Índios protestam e Congresso adia comissão sobre PEC 215

terça-feira, 16 abril 2013 22:41
Henrique Alves junto com os indígenas. Ato faz parte das manifestações do Abril Indígena, em defesa dos direitos de índios do Brasil. Foto: J. Batista/ Câmara dos Deputados.
Henrique Alves junto com os indígenas. Ato faz parte das manifestações do Abril Indígena, em defesa dos direitos de índios do Brasil. Foto: J. Batista/ Câmara dos Deputados.

Mais de 300 índios lotaram o plenário da Comissão de Constituição e Justiça em ato contra a instalação da comissão especial destinada a analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que transfere para o Congresso a competência sobre demarcação de Terras Indígenas, Terras Quilombolas e criação de Unidades de Conservação. Deu certo. A pedido do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, pelo menos por enquanto os líderes dos partidos não vão indicar membros para a comissão especial.

A decisão foi tomada por pressão dos indígenas, que condicionaram a saída do plenário da Comissão de Constituição e Justiça apenas se a PEC 215 saísse na pauta. O ato foi convocado pela Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Indígenas. “Ou o senhor revoga isto hoje ou nós não desocupamos aqui. Nós iremos permanecer. Se é promessa de campanha do senhor, então prometa a nós também”, disse Neguinho Truká, líder do povo Truká, de Pernambuco, em referência a promessa que o presidente teria feito a parlamentares da bancada ruralista de instalar a PEC 215.

Em fevereiro, Henrique Alves foi eleito com apoio da bancada ruralista. Ele se defendeu afirmando que “não há bancada nenhuma na casa que imponha nenhuma de suas vontades”.

A PEC 215 foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara no dia 21 de março do ano passado e foi mandada para ser votada no plenário da Câmara, mas o deputado João Campos (PSDB-GO) entrou com pedido de instalação de uma comissão especial para analisar o tema, que foi criada na última quarta-feira (11).

A ideia dos indígenas acampar no plenário da comissão foi do deputado Domingos Dutra (PT-MA). “Foi esta comissão que aprovou a PEC, sugiro que só saiamos daqui quando o presidente disser que não vai instalar a comissão [especial]”, disse. Foi exatamente o que aconteceu.

Enquanto a comissão não for instaurada, a tramitação da PEC ficará parada na Câmara dos Deputados.

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.