Salada Verde

Água do rio Paraopeba não tem condições para consumo, aponta estudo

Um mês após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG), a Fundação SOS Mata Atlântica apresenta relatório apontando as péssimas condições hídricas da região

Sabrina Rodrigues ·
27 de fevereiro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Equipe de pesquisadores da Fundação SOS Mata Atlântica examinou 22 pontos ao longo do Rio Paraopeba. Foto: Fundação SOS Mata Atlântica/Divulgação.

A água do rio Paraopeba está imprópria para consumo e apresenta níveis elevados de metais pesados, como manganês, cobre e cromo. É o que informa a Fundação SOS Mata Atlântica, que apresentou, nesta quarta-feira (27), o relatório Observando os Rios – O retrato da qualidade da água na bacia do rio Paraopeba após o rompimento da barragem Córrego do Feijão – Minas Gerais.

A ONG percorreu 21 municípios e analisou a qualidade da água em 305 quilômetros do rio Paraopeba, desde o Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, até a Usina de Retiro Baixo, em Felixlândia. A expedição percorreu 2 mil quilômetros entre os dias 31 de janeiro a 9 de fevereiro.

De acordo com o levantamento, dos 22 pontos analisados, 10 apresentaram resultado da água como ruim e 12 péssimo.

Os níveis de cobre, por exemplo, deveriam ser de no máximo 0,009mg/L no rio Paraopeba, de acordo com a norma vigente (Resolução Conama 357), mas em alguns pontos chegou a 4mg/L do metal. Para manganês, alguns locais chegaram a apresentar até 3mg/L, sendo que o limite é de 0,1mg/L. O cromo é limitado em 0,05mg/L, mas verificou-se a presença de 2,0mg/L em alguns pontos.

“Os metais presentes na água nessas quantidades são nocivos ao ambiente, à saúde humana, à fauna, aos peixes e aos organismos vivos. Eles são reconhecidamente poluentes severos e podem causar diversos danos aos organismos, desde interferências no metabolismo e doenças, até efeitos mutagênicos e morte“, afirma Marta Marcondes, professora e coordenadora do Laboratório de Análise Ambiental do Projeto Índice de Poluentes Hídricos (IPH), Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

Segundo o relatório, a recuperação da qualidade da água e da segurança hídrica da região são de difícil previsão, por isso é crucial a adoção de medidas efetivas para mitigar os danos ambientais produzidos com a tragédia, restabelecer e regenerar o rio e seus ecossistemas. “Para o êxito das medidas de gestão e recuperação, é fundamental que a legislação brasileira, sobretudo o Licenciamento Ambiental e o Código de Mineração, não sejam flexibilizados para atender a pressões setoriais. E é primordial que os responsáveis por essa tragédia sejam punidos”, informa o documento.

Dia 25 de fevereiro fez um mês do rompimento da barragem B1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais, pertencente à Vale. Segundo o último boletim do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o número de óbitos confirmados é de 179 e de desaparecidos, 129.

 

Saiba Mais

Observando os Rios- O retrato da qualidade da água na bacia do rio Paraopeba após o rompimento da barragem Córrego do Feijão – Minas Gerais.

 

Leia Também

Relatório classifica água do Rio Doce como péssima

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Vale repete Mariana e rejeitos poderão chegar ao rio São Francisco

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
25 de janeiro de 2019

Vale repete Mariana e rejeitos poderão chegar ao rio São Francisco

Cerca de 1 milhão de metros cúbicos de lama foram derramados no acidente. Rejeitos chegarão à hidrelétrica de Retiro Baixo em dois dias. Objetivo é que ela amorteça a onda de lama

Notícias
28 de janeiro de 2019

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Relatório do serviço geológico afirma que rejeitos devem chegar à usina hidrelétrica de Três Marias, no rio São Francisco, entre os dias 15 e 20 de fevereiro

Notícias
9 de março de 2017

Relatório classifica água do Rio Doce como péssima

A equipe da Fundação SOS Mata Atlântica percorreu 650 km para registrar a qualidade da água. A publicação está disponível para download

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta