Reportagens

Brasil ratificará acordo do clima na segunda

Temer entregará promulgação oficialmente às Nações Unidas na terça-feira; país se antecipa a China e EUA e se tornará o primeiro grande emissor a transformar tratado de Paris em lei

Observatório do Clima ·
24 de agosto de 2016 · 5 anos atrás
O presidente interino, Michel Temer, em evento em Brasília. Foto: José Cruz/Agência Brasil.
O presidente interino, Michel Temer, em evento em Brasília. Foto: José Cruz/Agência Brasil.

O presidente interino, Michel Temer, ratificará o Acordo de Paris na próxima segunda-feira (29), em cerimônia no Palácio do Planalto. A deposição do instrumento de ratificação do Brasil na Convenção do Clima da ONU é esperada para o dia seguinte.

Isso tornará o Brasil o primeiro grande emissor de gases de efeito estufa a ratificar o acordo do clima. O ato significa que as provisões do tratado – entre elas o objetivo de limitar a elevação da temperatura global em bem menos de 2oC em relação à era pré-industrial – passarão a ser lei no país.

O objetivo do governo é se adiantar a outros grandes poluidores, como China e EUA, que também já haviam se comprometido a ratificar até setembro. No dia 21, durante a Assembleia Geral da ONU, o secretário-geral Ban Ki-moon organizará um evento especial para os países depositarem seus instrumentos de ratificação.

Segundo fontes do Executivo, o governo brasileiro já começou a desenhar o plano de implementação de sua meta climática, a INDC (Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida). Após a ratificação, a INDC perde o “i”: deixa de ser apenas uma promessa e passa a se tornar o compromisso climático formal brasileiro – NDC.

A ideia é que a NDC seja implementada a partir de 2017. Ela prevê um corte de 37% nas emissões do país em 2025 relação aos níveis de 2005. Para isso, o governo elencou uma série de políticas, como a restauração de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas, o reflorestamento de 12 milhões de hectares e o fim do desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

“O Brasil assume papel de protagonista na implementação do Acordo de Paris ao ser o primeiro entre os dez maiores emissores do mundo a ratificá-lo”, disse André Ferretti, gerente de Estratégias para a Conservação da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário e coordenador-geral do Observatório do Clima. “A mensagem é clara: não podemos esperar mais quatro anos para tornar o acordo realidade. Se quisermos evitar os piores impactos das mudanças climáticas, é preciso agir já”, prosseguiu.

“A ratificação é um excelente sinal. Esperamos, agora, que ela venha acompanhada da necessária reorientação da economia brasileira para que o Acordo de Paris se torne realidade”, afirmou o secretário-executivo do OC, Carlos Rittl.

ANTECIPAÇÃO

Para passar a vigorar, Paris precisa das ratificações de 55 países, que respondam por pelo menos 55% das emissões globais de gases de efeito estufa. Hoje há 23 ratificações, que, no entanto, cobrem apenas 1,08% das emissões.

A ratificação do Brasil, um dos dez maiores emissores de carbono do planeta, dará impulso significativo à entrada em vigor antecipada do acordo. Somente com EUA (17,89% das emissões), China (20,09%) e Brasil (2,48%) a bordo, o acordo chegaria a 41,54% das emissões globais, segundo a conta oficial de emissões da Convenção do Clima. Faltaria apenas a União Europeia (10,55% das emissões e 27 países) para chegar perto dos dois critérios (seriam 52 países e 52,09% das emissões). No entanto, o calendário de ratificação da UE deve ser mais lento pelo número de países – cada um tem de aprovar o acordo no próprio Parlamento antes.

A ONG Climate Analytics divulgou neste mês uma previsão de que, a contar pelas declarações oficiais de outros países médios emissores, como Argentina, Canadá e Austrália, o número de adesões chegaria a 57 países e 57,88% das emissões em 2016. Em tese, isso permitiria a entrada em vigor já neste ano, quatro anos antes do prazo oficial, que é 2020.

 

Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

Leia Também

Temer deve levar ratificação em setembro

Brasil licencia nova termelétrica a carvão

Lava-Jato, recessão e índios enterraram o projeto insano da usina de São Luiz

 

 

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Reportagens
5 de agosto de 2016

Lava-Jato, recessão e índios enterraram o projeto insano da usina de São Luiz

Entenda o contexto que permitiu a decisão do Ibama de cancelar o maior plano hidrelétrico do Brasil

Reportagens
23 de agosto de 2016

Brasil licencia nova termelétrica a carvão

Usina de Ouro Negro, de 600 MW, ganhará licença prévia nos próximos dias; ela aumentará em 7% as emissões de CO2 por eletricidade no país e agravará escassez de água em zona crítica, diz Iema

Reportagens
11 de agosto de 2016

Temer deve levar ratificação em setembro

Senado aprova Acordo de Paris de forma relâmpago, abrindo caminho para promulgação antes de assembleia da ONU; governo já prepara implementação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. A prova mais real e contundente de que o Brasil não cuida das suas florestas nativas e nem da sua fauna indígena é que nós já temos dois HOTSPOTS (Mata Atlântica e Cerrado) registrados na relação internacional das áreas mais devastadas do planeta. Por outro lado o PIB brasileiro está baseado – em grande parte – na exploração de espécies exóticas manejadas em terras que antes eram ocupadas por vegetação autóctone. O desmatamento destrói a alimentação e o abrigo dos animais selvagens, levando à rarefação de suas populações e à extinção de organismos que nem chegaram a ser conhecidos pela ciência..


  2. PR.PR diz: