ICMBio exonera todos os chefes de UCs que protegem o mico-leão-dourado

Duda Menegassi
quarta-feira, 13 maio 2020 20:12
Ameaçados de extinção, os micos contam com as UCs federais para proteção do seu habitat remanescente. Foto: Jeroen Kransen/Wikimédia.

Em meio à pandemia, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) exonerou todos os chefes de unidades de conservação federais que protegem o habitat do ameaçado mico-leão-dourado. As exonerações dos gestores das reservas biológicas da União e Poço das Antas, e da Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João/Mico-Leão-Dourado foram formalizadas na terça-feira (12), no Diário Oficial da União. As unidades são os últimos redutos do mico-leão-dourado, restrito à fragmentos florestais no interior do estado do Rio de Janeiro, e de acordo com a Associação Mico-Leão-Dourado, a exoneração abrupta dos chefes dessas UCs pode ser mais uma ameaça para preservação da espécie.

O mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) é endêmico da Mata Atlântica de baixada costeira do Estado do Rio de Janeiro e hoje seu habitat está restrito à fragmentos florestais nos municípios de Silva Jardim, Casimiro de Abreu, Rio Bonito, Cachoeiras de Macacu, Araruama, Rio das Ostras, Cabo Frio e Macaé. Os fragmentos que o mico chama de lar são, em sua maioria, unidades de conservação, sendo a Área de Proteção Ambiental (APA) da Bacia do Rio São João e as duas reservas biológicas, as áreas protegidas mais extensas e, portanto, mais importantes para conservação do mico-leão.

“É super preocupante [as exonerações] porque abrangem praticamente toda a área remanescente de ocorrência do mico-leão-dourado”, alerta o secretário-executivo da Associação Mico-Leão-Dourado, Luís Paulo Ferraz. “E dentro de um processo em que não houve discussão com ninguém. A Associação faz parte do Conselho das duas reservas biológicas e ninguém estava sabendo das exonerações”, completa.

O afastamento dos gestores, ao que tudo indica, é uma ação coordenada que antecipa a criação do Núcleo de Gestão Integrada de Rio das Ostras, onde além das três unidades de conservação, seriam inseridas também o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e a Reserva Extrativista (Resex) Marinha do Arraial do Cabo. As 5 UCs funcionariam de forma conjunta, com a sede administrativa no município de Rio das Ostras, e um único chefe, o da NGI. A criação do Núcleo ainda não foi oficializada no Diário Oficial da União, mas com as exonerações de todos os chefes, com exceção do gestor da Reserva Extrativista, parece ser questão de tempo até a NGI ser formalizada.

A Rebio Poço das Antas protege um importante habitat do mico-leão-dourado. Foto: Duda Menegassi.

“Eles exoneraram os gestores das UCs onde têm o mico e não exoneraram o gestor de Arraial do Cabo. Será que a gente vai ter na gestão de unidades de conservação das florestas de baixada um gestor que está cuidando da pesca? Um problema que é importantíssimo, mas completamente diferente do que temos aqui”, questiona o secretário-executivo, que acrescenta que esse “é o pior momento para fazer uma reforma administrativa”, devido à pandemia do coronavírus.

“É um processo que não foi discutido com ninguém, com uma canetada exoneraram os chefes das unidades, sem colocar nada no lugar e sinalizando a criação de um Núcleo de Gestão Integrada com unidades que não tem nenhuma afinidade, nem proximidade física nem afinidade ambiental”.

A bióloga Rita Portela, chefe do Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, também criticou o novo formato de gestão que o ICMBio pretende implementar na região.

“As duas Rebios e a APA tudo bem, são próximas, acho que não há tantos riscos unificá-las numa única chefia, mas juntar com o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, que é outra categoria de unidade de conservação e precisa de uma pessoa que saiba lidar com uso público e que é um ecossistema completamente diferente, de restinga; e com a Resex Arraial do Cabo, que é marinha e tem interação com pescadores e visa a conservação das práticas de pesca artesanal. São unidades de conservação muito diferentes e é muito difícil uma única pessoa que consiga gerir esses ambientes e ecossistemas tão diferentes e com propósitos tão distintos”, resume a pesquisadora, que assinou uma Nota de Repúdio pelo Instituto de Biologia da UFRJ contra a criação da NGI e as exonerações dos chefes.

“Nós, do Instituto de Biologia da UFRJ, trabalhamos nessas áreas, levamos nossos alunos, e a nossa opinião, do ponto de vista ecológico de conservação da natureza, é de que é muito infeliz a criação dessa NGI com essas 5 unidades, que parece que é o que vai ocorrer”, lamenta.

Caso seja oficializada a sede administrativa da NGI em Rio das Ostras, provavelmente ela será na base que já existe da Reserva Biológica (Rebio) da União no município, na margem da BR-101. De lá até a entrada principal da Rebio Poço das Antas são 30 km; até Arraial do Cabo, onde fica a Resex, são 81,5 km, cerca de 2 horas na estrada; até o ponto mais próximo do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba são 46 km, e até a Praia de São Francisco, mais ou menos no meio do parque, são 95 km.

Em amarelo, a Rebio União, provável sede da NGI Rio das Ostras, de vermelho as outras UCs que comporão o Núcleo. Fonte: Google Earth.

A distância geográfica da sede da NGI para as UCs é outra preocupação da bióloga. “Jurubatiba e Arraial do Cabo estão distantes e são áreas que precisam de pessoas no local, pois são unidades de conservação que recebem pessoas sem propósito de pesquisa e didática, como turismo, no parque, e para exploração mesmo, caso da pesca na Resex. Tirar os gestores dessas duas áreas é muito arriscado e vai dificultar muito essa gestão”.

Já a APA abrange 150.374 hectares e 7 municípios – Rio das Ostras não está entre eles. “A APA tem uma área muito mais ampla, inclui uma enorme quantidade de municípios e moradores, e você vai mover a equipe para Rio das Ostras, onde ela nem está?” questiona Ferraz.

O secretário-executivo da Associação Mico-Leão-Dourado ressalta ainda a importância em manter a coordenação nas mãos de um técnico para garantir a continuidade das ações de conservação. “Não é possível que para eficiência da unidade a melhor decisão seja retirar todos os seus funcionários da estrutura que já está lá. É um raciocínio muito tosco de que basta colocar as pessoas dentro de uma mesma sala que você vai diminuir custos. É isso? Se existe um estudo que prova que isso vai melhorar a gestão, cadê esse estudo? Se existe, nós queremos ver, nós queremos discutir”.

A falta de transparência do processo é uma das principais queixas das pessoas envolvidas em projetos de pesquisa e conservação nas áreas afetadas pelas mudanças feitas pelo ICMBio. “Não houve nenhuma discussão, nenhum critério técnico para afastar essas pessoas. É para economizar? Quanto vai ser economizado com essas medidas? Não há discussão, não há nada, há uma canetada exonerando as pessoas. E se tivesse uma discussão, os conselhos dessas unidades deveriam participar. Ninguém foi ouvido. As UCs envolvem muito mais pessoas do que a burocracia interna dos órgãos. Pessoas que precisam ser ouvidas, precisam participar, não é possível que as coisas funcionem desse jeito”, critica o secretário-executivo.

“É uma insanidade que coloca em risco vários esforços de conservação, de pesquisa, e para o programa de conservação do mico-leão-dourado isso é uma ameaça gravíssima”, conclui.

 

Leia Também

Nanico e militarizado, reestruturação do ICMBio entra em vigor

Servidores denunciam mudança de sede regional do ICMBio do Rio para São Paulo

Febre amarela mata 32% da população de micos-leões-dourados no país

 

17 comentários em “ICMBio exonera todos os chefes de UCs que protegem o mico-leão-dourado”

  1. Então significa que a gestão só funciona por causa desses chefes? São insubstituíveis? E a impessoalidade do serviço público? Uma pessoa qie trabalhou em UC marinha não pode ir pra outra?

    Responder
  2. Tá certo. Alternância de poder. Tem gente que praticamente já nasceu chefe de Unidade. Se deixar o mesmo comando muito tempo, deixa de ser instituição, vira feudo.

    Responder
  3. O ICMBio está promovendo um novo arranjo pra TODAS as Unidades. Não há conspiração contra o mico. Toda a instituição está passando por reformulação. Independente se é boa ou não.

    Responder
    • O que é bom ou não ? Quem diz isso? A conservação da natureza não significa mudança de chefia, se o serviço está bom e os animais estão protegidos com pessoas competentes ,então não tem motivo para trocar. É simples assim. Isso tudo se chama ganância.

      Responder
  4. Os animais e florestas fauna e flora em geral não precisam de cuidados humanos, elas é a natureza, que precisa na verdade é que tds.servidores federal ou terceirizados responsavel por cada UC ou TI cumpra sua obrigação e fiscalize para não deixar entrar madereiros, grileiro, caçadores, garimpeiros, pescadores. Região central de Rondonia.

    Responder
  5. O grande problema é não ter diálogo com outras organizações e pessoas envolvidas. Cadê o diálogo? Por que essa decisão foi tomada? ICMBio e outras instituições públicas devem ter transparência

    Responder
  6. Aqui sempre aparecem essas pessoas "desonestas", pra não ser mais grosseiro, que insistem em amenizar e desviar das principais questões colocadas pela notícia. É óbvio que alternância de cargos é importante, mas não quando essas ações são tomadas de forma unilateral, sem propostas claras, sem organização, sem preparo e, principalmente, quando partem de um governo completamente lunático, conspiratório e sem limites com o desmonte das nossas políticas ambientais.

    Responder
    • Desonesto é vc. O arranjo em núcleos de mais de uma UC já tem alguns anos, não surgiu nesse governo. Então antes podia e todo mundo ficou calado né? Já que os presidentes anteriores eram alguém da turma…

      Fora que o cargo é comissionado. Ponto final. Quem entrou sabe que pode sair a qualquer momento. Tem que parar com essa pessoalidade no serviço público. Ou tem que fazer uma roda de mãos dadas pra decidir isso?

      Responder
  7. Foi como em Fernão de Noronha, onde tiraram o especialista em fauna marinha e o levaram para a Caatinga Nordestina??????? Assim como exonerou o chefe do INPA por denuciar aumento do desmatamento da amazônia. https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/08/04/https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia
    Esta é a política ambiental do atual governo. Destruir, arrasar até só sobrar deserto inútil. As gerações futuras vão reconhecer as gerações atuais que mandam no Brasil. E como vão agradecer?

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.