Salada Verde

Amazônia maranhense já perdeu 75% de cobertura, alertam pesquisadores

Rede para a Conservação Maranhense afirma que só sobrou 25% do remanescente do bioma no Maranhão preservado e pede que governo atue para evitar o pior

Sabrina Rodrigues ·
7 de agosto de 2017 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Operação Hymenae realizada pelo Ibama em Julho de 2016. A ação visou combater grupo criminoso responsável por extrair e comercializar madeira na Reserva Biológica do Gurupi e das terras indígenas Caru e Alto Turiaçu, no Maranhão. Foto: Felipe Werneck/Ibama.
Operação Hymenae realizada pelo Ibama em Julho de 2016. A ação visou combater grupo criminoso responsável por extrair e comercializar madeira na Reserva Biológica do Gurupi e das terras indígenas Caru e Alto Turiaçu, no Maranhão. Foto: Felipe Werneck/Ibama.

O Maranhão está muito próximo de acabar com o que resta de floresta Amazônica em seu território: basicamente 75% já foram desmatadas e os índices de desmatamento ilegal continuam altos no estado. Na última sexta-feira (04), pesquisadores da Rede para Conservação da Amazônia Maranhense lançaram um comunicado baseado em um artigo publicado na revista científica Land Use Policy, que fez o recente diagnóstico sobre a situação calamitosa no estado.

Em carta aberta, os pesquisadores afirmam que “para garantir a sustentabilidade econômica e o desenvolvimento social no longo prazo no estado mais pobre do Brasil, o governo do Maranhão deve urgentemente criar mecanismos para proteger suas florestas, promover agricultura sem-fogo e estabelecer uma política de restauração florestal.”

Os pesquisadores alertam que o estado do Maranhão atingiu níveis recordes de queima, enfrenta escassez de água e luta contra os piores indicadores sociais e econômicos do país. Além disso, a vegetação secundária cobre 19,9 mil km² (27% da área desmatada) e está completamente desprotegida.

“Contrário aos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil durante a COP-21 em Paris para combater o desmatamento e restaurar florestas, parte dos representantes políticos do Maranhão tem buscado mecanismos legais para diminuir ainda mais a cobertura florestal. As áreas protegidas (Unidades de Conservação e Terras Indígenas) estão sendo desmatadas ilegalmente. Além disso, cerca de 771 km² de florestas nas propriedades rurais do estado ainda estão disponíveis para o desmatamento legal, uma área equivalente à da cidade de Nova York”, afirma a Rede, no comunicado.

A Rede para a Conservação da Amazônia Maranhense sustenta a afirmação de que o Estado do Maranhão precisa urgentemente estabelecer uma política de “desmatamento Zero”.

 

Saiba Mais

Comunicado à Imprensa – Rede para a Conservação da Amazônia Maranhense.

 

Leia Também

Amazônia maranhense requer atenção para continuar existindo

O procurador que laçou o desmatamento

Noruega corta 50% dos repasses para o Fundo Amazônia

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
22 de junho de 2017

Noruega corta 50% dos repasses para o Fundo Amazônia

De R$ 400 milhões, o Brasil passará a receber aproximadamente R$ 196 milhões. Ministro José Sarney declara que ‘Só Deus pode garantir a diminuição do desmatamento’

Reportagens
2 de maio de 2016

O procurador que laçou o desmatamento

A persistência de Daniel Azeredo o levou a compreender a cadeia da pecuária no Pará e a fazer um acordo que transformou frigoríficos em guardiões da floresta

Reportagens
24 de janeiro de 2012

Amazônia maranhense requer atenção para continuar existindo

Floresta amazônica do Maranhão reúne rica biodiversidade. No entanto, região sofre com ações predatórias e carência de informações.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Avatarpaulo diz:

    Eta governo federal bagaceiro, bando de malandros. O gente ruim.