Salada Verde

Exonerada Silvana Canuto, a mulher forte do ICMBio

Diretora estava no órgão desde a criação do Instituto. No lugar, assume Anna Flávia Franco, que era diretora da Agência Nacional das Águas.

Daniele Bragança ·
22 de abril de 2013 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Silvana Canuto na festa de 50 anos do Parque Nacional da Tijuca, em 2011. Foto: Loscar/Blog PNI.
Silvana Canuto na festa de 50 anos do Parque Nacional da Tijuca, em 2011. Foto: Loscar/Blog PNI.

Foi oficializada a saída de Silvana Canuto do cargo de diretora de Diretora de Planejamento, Administração e Logística do ICMBio. O afastamento de Canuto na semana passada (17/4)  já era dado como certo desde o começo do ano. Em março, a ex-diretora chegou a se despedir de parte da equipe. No seu lugar, assume Anna Flávia de Senna Franco, que foi Assessora de Planejamento da Agência Nacional das Águas.

A troca de comandos no segundo escalão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade começou com a exoneração de Pedro Cunha e Menezes do cargo de diretor de Criação e Manejo de e Unidades de Conservação, no final do mês passado.

Os rumores sobre a queda da diretora mais poderosa da autarquia rondam os corredores de Brasília desde o fim de 2012. Advogada de formação e inspetora de polícia no Rio Grande do Sul, Canuto assumiu em 2007 e não mais saiu do posto. Ganhou poder na gestão de Rômulo Mello, a quem, em ausência, substituia na presidência do ICMBio.

Entre a saída de Rômulo Mello e a chegada de Roberto Vizentin, novo presidente da instituição, coube a Canuto administrar o Instituto, interinamente.

Na gestão Vizentin, o cargo de Silvana começou a incomodar. Fontes que não querem se identificar creditam a saída de Canuto por atritos com o presidente. Outros consideram uma troca normal de comando.

O periodo de administração de Silvana teve polêmicas. Em agosto de 2011, o ICMBio comprou, sem licitação, kits com gás lacrimogênio, spray de pimenta e balas de borracha. A despesa de R$ 3 milhões com o kit foi considerado desnecessária. A reportagem de Cláudio Angelo, na Folha de São Paulo, investigou a compra controversa.

Outra controvérsia foi um pregão de 20,3 milhões de reais para gastos com serviços gráficos para atender ao Instituto. O contrato milionário chamou atenção do Ministério Público Federal e do Tribunal de Contas da União, que suspendeu a realização do pregão. O fato foi exposta pelo jornal O Globo, em matéria de Regina Alvarez.

Ex-diretora da ANA assume vaga

Anna Flávia de Senna Franco foi Assessora de Planejamento da Agência Nacional das Águas (ANA). No dia 20 de março, a ministra Izabella Teixeira já tinha cedido a servidora da ANA para o cargo que agora ela assume oficialmente.

*editada em 24/04/12

 

Direito de resposta à Sra. Silvana Canuto

A Sra. Silvana Canuto, ex-diretora de Planejamento, Administração e Logística do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Biodiversidade), procurou ((o))eco para fazer uma crítica ao texto “Exonerada Silvana Canuto, a mulher forte do ICMBio” http://www.oeco.org.br/salada-verde/27103-exonerada-silvana-canuto-a-mulher-forte-do-icmbio , que noticiou a sua saída do órgão, em abril de 2013.
Silvana apontou que ela não havia sido ouvida, principalmente no que tocava duas compras do ICMBio que ocorreram sua responsabilidade e que a matéria chamava de “polêmicas”.

Embora ouvi-la não seja uma obrigação do site, ela está certa: é prática essencial do jornalismo e, como editor, reconheço que ((o))eco falhou: Silvana deveria ter sido ouvida.

Minha sugestão foi que ela que nos encaminhasse a sua crítica para publicação. Segue abaixo, então, a carta de Silvana Canuto, que publicamos voluntariamente como direito de resposta.

 

Eduardo Pegurier, editor

Clique para ampliar

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
22 de abril de 2013

Exonerada Silvana Canuto, a mulher forte do ICMBio

Diretora estava no órgão desde a criação do Instituto. No lugar, assume Anna Flávia Franco, que era diretora da Agência Nacional das Águas.

Reportagens
16 de maio de 2021

Proposta muda desenho de UCs no rio Negro, com nova reserva e redelimitação

O projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa cria uma Reserva do Desenvolvimento Sustentável no Baixo Rio Negro, no Amazonas, e redelimita parque estadual e APA

Reportagens
16 de maio de 2021

Projetos de estradas na Amazônia podem desmatar 2,4 milhões de hectares nos próximos 20 anos

12 mil km de estradas previstas em 75 projetos para os cinco países da Bacia Amazônica podem causar o desmatamento de 2,4 milhões de hectares. 17% dessas obras violam a legislação ambiental e o direito de povos indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta