que a mantinha em casa de forma ilegal

Duda Menegassi ·
9 de julho de 2020
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Policiais encontraram 16 serpentes em caixas de plástico na zona rural do Distrito Federal. Foto: BPMA/Divulgação

Após receber uma denúncia anônima, o Batalhão de Polícia Militar Ambiental encontrou nesta quinta-feira(09), 16 serpentes escondidas em caixas na área rural do Distrito Federal. Segundo a denúncia, estas serpentes estariam relacionadas com a naja, encontrada na noite de quarta-feira (08) após morder um dia antes o estudante de veterinária que abrigava o animal de forma ilegal dentro da sua residência, em Brasília.

As equipes da polícia fizeram uma varredura completa nas chácaras da área rural de Taquara, em Planaltina, e, após algumas horas de buscas encontram as serpentes em uma baia de cavalo. Segundo informações da Polícia Militar Ambiental, o dono do local não soube informar quem havia colocado as cobras ali.

Os animais foram encaminhados para 14ª Delegacia, onde serão incorporadas ao processo da serpente naja encontrada ontem, e depois disso seguirão para o IBAMA para o reconhecimento das espécies. Uma avaliação preliminar da equipe de policiais identificou que haveria cobras nativas do Brasil, mas também cobras exóticas, oriundas de outros países, muito provavelmente oriundas do tráfico ilegal de animais silvestres.

As cobras estavam em caixas de plástico dentro de uma das baias de cavalo da chácara. Foto: BPMA/Divulgação

“A princípio nós podemos dizer que são várias espécies muito bonitas e várias espécies não são nativas da nossa fauna brasileira, o que nos preocupa um pouco, porque nós estamos vendo que de alguma forma está tendo um contrabando desses animais tanto aqui internamente, como da Amazônia, quanto externamente, de outros países para cá”, conta o Major Elias Costa, do Batalhão de Polícia Militar Ambiental.

O caso da naja (Naja kaouthia) chamou atenção para o tráfico internacional de animais, já que essa é uma cobra que ocorre apenas no sul e sudeste asiático e sua vinda ao Brasil precisa passar por autorização prévia do Ibama, o que não foi feito pelo estudante, que acabou mordido e está internado em estado grave.

 

Leia também

Naja que mordeu estudante no Distrito Federal é capturada

Serpentes venenosas são vendidas em grupos de WhatsApp

Ibama identifica 1277 animais vendidos pela internet e monta operação

  • Duda Menegassi

    Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
6 de junho de 2018

Ibama identifica 1277 animais vendidos pela internet e monta operação

Trabalho com a Polícia Federal resultou no cumprimento de 34 mandados de busca e apreensão, resgate de 134 animais, 12 pessoas detidas e multa de mais de R$ 500 mil

Reportagens
4 de novembro de 2018

Serpentes venenosas são vendidas em grupos de WhatsApp

O arriscado comércio ilegal de cobras venenosas exóticas foi detectado pelo monitoramento realizado pela Renctas em redes sociais

Notícias
9 de julho de 2020

Naja que mordeu estudante no Distrito Federal é capturada

A cobra, exótica e venenosa, pode ter sido oriunda do tráfico ilegal de animais silvestres e estava em posse de estudante que foi mordido e está hospitalizado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta