Reportagens

Observatório do Clima pede a Dilma que apresente INDC antes do registro na ONU

A presidente deve anunciar o plano de redução de emissões no dia 27, em reunião em Nova York.

Claudio Angelo ·
17 de setembro de 2015 · 6 anos atrás
Dilma Rousseff discorre sobre metas durante reunião do Pronatec, em 2015. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Brasília — O Observatório do Clima pediu nesta quinta-feira (17/09) à presidente Dilma Rousseff que antecipe à sociedade brasileira o plano de combate ao aquecimento global que o governo pretende levar à conferência de Paris, em dezembro.

Conhecido como INDC, esse plano definirá as medidas que o Brasil adotará para cortar emissões de gases de efeito estufa e para proteger a população, os ecossistemas e a infraestrutura dos efeitos das mudanças climáticas.

A presidente deve anunciar a INDC no próximo dia 27, numa reunião das Nações Unidas em Nova York. Na ocasião, a meta deverá ser registrada formalmente junto à UNFCCC, a Convenção do Clima da ONU. A sociedade civil teme que, sem discussão prévia, as medidas a serem adotadas possam ser insuficientes para lidar com os crescentes desafios climáticos e representem perda de oportunidades econômicas para o Brasil em redução de emissões.

Em carta enviada à presidente, o OC solicita que seja realizada uma reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas para a apresentação dos números que deverão constar da INDC antes de seu registro junto à UNFCCC e seu anúncio à comunidade internacional, bem como das premissas, da modelagem e dos cenários utilizados em sua elaboração.

“O prazo para registro das INDCs dos países signatários da UNFCCC junto àquela Convenção encerra-se em 1o de outubro próximo. Não há, portanto, tempo hábil para uma consulta adequada por parte do Governo Brasileiro à sociedade sobre sua proposta de compromissos para novo acordo global sobre mudanças climáticas”, afirma a carta. “No entanto, consideramos que é ainda possível ao Governo Brasileiro, na ausência de novo processo de consulta formal, convocar uma reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças climáticas nos próximos dias para apresentação detalhada da INDC brasileira e todos os seus pressupostos.”

A carta à presidente lembra que análises contratadas pelo Governo Federal, como o estudo “IES-Brasil”, do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, e o projeto “Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa”, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, demonstram que é possível ao Brasil assumir compromissos ambiciosos no clima com ganhos para a economia, gerando emprego e renda.

“Num momento como o atual, de crise política, econômica e climática, apresentar uma INDC ambiciosa e abrir um diálogo com a sociedade brasileira antes de anunciar ao mundo a intenção do governo seria um sinal de liderança da presidente Dilma. Ao mesmo tempo, ajudaria a levar o país a se reencontrar com o crescimento econômico e os investimentos. Todos ganhariam. E o governo chegaria a Paris com apoio da sociedade brasileira e muito mais apto a cobrar maior ambição das grandes nações”, diz Carlos Rittl, secretário-executivo do OC.

Leia a carta na íntegra

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

 

Leia também
Brasil é o país que mais derruba árvores
Desmate “à prestação” explode na Amazônia
Brasil pode aceitar meta de descarbonização

 

 

 

  • Claudio Angelo

    Jornalista, coordenador de Comunicação do Observatório do Clima e autor de "A Espiral da Morte – como a humanidade alterou a ...

Leia também

Reportagens
19 de agosto de 2015

Brasil pode aceitar meta de descarbonização

Proposta de eliminar combustíveis fósseis neste século consta de rascunho da declaração sobre mudança climática que será apresentada nesta quinta-feira por Dilma Rousseff e Angela Merkel.

Reportagens
27 de agosto de 2015

Desmate “à prestação” explode na Amazônia

Degradação de florestas para atividade agropecuária, que engana satélite, cresce 207% em um ano, diz Imazon; alertas de corte raso sobem 63% e sugerem alta na taxa oficial, que sai no fim do ano

Reportagens
16 de setembro de 2015

Brasil é o país que mais derruba árvores

De acordo com relatório das Nações Unidas, país perdeu 984 mil hectares de florestas por ano nos últimos cinco anos; no entanto, é o segundo em áreas de proteção em todo o mundo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz:

    Novamente a falta de transparência deste governo. Falta gente séria para enfrentar os problemas.