Reportagens

Movimentação mapeada de isolados

Durante simpósio na tríplice fronteira amazônica, sertanista e antropólogo brasileiro explicam mapeamento social de isolados na fronteira Brasil-Peru

Helena Ladeira · Maria Emília Coelho ·
22 de junho de 2011 · 10 anos atrás
Simpósio reuniu profissionais para discutir situação de isolados. Crédito: Maria Emília Coelho
Simpósio reuniu profissionais para discutir situação de isolados. Crédito: Maria Emília Coelho

O auditório da Universidade do Estado do Amazonas, em Tabatinga, divisa com a Colômbia e o Peru, lotou durante o simpósio “Conhecimentos Internacionais e Territórios nas Regiões de Fronteira da Pan-Amazônia”. O evento, promovido pelo Instituto Nova Cartografia Social, aconteceu entre os dias 11 e 13 de maio e reuniu pesquisadores e especialistas de diferentes países, lideranças indígenas, e estudantes da região. No centro do debate, a cartografia como instrumento para o fortalecimento dos movimentos sociais na Amazônia.

O trabalho de proteção dos grupos indígenas em isolamento no Brasil teve destaque no simpósio. O sertanista José Carlos Meirelles, que há mais de 30 anos atua no estado do Acre e o antropólogo Terri Vale de Aquino, da Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato, da Fundação Nacional do Índio (Funai), explicaram o mapeamento social dos povos isolados na fronteira Brasil-Peru.

Os indigenistas apresentaram um mapa construído em diversas oficinas realizadas junto aos índios contatados e ribeirinhos que vivem em áreas vizinhas ou sobrepostas aos territórios dos grupos isolados no território brasileiro. O objetivo das oficinas, promovidas pela Funai em parceria com a organização Comissão Pró-Índio do Acre, é apresentar e levantar informação sobre estes grupos na região.

O diálogo resultou em um mapa com mais de 150 referências sobre a presença de índios em isolamento no Acre: 48 casos de saques, 30 avistamentos, 44 registros de vestígios materiais, como acampamentos e flechas e 36 de confrontos armados com mortes, entre outras coisas. “Informações riquíssimas sobre a movimentação dos brabos. Com esses frutos vamos tentar demarcar mais uma terra para isolados no Acre”, explicou o sertanista.

Txai Terri, como é mais conhecido, criticou a política de concessão do governo peruano da última década, que permitiu que extensas áreas da Amazônia fossem exploradas por grandes empresas madeireiras e petroleiras. “O Peru pirou! Com essa política neoliberal, madeireiros ilegais invadem reservas indígenas. Um grupo isolado chegou aqui em 2007 fugindo dessa doideira. Fugiram dos madeireiros que invadiram suas terras”, disse o antropólogo, explicando sobre a constatação da migração forçada de um grupo de índios isolados da floresta do Peru para o Brasil.

Para Meirelles, o maior preconceito contra esses índios está justamente nas populações que estão mais próximas deles: “Como proteger os isolados se há um entorno quase em guerra? O calendário indígena de ocupação da região enlouqueceu. Ninguém sabe mais quem vai encontrar quem e como. Isso é perigoso. A gente viu que proteção não se faz apenas com vigilância, mas com conscientização e participação da população”, conclui.

Saiba Mais:

Os índios mais vulneráveis da Amazônia

Um apelo para a proteção dos índios isolados

 

*Helena Ladeira é jornalista do Centro de Trabalho Indigenista

Leia também

Reportagens
19 de janeiro de 2011

Um apelo para a proteção dos índios isolados

Preocupado com a conclusão da Rodovia Interoceânica Sul, prevista para este ano, o indigenista brasileiro Sydney Possuelo faz uma convocação de urgência pedindo mais vozes em defesa da proteção dos povos indígenas isolados da Amazônia.

Reportagens
19 de abril de 2011

Os índios mais vulneráveis da Amazônia

Nenhum outro lugar do mundo abriga tantos povos indígenas em isolamento como a Amazônia. Mas apenas Brasil e Equador têm políticas para os refugiados da floresta tropical.

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta