Salada Verde

85% do desmatamento ocorrido em Mato Grosso é ilegal, diz ICV

Mais da metade da derrubada ocorreu em áreas privadas cadastradas no Cadastro Ambiental Rural. Relatório aponta para a fragilidade e diminuição da fiscalização

Sabrina Rodrigues ·
12 de dezembro de 2019 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Mato Grosso foi um dos estados que mais desmatou em 2019. Foto: Ibama.

Vice-campeão no vergonhoso ranking de estados que mais desmataram na Amazônia Legal entre agosto de 2018 e julho de 2019, o Mato Grosso perdeu 1.685 km² de florestas. A maior parte desse desmatamento (85%) foi feito sem autorização dos órgãos ambientais e é, portanto, ilegal. É o que conclui um estudo publicado pelo Instituto Centro de Vida (ICV), divulgado na quarta-feira (11) na COP 25, que ocorre em Madri. 

Segundo o ICV, mais da metade deste desmatamento ocorreu em áreas privadas de proprietários com Cadastro Ambiental Rural. Ou seja, proprietários rurais com CPF, matrícula, tamanho e polígonos da propriedade conhecidos pelo governo e que, em tese, poderiam ser punidos por desmatar sem autorização dos órgãos ambientais, como prevê a lei. 

Mais da metade do desmatamento ocorrido em área privada ocorreu em imóveis rurais grandes (acima de 1.500 hectares), seguidos dos imóveis médios, que possuem entre 400 e 1.500 hectares (28%). “Metade de todo desmatamento em áreas cadastradas ocorreu, portanto, em grandes imóveis rurais e em polígonos maiores que 50 hectares, ou seja, facilmente detectável pelos sistemas de monitoramento via imagens de satélite”, aponta o relatório do ICV.

 

Distribuição do desmatamento mapeado entre agosto de 2018 e julho de 2019 por tipologia fundiária.

O estudo também identificou que 74% de todo desmatamento ilegal aconteceu em apenas 1.065 imóveis rurais. “Ou seja, são poucos os imóveis rurais que descumprem a legislação florestal e colocam em risco a legalidade e sustentabilidade da produção agropecuária de Mato Grosso”, diz o estudo.

A diminuição da fiscalização ambiental, atividade compartilhada entre o Ibama e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), foi apontado como um dos fatores que contribuem para o incentivo à ilegalidade. Autos de infração do Ibama diminuíram 37% em 2019 (janeiro a novembro), em relação ao mesmo período do ano passado. Saiu de 651 autos por crimes contra a flora para 441 autos. 

Leia o estudo na íntegra: Características do desmatamento na Amazônia Mato-grossense em 2019 – ICV

 

Leia Também

Desmatamento em Unidades de Conservação atinge maior índice dos últimos 10 anos

Imazon: Desmatamento na Amazônia aumentou 212% em outubro

Amazônia perdeu área equivalente a 8 cidades do RJ entre 2018 e 2019, aponta sistema Prodes

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
18 de novembro de 2019

Amazônia perdeu área equivalente a 8 cidades do RJ entre 2018 e 2019, aponta sistema Prodes

Desmatamento na Amazônia Legal chegou perto de 10 mil km², valor que representa alta de 29,5%, em comparação com ano anterior

Salada Verde
3 de dezembro de 2019

Imazon: Desmatamento na Amazônia aumentou 212% em outubro

Desde agosto, quando começou o ano do calendário de desmatamento, os satélites apontam aumento de derrubada de floresta. Foram 583 km² de vegetação derrubada

Reportagens
25 de novembro de 2019

Desmatamento em Unidades de Conservação atinge maior índice dos últimos 10 anos

Taxa de crescimento do desmatamento em UCS supera a média registrada para todo o bioma Amazônico, segundo sistema Prodes. Fiscalização enfraquecida e discurso de flexibilização impulsionam invasões

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. AvatarPaulo diz:

    E agora governador do MT e ministro $alles?