Reportagens

Ângelo Rabelo: “Policiamento ambiental deve enfatizar prevenção”

Curso treina policiais militares dos batalhões ambientais a planejar para prevenir crimes, em vez de apenas multar depois que eles aconteceram.

Eduardo Pegurier · Marcio Isensee e Sá ·
23 de setembro de 2015 · 6 anos atrás

O Brasil possui mais de mil homens na polícia militar ambiental, distribuídos por cerca de 300 quarteis. Para tentar melhorar a eficiência deste efetivo, há 15 anos, o Instituto Homem Pantaneiro criou o curso “Estratégias para a conservação da natureza”, feito para oficiais da polícia militar ambiental. As turmas tem entre 30 e 40 policiais e mais de 500 já completaram o programa.

O curso nasceu da experiência de Ângelo Rabelo, presidente do Instituto Homem Pantaneiro, que foi Coronel da Polícia Militar no estado do Mato Grosso do Sul. Nesta época, ele conta, havia urgência em controlar a caça ilegal no Pantanal e a atuação da polícia precisava ser armada e repressiva. Quando a caça foi controlada, diz, percebeu-se que era a hora de mudar a ênfase para a prevenção.

O curso dura dez dias e é feito embarcado. Os alunos navegam pelo rio Paraguai, na região da Serra do Amolar, passando por reservas privadas e o Parque Nacional do Pantanal. O conteúdo cobre princípios de conservação e tecnologias disponíveis com o intuito de incentivar o policial “a pensar e planejar de maneira preventiva, ou seja, deve posicionar suas unidades, quarteis, homens em áreas que inibam o crime ambiental”, diz Rabelo.  “O volume de multa pode ser um atestado de incompetência na proteção da natureza”. Ele quer dizer com isso que não adianta chegar depois que o desmatamento ou outros estragos já ocorreram.

Por fim, Rabelo diz que os policiais estavam acostumados a reprimir crimes em terras privadas, mas que podem ser cada vez mais úteis nas unidades de conservação. Cita como exemplos o caso do Parque Estadual Serra do Tabuleiro, em Santa Catarina, onde ficam nascentes que abastecem Florianópolis, ou o Parque Nacional do Iguaçu, locais que mantêm unidades da polícia militar ambiental dentro de seus limites.

Veja a entrevista com Rabelo no vídeo acima.

E veja também

Primeiro painel do CBUC debate a lei que rege as áreas protegidas
Beto Mesquita: “As RPPNs necessitam de um subsistema de gestão”
Fundação Grupo Boticário celebra realizações no aniversário de 25 anos

 

 

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
22 de setembro de 2015

Fundação Grupo Boticário celebra realizações no aniversário de 25 anos

Nascida em 1990, é uma das maiores instituições privadas de conservação ambiental e financiadora de mais de 1.400 projetos. Celebração abre a 8ª edição do CBUC.

Reportagens
22 de setembro de 2015

Beto Mesquita: “As RPPNs necessitam de um subsistema de gestão”

Especialista da CI defende que plano de manejo defina se a área protegida voluntária é parque, reserva, estação ecológica, monumento natural ou refúgio.

Reportagens
23 de setembro de 2015

CBUC 2015: Primeiro painel debate a lei que rege as áreas protegidas

Debate do primeiro dia do congresso aborda histórico, os prós e contras do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o chamado SNUC.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta